Pular para o conteúdo principal

Por que as decifradoras de códigos nazistas na 2ª Guerra têm levado segredos para o túmulo


Margaret Wilson trabalhou em Bletchley Park em 1942

Ela disse que iria guardar os segredos do seu trabalho até o "fim dos seus dias". Margaret Wilson, de 95 anos, foi treinada para fazer comunicação via rádio antes de ser transferida para Bletchley Park, na Inglaterra, em 1942, onde escutava as transmissões alemãs.

"É tudo o que eu posso te dizer. Um segredo é um segredo", disse à BBC.

Durante o período, ela diz não ter se dado conta da importância do trabalho. No entanto, mesmo agora sabendo o quão importante foi, se nega a revelar a história completa.

Apesar de pedidos de investigadores e familiares, Wilson diz: "Ninguém mais falou, então eu tampouco falarei".

Margaret Wilson tinha 19 anos quando se juntou à Força Aérea Auxiliar de Mulheres. Uns meses depois, lhe pediram que assinasse o Ato de Segredos Oficiais e jurasse segredo para a vida diante de um juiz de paz.


Nem Wilson nem suas colegas falaram em detalhes sobre o que aconteceu em Bletchley Park durante a Segunda Guerra Mundial

Então lhe disseram que ela iria a um lugar chamado Bletchley Park. "Nunca havia ouvido falar daquele lugar", conta.

No último novembro, uma colega sua, a Baronesa Trumpington, morreu aos 96 anos. Fluente em francês e alemão, Trumpington também trabalhou aos 18 anos em Bletchley Park durante a Segunda Guerra Mundial. Depois, tornou-se uma política conservadora inglesa, tendo sido ministra de Margaret Thatcher e membro da Câmara dos Lordes.

Em vida, Trumpington chegou a contar que as mulheres um dia receberam uma visita do então primeiro ministro do Reino Unido, Winston Churchill. "Ele disse: 'Vocês são as galinhas que puseram os ovos de ouro, mas nunca cacarejaram'". "E essa era a coisa mais importante: que não falássemos."

Trumpington levou o segredo para o túmulo. Até agora, nenhuma das mulheres que trabalharam em Bletchley Park durante a Segunda Guerra rompeu o juramento.


Trumpington trabalhou em Bletchley Park, depois foi ministra do partido Conservador britânico e membro da Câmara dos Lordes

Sem descanso

Bletchley Park fica a 75km de Londres, no noroeste da capital britânica. O local serviu como uma instalação militar secreta onde funcionavam os trabalhos de decifração de códigos alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

Foi ali onde, com ajuda de pessoas como Margaret Wilson e a Baronesa Trumpington, o matemático Alan Turing fez criptoanálise das máquinas alemãs Enigma e Lorenz, fundamental para a derrota dos nazistas em muitos embates cruciais e, claro, para a vitória dos aliados.

As primeiras impressões de Wilson do lugar não foram boas.

Ela relata que ia trabalhar com um carro com janelas escurecidas "horríveis", e o sargento responsável era um "imbecil miserável".


Bletchley era tão secreto que Wilson nunca soube que havia uma mansão no centro do parque onde ficava a cabana em que trabalhava

Trabalhando de uma cabana de madeira, Wilson fazia parte de uma pequena equipe que escutava e gravava transmissões de rádio alemãs 24 horas por dia.

O foco eram pontos e roteiros das mensagens em código Morse que deviam detectar entre a confusão de outros barulhos e vozes das transmissões.

"Fazíamos isso todos os dias, sem descanso, durante oito horas. E nunca falávamos umas com as outras - nem sequer 'sim' ou 'não', ou 'como você está'... nada."

"Quando queria ir ao banheiro, tinha que levantar a mão e o sargento se sentava e fazia seu trabalho." Isso ocorria, segundo ela, principalmente à noite, quando lavava o rosco para tentar se manter acordada.

Sem explicação


Até agora, nenhuma das mulheres rompeu o juramento

Ninguém lhes explicou nada sobre o trabalho, mas logo as mulheres foram ligando os pontos.

"As mensagens importantes chegavam em grupos de cinco letras, e isso era enviado rapidamente. É tudo o que eu posso dizer", diz.

Wilson deixou seu trabalho em 1946, mas se manteve firme em seu juramento de segredo. Não falou nada a respeito do trabalho mesmo ao marido ou aos filhos.

Em 2013, quando aqueles que trabalharam em Bletchley receberam agradecimentos oficiais, parte da história veio à tona. Foi então que Wilson voltou a Bletchley, que agora é um museu. "Em poucos minutos me vi rodeada de pessoas importantes", conta.

"Me diziam: 'Margaret, você pode nos contar agora' e eu respondia: "Vocês não são aqueles que juraram guardar segredo nem quem ouviu que jamais deveria revelar o segredo até o fim de seus dias".

"O juiz me advertiu: 'Vão tentar te fazer falar, te dirão que tudo bem falar, mas nunca diga nada'. Essa, para mim, é a última palavra."

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…