Pular para o conteúdo principal

Mulher afirma ter visto extraterrestre em Chapecó - SC


Local onde ela avistou pela última vez o ‘ser’ – Foto: Raquel Vieira/Arquivo pessoal

“História de outro planeta!”. Era assim que pensava, até a noite de quinta-feira (16), a instrutora de motorista Raquel Vieira, de 37 anos. Segundo ela, tudo mudou depois que avistou um ser não identificado, voando pelo Loteamento Avenida, em Chapecó.

Na quinta-feira, ela procurou a rádio Sonora FM, do Grupo Condá de Comunicação, e relatou o acontecido ao comunicador Ronei Zanetti. O ClicRDC procurou a ouvinte para entender melhor a história.

Raquel trabalha há 10 anos como instrutora em uma auto escola de Chapecó, no entanto, disse nunca ter visto algo semelhante ao que avistou na noite de quinta. Era por volta das 21h40, quando tudo aconteceu. “Era meu último aluno da noite. Eu embarquei com ele e fomos para o prolongamento da Avenida Getúlio Vargas, pois nós fazemos as balizas ali”, contou.

A instrutora lembra que eles seguiam pela Avenida, quando ela pediu para o aluno dobrar à direita, na penúltima rua do loteamento, no sentido Leste. “Quando ele sinalizou, eu olhei para a rua e vi que tinha uma luz bem forte e que estava vindo em minha direção”. Ela afirma que sentiu medo de atropelar a luz. “Tive um rápido pensamento que poderia ser uma moto”.

Ao avistar a cena, Raquel abriu o vidro do carro, mas rapidamente o ser desapareceu. A primeira aparição durou cerca de 15 segundos. No entanto, segundo ela, logo o ‘ser’ atravessou a rua. “Ele virou e voou para o lado do Centro da cidade. Aí eu pedi para meu aluno se ele tinha visto, mas ele disse que não. Eu fiquei impressionada”, contou.

Fisionomia

Raquel acredita que o ser trata-se de um extraterrestre (E.T). Conforme ela, o “bichinho” era de cor escura, na estatura de um bebê de seis meses e voava em cima de uma luz (tipo um farol de moto), em uma altura de aproximadamente 50 centímetros da rua.

“Fizemos duas ou três voltas na tentativa de localizar o “bichinho”, mas não encontramos mais nada. Mas eu vi nitidamente, eu fui privilegiada. Fiz até o desenho dele”, diz a instrutora, convicta que era um ser de outro planeta. “Ele tinha a fisionomia do zé-gotinha, mas era escuro”, brincou.


Desenho feito pela Raquel – Foto: Divulgação/Reprodução

“É cada coisa!”

Há uma década na profissão, Raquel diz que já viu muitas coisas pelas ruas de Chapecó, principalmente na região do Loteamento Avenida. “ Já vi pessoas se masturbando, transando e até fazendo rituais”, lembrou. “Mas ver um E.T foi a primeira vez. As pessoas não acreditam quando eu conto, mas eu vi”.

“Coisa de outro planeta”

Convencida que era um E.T, Raquel revela que “a sensação é que você está olhando para uma coisa de outro planeta, que você está vendo um ser que passou na tua frente e você conseguiu ver”, contou e ainda comenta que, “Já escutei relatos de pessoas que não acreditam nisso. Eu era uma delas que não acreditava”, finalizou.



FONTE: clicrdc.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…