Pular para o conteúdo principal

Vermes de 41 mil anos congelados na Sibéria voltam à vida


NEMÁTODOS FORAM COLOCADOS EM TEMPERATURA DE 20 GRAUS CELSIUS E COMEÇARAM A SE MOVER (FOTO: WIKIPEDIA/ CREATIVE COMMONS)

Organismos fêmeas estavam enterrados em solo com gelo e rochas

Vários nematoides desenterrados no nordeste da Sibéria estão se contorcendo e se alimentando na Academia de Ciências da Rússia.Este é um feito surpreendente, visto que os minúsculos organismos tinham sido previamente congelados no período do Pleistoceno, que começou há 2,588 milhões de anos.

Também conhecidos como nemátodos ou nematódeos, eles são um filo de animais cilíndricos e alongados, classificados como vermes. Segundo pesquisadores, um grupo de nematóides foi encontrado em uma amostra glacial retirada a 30 metros abaixo da superfície de um pergelissolo (terra, gelo e rochas) próximo às margens do Rio Kolimá, na Sibéria.

Após a remoção dos vermes dos pedaços glaciais, eles foram levados à Academia e colocados em temperatura de 20°C com ágar e bactérias. "Depois de serem descongelados, os nematóides mostraram sinais de vida", afirmou um relatório de pesquisa, de acordo com o Siberian Times. "Eles começaram a se mover e comer."

A datação por radiocarbono mostrou que o solo e plantas de dentro da amostra têm 32 mil anos de idade. Já um segundo montante de vermes estava isolado em um pedaço glacial a 3,5 metros de profundidade, perto do Rio Alazeya, e foi datado de 41,7 mil anos.

Análises revelaram que os nemátodos de Kolyma pertencem ao gênero Panagrolaimus, enquanto os encontrados em Alazeya pertencem à Plectus. Além disso, todas são fêmeas.

Considerando que o solo naquela região descongela a uma profundidade de aproximadamente 80 centímetros por ano, e não descongelou mais de 1,5 metro em cerca de 100 mil anos, cientistas argumentam que não há como os organismos descobertos serem dos tempos modernos.

“Nossos dados demonstram a capacidade de organismos multicelulares sobreviverem à criobiose de dezenas de milhares de anos sob as condições naturais de crioconservação”, apontou o relatório do estudo, publicado na revista Doklady Biological Sciences. “Isso sugere que os nematóides do Pleistoceno possuem alguns mecanismos adaptativos que podem ser de importância científica para os campos da criomedicina, criobiologia e astrobiologia.”

Investigações anteriores mostraram que os nematoides podem suportar uma variedade de condições extremas que matariam rapidamente outros organismos. No começo dos anos 2000, pesquisadores indicaram que os vermes são capazes de sobreviver a a ciclos de congelamento e descongelamento.

Os nemátodos se transformam para se adaptar ao clima frio, quando eles excretam a água em suas células à medida que as temperaturas esfriam. Este processo – chamado de desidratação crioprotetora – impede a destruição do tecido que surge quando as moléculas de água dentro das células se expandem durante a cristalização e rompem as paredes das células.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …