Pular para o conteúdo principal

Voos rasantes revelam segredos de Ceres


Mosaico de imagens da Dawn revela detalhes do interior da cratera Occator, a apenas 35 km de distância (Crédito: Nasa)

Salvador Nogueira
A missão Dawn ao cinturão de asteroides entre Marte e Júpiter está se aproximando de seu final. A intrépida espaçonave segue operando em órbita de Ceres, que você pode chamar tanto de o maior dos asteroides como de o menor dos planetas anões, e numa trajetória que a coloca periodicamente muito perto da superfície desse pequeno mundo. O combustível, no entanto, está se esgotando.

Lançada em 2007, ela é uma das missões que mais se aproximam do que imaginamos na ficção científica para uma nave espacial. Com um motor iônico capaz de dar a ela um impulso suave, mas constante e duradouro, a Dawn oferece manobrabilidade incomum. Tanto que ela foi até Vesta, o segundo maior asteroide do Sistema Solar, entrou em órbita dele, passou dois anos estudando-o, entre 2011 e 2012, saiu dessa órbita e pegou o caminho até Ceres, onde chegou em 2015 e então se colocou em órbita.

Com isso, a Dawn se tornou a primeira espaçonave a orbitar dois objetos celestes que não fossem a Terra. E poderiam até ter sido três. A Nasa chegou a estudar a possibilidade de levá-la ao asteroide Adeona, antes de decidir que o maior ganho científico seria permanecer em Ceres _onde muitas descobertas importantes foram feitas.

Ceres se revelou um mundo complexo e geologicamente ativo, em que ainda hoje ocorrem eventos de criovulcanismo — a água de seu manto é por vezes ejetada para a superfície, do mesmo jeito que acontece com o magma na Terra.

Uma das formações mais intrigantes do planeta anão parece ter muito a ver com isso. É a cratera Occator, no interior da qual a Dawn pôde ver, de início, um misterioso ponto brilhante que, conforme a sonda se aproximou, se revelou uma grande montanha de sais — provavelmente resultado da ejeção de água salgada para a superfície. A água sublimou, o sal ficou, do mesmo jeito que acontece quando saímos do mar e o corpo seca.

Essa sucessão de imagens ao longo de muitos meses permitiu desnudar a público toda a beleza da ciência — o caminho, passo a passo, que leva do desconhecido ao compreendido –, de um modo que normalmente não acontece. Cientistas não gostam de apresentar “rascunhos”. Mas, diante de uma missão de exploração, não há outro caminho possível.

Neste momento, a Dawn está numa órbita que a cada 27 horas faz com que ela passe a apenas 35 km da superfície do planeta anão — é só 3 vezes a altitude de um avião de passageiros na Terra. E assim ela deve permanecer, mesmo depois que o combustível se acabe, em dois ou três meses, tornando-se uma companheira inerte de Ceres na vastidão do espaço.



FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…