Pular para o conteúdo principal

Telescópio Kepler ainda não está morto e pode ter mais uma missão de observação de exoplanetas



Por: Tom McKay

O telescópio espacial de US$ 600 milhões Kepler, da NASA, que está ficando sem combustível depois de quase uma década do seu lançamento, em 2009, acordou de uma fase de hibernação de quatro semanas nesta quinta-feira (2) e está transmitindo dados para a Terra, segundo noticiou o Space.com na sexta (3). Se tudo correr bem, ele pode até mesmo ser capaz de continuar sua missão para detectar mais exoplanetas em sistemas estelares distantes.

Depois de acordar de sua hibernação, o Kepler começou a transmitir os dados que coletou de sua 18ª pesquisa de 80 dias de sua fase “K2” — uma extensão de sua missão original, lançada depois de a espaçonave sofrer uma falha mecânica em seu sistema de direção em 2013 —, por meio da Deep Space Network, da NASA, um conjunto de satélites receptores espalhados pelo mundo. Se houver combustível restante, a equipe da NASA pode tentar usar o Kepler para uma 19º missão de observação.

Inicialmente, esperava-se que as fontes de combustível durassem apenas dez missões da fase K2, mas o Kepler, até agora, continuou de pé. A fase de hibernação pretendia estender a pequena quantidade de combustível restante do Kepler e garantir que ele pudesse se orientar em direção à Terra durante seu intervalo de tempo para o trabalho com a Deep Space Network.


(O Kepler fez contato ontem e está baixando com sucesso seu conjunto de dados científicos de sua última campanha de observação.)

Durante sua fase inicial, o Kepler escaneou 150 mil estrelas, descobrindo 2.244 candidatos a exoplanetas e 2.327 exoplanetas confirmados. A fase K2 estendida da missão, que usa uma solução envolvendo a pressão dos raios solares para ajudar a estabilizar o Kepler depois da falha do sistema de direção, é imperfeita — ainda assim, identificou 479 candidatos a exoplanetas e confirmou outros 323.

O Kepler identifica exoplanetas por meio do que é chamado de “método do trânsito” — que, basicamente, significa observar as pequenas mudanças na incandescência observável de uma estrela à medida que planetas em órbita passam entre a estrela e o Kepler. Suas descobertas incluíram a de que aproximadamente 20% das estrelas como o Sol têm zonas habitáveis contendo pelo menos um planeta — e que também é provável que muitos sistemas estelares tenham planetas gigantes com luas grandes o bastante para potencialmente abrigar vida. Em 2015, a equipe do Kepler anunciou a descoberta do Kepler-542-b, um dos planetas mais similares à Terra já encontrados, em termos de sua estrela anfitriã, sua órbita e seu tamanho.

Infelizmente, o Kepler ficará sem combustível, provavelmente em breve.

O Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS), sucessor do Kepler, tem a capacidade de observar estrelas muito mais brilhantes que o antecessor — além de fazer um pouco de espectroscopia para ajudar a determinar a composição química de exoplanetas — e será especialmente bom em pesquisar planetas nas órbitas de estrelas anãs vermelhas. Diferentemente do Kepler, que trilha a órbita da Terra a uma distância de aproximadamente 151,2 milhões de quilômetros, o sucessor orbita o nosso planeta. O TESS começou suas operações recentemente, embora observações mais sérias de exoplanetas terão que esperar pelo próximo telescópio, o James Webb, ou até 2040, quando poderão estar em órbita telescópios capazes de capturar bioassinaturas que sejam, possivelmente, indícios de vida.

[Space.com]

Imagem do topo: NASA (AP)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …