Pular para o conteúdo principal

Submarinos espaciais: NASA estuda como explorar oceanos congelados em luas


Desenho de um possível submarino para explorar as águas de Titã.[Imagem: NASA]

Mergulhos espaciais

Um dos avanços mais emocionantes das últimas décadas na ciência planetária é o descobrimento de lagos e oceanos nas luas de Saturno e Júpiter.

O que pode surpreender mais ainda é que alguns desses reservatórios de "água" - compostos em estado líquido - poderiam abrigar vida.

Infelizmente, isso é quase tudo o que sabemos sobre o que pode existir nesses locais. Então como explorar esses oceanos?

Uma ideia em análise é o desenvolvimento de submarinos espaciais.

A NASA destinou US$ 500 mil para investigar a possibilidade de enviar submarinos a Titã, uma das luas de Saturno. E há outras iniciativas para explorar as profundezas de Encélado, de Saturno, e Europa, lua de Júpiter.

Um dos objetivos é checar se já existem mesmo tecnologias disponíveis para realizar essas missões de exploração submarinas extraterrestres.


Os robôs submarinos precisarão emergir várias vezes para transmitir seus dados de volta à Terra. [Imagem: NASA]

Submarino em Titã

Estima-se que o Mar Kraken (Kraken é um monstro marinha lendário), com uma área de 400 mil quilômetros quadrados, seja o maior oceano de Titã. Algumas das partes mais rasas possuem de 30 a 40 metros de profundidade, mas outras podem alcançar 150 metros.

Mas esse mar alienígena não está cheio d'água: há indícios suficientes para afirmar que se trata de um lago de metano, etano e nitrogênio.

Um submarino para investigar esse oceano maior do que o mar Cáspio da Terra seria parecido com os que usamos em nosso planeta, que minimizam o arrasto (força de resistência ao movimento de um objeto sólido através de um fluido) e se encaixam perfeitamente nos foguetes.

Diferentemente dos nossos oceanos, o mar de metano líquido de Titã possui metade da densidade da água, e a gravidade dessa lua é sete vezes mais fraca do que a da Terra, sendo mais próxima da gravidade da nossa Lua. Deste modo, submarinos que desçam a 150 metros nos oceanos de Titã não estariam submetidos à mesma pressão se estivessem em situação similar na Terra, o que é uma boa notícia.

O problema seria o funcionamento do equipamento: missões espaciais operam de forma autônoma, e um submarino não seria diferente. Contudo, como os sinais de micro-ondas e de rádio são absorvidos com facilidade pelos oceanos, o submarino teria que emergir várias vezes para enviar sinais de volta à Terra.


Visão artística de um criobot liberando um submarino na lua Europa. [Imagem: NASA]

Energia e calor

Outro tema a solucionar seria a fonte de energia, já que painéis solares hoje usados em sondas não seriam apropriados.

Em estudo recente, engenheiros analisaram a possibilidade de usar reatores nucleares compactos e células de combustível, mas concluíram que seriam muito pesados.

Como alternativa, propuseram uma tecnologia similar, em que a eletricidade é gerada a partir da desintegração radioativa de plutônio, técnica parecida com a da sonda espacial Cassini, que estuda Saturno.

Isso traz outro problema, que é o controle da temperatura dentro do submarino: mesmo em um mar a -180ºC, a desintegração radioativa do plutônio produz muito calor, que precisaria ser dissipado, o que complica a engenharia da missão e dúvidas sobre impactos em eventuais formas de vida.


Uma boia poderia servir como estação retransmissora das informações coletadas pelos submarinos. [Imagem: NASA]

Criobots em Europa

Se o objetivo for a lua Europa - de Júpiter - a dificuldade aumenta: o oceano de água salgada de Europa fica sob uma crosta de gelo de dezenas de quilômetros de espessura.

Mas a dificuldade de submergir ali não torna essa viagem menos interessante, pois a presença de água é condição para existência de vida como a conhecemos ou como não conhecemos, e essa lua representa uma possibilidade promissora de um lugar habitável fora da Terra. Também é possível que outras luas de Júpiter, Saturno, e possivelmente Urano e Netuno, também tenham água líquida no subsolo.

A necessidade de atravessar pelo menos 5 km de gelo torna uma possível missão uma tarefa complicada. Seria preciso usar equipamentos conhecidos como criobots, ou sondas de Philberth, robôs capazes de penetrar no gelo, derretendo o material e permitindo que a gravidade empurre o robô para dentro.

Com uma fonte normal de energia, essa tarefa não levaria mais do que cinco minutos. Mas enviar uma fonte típica de energia ao espaço não é algo fácil. Com a quantidade de energia disponível na maioria das naves espaciais, uma sonda criogênica levaria oito anos para atravessar a crosta de gelo de Europa.

Uma opção seria empregar um reator de fusão nuclear, que faria o trabalho em cerca de seis semanas. Mas esse tipo de reator não cabe em um criobot - um problema que se resolve, outro que se cria.


Robôs moles, ou biomiméticos, também estão sendo analisados como alternativa. [Imagem: NASA/Cornell University/NSF]

Testes na Antártica

A opção que os especialistas analisam hoje é deixar um reator na superfície e enviar um criobot com uma fonte de energia em forma de luz, através de um cabo de fibra óptica. Quando o robô chegasse ao oceano, ele lançaria o submarino.

A comunicação com o criobot se daria por ondas sonoras (mais ou menos como fazem as baleias). Tais mensagens seriam enviadas de volta ao veículo de superfície, que as transmitiria à Terra.

Essas ideias já foram testadas na Antártida, e um dos desafios é a destinação de sedimentos que se acumulam na parte dianteira da sonda, à medida que o gelo vai derretendo. Outro problema é a esterilização de todos esses aparelhos para evitar qualquer contaminação em um ambiente que pode abrigar vida.

Ou seja, há grandes obstáculos pela frente, mas a NASA parece estar disposta a enfrentá-los. Em tese, uma missão a esses misteriosos oceanos poderia ocorrer por volta de 2040.

FONTE: SITE INOVAÇÃO TECNOLOGICA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…