Pular para o conteúdo principal

A espetacular casa de 2 mil anos descoberta sob cinzas vulcânicas em Pompeia


Arqueólogos encontram a cada dia que passa novas peças em Pompeia

Em 24 de agosto do ano 79 d.C., a erupção do Vesúvio devastou a cidade de Pompeia, que pertencia ao então Império Romano.

Hoje, quase 2 mil anos depois de ter sido soterrada sob as cinzas do vulcão, os arqueólogos continuam descobrindo relíquias que ajudam a entender como era a vida naquela cidade, localizada perto de onde atualmente é Nápoles, na Itália.


A casa tem uma decoração estilo vintage

A descoberta mais recente é uma casa luxuosa, que os pesquisadores chamaram de "Casa de Júpiter".

Eles escolheram esse nome porque, entre os diversos afrescos nas paredes, há uma pintura dedicada a Júpiter, o deus supremo da mitologia romana.


Aparentemente, o dono da casa era um homem rico que gostava de arte

"A casa tinha uma decoração vintage, no estilo antigo de Pompeia", contou Massimo Osanna, diretor do Parque Arqueológico de Pompeia, à agência Ansa.

"O dono deve ter sido rico e culto, sabia o valor das pinturas".


As escavações atuais revelam como era a 'Casa de Júpiter'

Parte da residência já tinha sido escavada entre os séculos 18 e 19.

De fato, a estrutura da casa foi abalada por túneis e trincheiras abertos naquela época, além de um incêndio, que escureceu alguns afrescos e queimou os móveis.


A casa está localizada na recém-descoberta 'Travessa das Varandas'

A nova intervenção, no entanto, está revelando a arquitetura de uma residência com um átrio central, cercado por salas decoradas e um espaço aberto com colunas, na frente do qual há outros três quartos.


Parte da casa foi danificada por escavações nos séculos 18 e 19

A entrada da residência fica na chamada "Travessa das Varandas", que também foi descoberta recentemente.

As paredes dos quartos ao redor do pátio, que imitam pedras de mármore, são pintadas em cores vivas.


As paredes da casa são pintadas com cores vibrantes

E alguns fragmentos encontrados mostram que o átrio tinha frisos com acabamentos em vermelho e azul.

Segundo especialistas, é muito provável que o dono da casa quisesse preservar o estilo vintage. Em outras residências da cidade, os moradores adotavam muitas vezes uma decoração com elementos mais modernos.


Pompeia foi destruída no ano 79 d.C. por uma erupção do vulcão Vesúvio

Uma das peças descobertas que mais chamaram atenção é uma pintura "sacro-idílica", encontrada em uma sala muito próxima à Casa de Júpiter, que eles chamaram de "a casa ao norte do jardim".


Uma das peças mais emblemáticas encontradas é essa pintura, que recria a cena de um sacrifício

A pintura recria a cena de um sacrifício em um santuário e representa uma das primeiras imagens figurativas de certa complexidade, segundo o Parque Arqueológico de Pompeia.


A cada nova descoberta, os arqueólogos aprendem mais sobre como seria a antiga Pompeia

As descobertas entusiasmaram os arqueólogos, que a cada dia que passa encontram novas pistas de como era a vida em Pompeia antes de ser destruída.

Como Osanna disse, ao publicar fotos da Casa de Júpiter no Instagram: "A poesia está nos detalhes!".

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …