Pular para o conteúdo principal

NASA anuncia os astronautas que voarão em naves da SpaceX e da Boeing


TRIPULAÇÃO COMERCIAL DA NASA (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

Os nove astronautas da tripulação comercial estão programados para voar em missões de teste e depois serão destinados à Estação Espacial Internacional

No início do mês de agosto, a NASA divulgou o nome dos astronautas que irão empreender as primeiras missões testes em naves espaciais das empresas aeroespaciais SpaceX e Boeing.

A tripulação comercial foi apresentada em evento no Centro Espacial Lyndon Johnson, em Houston, no Texas (EUA) e foi recebida com muitos aplausos. Os nove astronautas iniciam os preparos para inaugurar missões testes nas naves SpaceX Crew Dragon e da Boeing CST-100 Starliner – e, posteriormente, voar para a Estação Espacial Internacional.

Confira a história dos pilotos:

Crew Dragon, da SpaceX

A dupla de astronautas selecionada para voar no primeiro voo tripulado da SpaceX são veteranos do programa dos ônibus espaciais da NASA: Doug Hurley e Bob Behnken.


OS ASTRONAUTAS BOB BEHNKEN (ESQ.) E DOUG HURLEY (DIR.) (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

Hurley atuou como piloto de testes e coronel no Corpo de Fuzileiros Navais estadunidense e ingressou na NASA em 2000. Foi o primeiro fuzileiro a pilotar um F/A-19 Super Hornet e já contabilizou mais de cinco mil horas de voos em 25 aeronaves. Esteve sob o comando do ônibus espacial Endeavour na missão STS-127, cujo objetivo era o de instalar um hardware no exterior da Estação Espacial Internacional, bem como no ônibus espacial Atlantis, na missão STS-135, a última realizada pelo programa da NASA.

Ele irá dividir a cápsula com Behnken, engenheiro de testes de vôo e coronel da Força Aérea norte-americana. Behnken é também ingressou na NASA em 2000 e soma mais de mil horas de vôo em mais de 25 aeronaves. Participou da missão STS-123 no ônibus espacial Endeavour, com o propósito de colaborar na montagem da Estação Espacial Internacional, e na missão STS-130.

O vôo da cápsula Dragon está programado para acontecer em 9 de abril de 2019, a partir do envio de um foguete Falcon 9.

CST-100 Starliner, da Boeing

Um trio empreenderá o primeiro teste de voo da cápsula da Boeing Starliner. São eles, Eric Boe e Chris Ferguson, dois veteranos do programa Ônibus Espacial e Nicole Mann, que se prepara para sua primeira viagem espacial.


DA ESQUERDA PARA DIREITA: ERIC BOE, NICOLE MANN E CHRIS FERGUSON (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

Boe ingressou na agência espacial norte-americana em 2000 e é um coronel da Força Aérea estadunidense, ex-piloto de caça e soma mais de seis mil horas de voos em mais de 50 aeronaves. Ele foi o responsável por pilotar o ônibus espacial Endeavour durante a missão STS-126 para enviar suprimentos à Estação Espacial Internacional, assim como o veículo Discovery em seu último voo, STS-133.

Seu parceiro, Ferguson, é um capitão aposentado da Marinha norte-americana e contabiliza mais de cinco mil horas em aeronaves de alto desempenho. Pilotou o ônibus espacial Atlantis durante a missão de montagem STS-115, além de comandar os veículos Endeavour no voo STS-126 e Atlantis no voo STS-135. Depois de se aposentar da NASA, em 2011, Ferguson trabalhou para a Boeing, ajudando a desenvolver a nave espacial CST-100 Starliner.

Para fechar o grupo, soma-se a tenente-coronel do Corpo de Fuzileiros Navais e pilota de testes da F/A-18 Nicole Mann. Mann voou em 47 missões de combate no Iraque e Afeganistão e ingressou na NASA em 2013. Esse será seu primeiro voo espacial.

O lançamento da cápsula CST-100 Starliner está previsto para meados de 2019, em um foguete Atlas V.

Missão operacional Crew Dragon, da SpaceX
A primeira missão operacional da SpaceX para a Estação Espacial Internacional será comandada por um astronauta familiar com a EEI e um aviador naval. Mike Hopkins, que ingressou na NASA em 2009, é um coronel da Força Aérea dos EUA que atuou como engenheiro de testes de voo. Ele já comandou a espaçonave russa Soyuz e já passou 166 dias na Estação Espacial.


VICTOR GLOVER (ESQ.) E MIKE HOPKINS (DIR.) (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

Ao seu lado, junta-se o comandante da Marinha e piloto de testes Victor Glover. O aviador naval possui três mil horas de voos em mais de 40 aeronaves, além de 24 missões de combates e 400 pousos de transporte. Ingressou na NASA em 2013 e esse será seu primeiro voo para o espaço.

Missão operacional CST-100 Starliner, da Boeing

A primeira operação da Boeing para a Estação Espacial Internacional levará dois pilotos de teste da Marinha norte-americana, um que está se preparando para seu primeiro voo espacial e outro com experiência como comandante da EEI.


JOSH CASSADA (ESQ.) E SUNI WILLIAMS (DIR.) (FOTO: DIVULGAÇÃO/NASA)

São eles Suni Williams, que voou em dois ônibus espaciais (Discovery e Atlantis), além de ter participado de uma missão a bordo da espaçonave russa Soyuz. Williams é a segunda mulher com mais tempo de voo no espaço (50 horas e 40 minutos), perdendo apenas para a astronauta Peggy Whitson (com 60 horas e 21 minutos).

Seu colega de voo é o comandante da marinha Josh Cassada, com mais de 3 mil horas de voo em mais de 40 aeronaves. Ele já realizou 28 missões de combate de avião e atuou como piloto de testes na nave P-8 Poseidon. Cassada ingressou na NASA em 2013 e esse será seu voo espacial inaugural.

Depois de sete anos

Essa será a primeira vez em sete anos que astronautas da NASA serão enviados ao espaço a partir de solo norte-americano, algo que não acontece desde o lançamento do ônibus espacial (Space Shuttle), em 2001. Até então, a agência espacial norte-americana optava por enviar sua tripulação para a Estação Espacial Internacional em solo russo.

Porém, devido à relação conturbada entre os dois países, a parceria privada com SpaceX e Boeing pareceu uma ideia interessante. Foi assim que as empresas de Elon Musk e de William E. Boeing, respectivamente, foram escolhidas para essa nova era da NASA.





FONTE: REVISTA GALILEU - SpaceToday

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…