Pular para o conteúdo principal

Interessante relato: Contato imediato com um OVNI no interior de Minas Gerais


Ilustração

Encontro luminoso na estrada escura

Entre meados da década de 1990 e início dos anos 2000 participamos de projetos de desenvolvimento e implantação de várias indústrias na Zona da Mata mineira, onde chegamos a morar.

Mesmo adaptado à vida bucólica nas áreas rurais, quem é habituado à trepidação das grandes cidades sempre arruma um motivo para meter o carro na estrada, num vai-e-vem às suas origens.

Num desses retornos a Minas Gerais, após um feriadão de reciclagem psicológica nas praias do Rio de Janeiro, eu seguia completamente só pela rodovia MG-126 quando, enfim, a noite caiu.

Àquela altura da viagem me encontrava no alto da serrinha que faz a divisa entre Rochedo de Minas e São João Nepomuceno. No meio de uma curva cega à esquerda, tive a visão espetacular.



Um monte de grandes luzes coloridas brilhava à minha frente, a uns 20º da linha do asfalto, sobre um grotão que, durante o dia, proporciona uma vista muito bonita da paisagem com pastagens.

Por reflexo, numa guinada joguei o carro para o acostamento de terra, parando onde havia uma velha porteira. Desliguei o motor e sai imediatamente do veículo para observar melhor.

A primeira ideia foi de que se tratasse de um avião de passageiros caindo ou buscando pouso de emergência, por alguns motivos: grande envergadura, muitas luzes e baixíssima altitude.

É curioso experimentar em situações inusitadas como o cérebro funciona, primeiro esgotando as possibilidades racionais do banco de dados mental para apenas no fim sugerir novos insights.



Além das razões anteriores, o aparelho vinha bastante devagar para o seu tamanho e – eu já havia me informado com um aviador – naquela região não havia rota para aeronaves civis ou militares.

Também não emitia qualquer tipo de ruído de motor ou turbina. Então poderia ser um balão junino? Quem mora em áreas rurais sabe que esta hipótese é impensável, pelos riscos que representa.

E para completar a análise visual, as luzes não eram estroboscópicas como as dos aviões de carreira, mas giravam em torno de uma estrutura metálica circular, perceptível na penumbra.

Num local rigorosamente ermo, mergulhado quase em escuridão total, num silêncio tão profundo que sequer se ouvia o barulho dos grilos e sapos, a coisa veio se aproximando, cada vez maior…



Foi quando caiu a ficha: disco voador! Só que, ao invés de me assustar, a conclusão me levou a um estado de euforia. Meti a mão no painel, acendi as luzes e comecei a piscar os faróis.

Aí fui para a frente de carro e comecei, primeiro, a sinalizar com os braços; depois, a pular para chamar a atenção; e, por fim, a gritar e mentalizar qualquer coisa para que pousassem ali.

Quando o OVNI de uns 30 metros de diâmetro chegou quase por cima a uma distância de 100 metros somente as luzes brancas pararam de rodar para concentrar o foco na minha direção.

Ele parou e eu entrei numa espécie de transe messiânico que, na verdade, revelava mesmo já estar à beira de um ataque histérico: Me viram! Estou entre os escolhidos! Agora vão me levar!



Mas não foi nada disso o que aconteceu. Após alguns segundos as luzes voltaram a girar e o aparelho seguiu seu curso “normalmente”, diminuindo de tamanho enquanto desaparecia no horizonte.

Ainda sob o efeito da descarga de adrenalina com o contato imediato, liguei o automóvel para retomar a viagem, com um sentimento ambíguo: felicidade pela experiência e frustração pela “rejeição”.

Nos dias seguintes, os desconfiados moradores locais me informaram que as estranhas aparições eram relativamente comuns naquela área, oriundas em parte da Serra do Relógio, em Descoberto.

Aquela foi a maior proximidade que tive com um objeto voador no período em que vivi em Minas. Mas não a única, porque pouco antes já tinha chegado bem perto de algo estranho numa montanha.



FONTE: http://www.materiaincognita.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…