Pular para o conteúdo principal

Alunos de SP apresentam projeto de jipes robóticos para Marte em evento da Nasa


Modelo impresso em 3D de um dos jipes projetados pelos alunos da Facens (Crédito: Divulgação)

Salvador Nogueira

Uma missão brasileira a Marte ainda é um sonho distante, mas isso não impede que estudantes de engenharia brasileiros se dediquem a projetar jipes robóticos capazes de futuramente explorar o planeta vermelho. E um grupo deles recentemente apresentou seus projetos num programa internacional apoiado pela Nasa.

A apresentação aconteceu na conferência SEE (Simulation Exploration Experience) de 2008, realizada na Bulgária, entre 8 e 10 de maio, eos participantes brasileiros são alunos dos cursos de Engenharia da Computação e de Tecnologia em Jogos Digitais da Facens, entidade filantrópica e faculdade de engenharias de Sorocaba, no interior de São Paulo.

Já é o terceiro ano em que a instituição promove a participação no SEE — trata-se do único grupo da América Latina no programa –, mas esta foi a primeira vez que os olhos se voltaram para Marte. Em 2016 e 2017, o trabalho se concentrou no projeto de um módulo de habitação espacial para uma colônia lunar.

Para 2018, o desafio foi desenvolver modelos de jipes robóticos que pudessem ajudar na exploração e na colonização futura do planeta vermelho.


Equipe da Facens que apresentou o projeto no SEE, na Bulgária, reunida durante o Science Days, evento organizado com apoio da Câmara de Comércio Brasil-Flórida. (Crédito: Divulgação)

“Apresentamos dois modelos: um simulando um veículo dedicado a encontrar água em Marte e outro para coletar materia do solo e, por jmeio de reações químcias, transformar esse material e produzir oxigênio”, diz André Breda Carneiro, professor do curso de engenharia da computação da Facens e coordenador do projeto.

O projeto foi bem recebido na conferência, que tem apoio da agência espacial americana e contou neste ano com participações de universidades da Alemanha, do Canadá, da França, da Inglaterra e da Itália, além do Brasil e do país-sede do evento, a Bulgária.

É mais uma prova de que os futuros engenheiros e cientistas brasileiros estão se preparando para ganhar o espaço, mesmo que o apoio governamental à ciência esteja lamentavelmente minguando por aqui. E, por falar nisso, mais uma ação educacional importante vinda da iniciativa privada merece destaque nesta semana.

GARATÉA-ISS
Foi aberto na última sexta-feira (3) o processo de inscrições para a segunda edição do projeto Garatéa-ISS, que levará um experimento brasileiro à Estação Espacial Internacional.

O projeto capitaneado pelo engenheiro aeroespacial Lucas Fonseca entra em seu segundo ano, depois de ter enviado com sucesso um experimento criado por alunos de 7o ano de escolas pública e privadas de São Paulo para ser realizado por um astronauta da Nasa. “Agora queremos expandir para todo o Brasil, atingindo todas as regiões”, diz Fonseca.

Qualquer escola pode se candidatar a participar e engajar grupos de alunos no projeto, sob a supervisão e o aconselhamento da equipe da Garatéa. O objetivo é selecionar 80 escolas, com pelo menos 25% delas localizadas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Outro objetivo é ter cerca de 3.000 alunos engajados, dos quais 60% do ensino público.

Escolas públicas pagam R$ 150 para a inscrição, e privadas, R$ 800, e cada escola pode engajar no máximo 40 alunos, divididos em grupos de 4, com divisão igualitária entre meninos e meninas. O projeto envolverá alunos do Fundamental II e do Ensino Médio.

Para saber mais do projeto e se inscrever, caso você represente uma escola e queira trazer essa experiência para seus alunos, clique aqui. As inscrições vão só até o dia 28 de agosto.


Estação Espacial Internacional fotografada em órbita por um ônibus espacial. (Crédito: Nasa)

FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …