Pular para o conteúdo principal

Universo está se expandindo muito mais rápido do que o esperado


A MAIS DE 200 MIL ANOS-LUZ DE DISTÂNCIA DA TERRA, A GALÁXIA GRANDE NUVEM DE MAGALHÃES FLUTUA NO ESPAÇO EM IMAGEM CAPTURADA PELO TELESCÓPIO HUBBLE (FOTO: NASA GODDARD)

Graças a aplicação de novas tecnologias, pesquisadores atualizaram os cálculos e afirmam que o Universo se expande 9% mais rápido do que se considerava anteriormente

Com base nas características do Universo de 13 bilhões de anos atrás, o telescópio Hubble conseguiu medidas mais precisas que mostram uma expansão ainda mais rápida do Cosmo: a cada 3,3 milhões de anos-luz que uma galáxia está longe de nós, ela se move a 74 quilômetros por segundo, como resultado da tendência de expansão do Universo. Isso significa que esse crescimento está 9% mais rápido do que se considerava anteriormente .
A descoberta de que o nosso Universo está crescendo a cada segundo, de modo que o espaço entre as galáxias está se aumentando, não é novidade e já foi medida pelo satélite Planck da Agência Espacial Europeia. Porém, agora não mais se suspeita tanto de falhas nas medidas ou nas diferentes técnicas utilizadas: graças a novas tecnologias, a margem de erro dos cálculos é de apenas 1 em 100 mil.


IMAGEM DO TELESCÓPIO HUBBLE MOSTRA, EM DESTAQUE, UM DOS MUITOS CONJUNTOS ESTELARES PRESENTES NA GALÁXIA GRANDE NUVEM DE MAGALHÃES. NO CONJUNTO DESTACADO, ESTÁ PRESENTE UMA ESTRELA CEFEIDA (FOTO: NASA, ESA, A. RIESS (STSCI/JHU) E PALOMAR DIGITIZED SKY SURVEY)


Esta ilustração mostra os três passos básicos que os astrônomos usam para calcular a rapidez com que o universo se expande ao longo do tempo, um valor chamado de constante de Hubble. Todas as etapas envolvem a construção de uma forte "escada de distância cósmica", começando medindo distâncias precisas até galáxias próximas e, em seguida, movendo-se para galáxias cada vez mais distantes. Essa "escada" é uma série de medições de diferentes tipos de objetos astronômicos com um brilho intrínseco que os pesquisadores podem usar para calcular distâncias. Entre as mais confiáveis ​​para distâncias mais curtas estão as variáveis ​​Cefeidas, estrelas que pulsam em taxas previsíveis que indicam seu brilho intrínseco. Os astrônomos recentemente usaram o Telescópio Espacial Hubble para observar 70 variáveis ​​Cefeidas na Grande Nuvem de Magalhães próxima para fazer a medição de distância mais precisa para aquela galáxia. Os astrônomos comparam as medições das Cefeidas próximas àquelas das galáxias mais distantes que também incluem outras réguas cósmicas, estrelas explosivas chamadas supernovas Tipo Ia. Essas supernovas são muito mais brilhantes que as variáveis ​​cefeidas. Os astrônomos os usam como "marcadores de milepost" para medir a distância da Terra até as galáxias distantes. Cada um desses marcadores se baseia no passo anterior da "escada". Ao estender a escada usando diferentes tipos de marcadores de milhagem confiáveis, os astrônomos podem alcançar distâncias muito grandes no universo. Os astrônomos comparam esses valores de distância a medidas da luz de uma galáxia inteira, que se torna cada vez mais avermelhada com a distância, devido à expansão uniforme do espaço. Os astrônomos podem calcular o quão rápido o cosmos está se expandindo: a constante de Hubble.

No novo estudo com dados do Telescópio Hubble, astrônomos usaram o equipamento para observar 70 Cefeidas, que são estrelas super gigantes com de 2 a 3 vezes a massa do Sol.

As Cefeidas, que estão localizadas na galáxia Grande Nuvem de Magalhães, foram usadas como indicadores para “reconstruir” a noção de distância do universo: foi feita uma comparação delas com suas primas mais distantes, localizadas em galáxias hospedeiras de supernovas — explosões muito brilhantes que ocorrem no final da vida de grandes estrelas.


TELESCÓPIO ESPACIAL HUBBLE EM ÓRBITA (FOTO: NASA GODDARD)

Com isso, o time de pesquisadores diminuiu a incerteza da constante de Hubble — que é a medida para calcular a expansão do universo — para 1,9%, sendo que a estimativa anterior era de 2,2%.

No entanto, mesmo sendo precisas, as medidas não correspondem com as observações feitas pelo satélite Planck, que conseguiram analisar os eventos de apenas 380 mil anos após o Big Bang, quando o Universo praticamente acabara de nascer.

”Não se trata de dois experimentos que se contradizem. Nós estamos medindo algo fundamentalmente diferente. Um é uma medida de como o Universo tem se expandido hoje, como nós vemos. Já a outra tem base na Física do Universo em seu início e em medidas do quão rápido a expansão deve estar ocorrendo. Se os valores não batem, há grande chance de que estamos perdendo algo no modelo cosmológico que conecta as duas eras”, explicou Adam Riess, do the Space Telescope Science Institute (STScI), em comunicado da NASA.

Alguns cientistas da NASA acreditam que a discrepância de dados é causada por um tipo de energia escura que existiu no início do universo, logo após os eventos do Big Bang. A mesma força, que seria responsável pelo "empurrãozinho" capaz de expandir o Universo, ainda existiria na atualidade, mas ainda não conseguiu ser desvendada pelos cientistas.

Download Hubble Constant Infographic as PDF

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…