Pular para o conteúdo principal

Como a ESA estudará asteroide que terá sua órbita alterada pela NASA



Por Patrícia Gnipper

A agência espacial europeia (ESA) tem uma missão chamada Hera, cujo objetivo principal é estudar as possibilidades de defesa da Terra contra asteroides potencialmente perigosos. E parte da missão envolve, claro, estudar esses objetos espaciais, com o sistema binário Didymos sendo visitado por uma nave em breve. Ele será um dos menores asteroides já visitado por nós, cujas dimensões podem ser comparadas às da Grande Pirâmide de Gizé, no Egito.

Com apenas 780 metros de diâmetro, Didymos é um pouco maior do que Bennu (com seus 500 metros de diâmetro), que está sendo estudado agora pela NASA com a missão Osiris-REx, e um pouco menor do que Ryugu (com cerca de 1km de diâmetro), asteroide que vem sendo estudado pelo Japão com a missão Hayabusa2. Mas, por ser um sistema binário (ou seja, dois objetos que se orbitam mutuamente), se considerarmos apenas a "Didymoon" — a "lua" do objeto maior —, podemos dizer que este será o menor asteroide a receber uma nave construída pelo ser humano na história da exploração espacial, uma vez que este pedaço de rocha tem somente 160 metros de diâmetro.

E seu tamanho diminuto foi uma das razões pelas quais a Didymoon vem sendo escolhida para a realização de experimentos de defesa planetária. A NASA lançará em 2022 a sonda DART para se chocar contra a lua de Didymos na tentativa de alterar sua órbita em torno de seu "gêmeo" maior. O objetivo é testar a viabilidade de projetos de deflexão de asteroides. Didymoon leva apenas 12 horas para orbitar Didymos, e se a NASA obtiver sucesso nessa missão, veremos essa órbita sendo modificada, comprovando que é possível desviar asteroides que sejam potencialmente perigosos para nosso planeta.


Uma montagem da Sociedade Planetária de 17 dos 18 asteroides e cometas que foram fotografados de perto a partir de junho de 2018, quando Hayabusa2 chegou a Ryugu. Esta versão é colorida, mas não mostra os corpos no albedo relativo correto.


Asteróides em comparação com Didymoon. Crédito: Ian Carnelli adaptando a sociedade planetária - imagem de E. Lakdawalla

Já com a missão europeia Hera, que deverá acontecer em 2026, a ideia é coletar informações importantes sobre o objeto, incluindo sua massa, propriedades superficiais e analisar a cratera gerada pelo impacto da DART. "Isso nos dará uma boa estimativa da transferência de momentum do impacto e, portanto, sua eficiência como uma técnica de deflexão", explica Michael Küppers, cientista do projeto Hera, pois "estes são parâmetros fundamentais para permitir a validação de modelos numéricos de impacto necessários para projetar futuras missões de deflexão de asteroides".

Dessa maneira, a ciência entenderá melhor se essa técnica pode ser usada até mesmo em asteroides maiores, com a certeza de que seríamos capazes de proteger a Terra contra impactos futuros, quando e se necessário.

Ainda, para Patrick Michel, cientista-chefe da Hera e diretor de pesquisas do Observatório Côte d'Azur, na França, objetos da classe de Didymoon podem ser ótimos candidatos para a mineração de asteroides. No momento, a missão Hera está em fase de estudos e será apresentada oficialmente na reunião Space19+ do conselho da ESA com ministros europeus. Seu lançamento está previsto para 2023, chegando a seu destino três anos depois.



FONTE: Phys.org via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…