Pular para o conteúdo principal

'Bem nossa', define arqueólogo de museu mineiro que descobriu nova espécie de preguiça gigante


Cástor Cartelle Guerra, do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, faz parte da equipe que descobriu nova espécie de preguiça gigante. — Foto: Raphael Calixto/PUC Minas/Divulgação

Segundo pesquisador Cástor Cartelle, Glossotherium phoenesis era do tamanho de um boi e viveu há mais de 20 mil anos.

Por Thaís Leocádio, G1 Minas — Belo Horizonte

Cástor Cartelle Guerra, do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, faz parte da equipe que descobriu uma nova espécie extinta de preguiça gigante que teria vivido no Brasil há mais de 20 mil anos. O animal era do tamanho de um boi e foi batizado de Glossotherium phoenesis, como explicou o arqueólogo ao G1.

“Phoenesis” é uma referência à fênix – pássaro que, na mitologia grega, renasce das cinzas. “A escolha do nome foi uma homenagem a todos que nos ajudaram a levantar das cinzas o museu da PUC, que ardeu em chamas em 2013. Nós tivemos ajuda especialmente dos funcionários, dos colegas daqui”, disse Cástor Cartelle, 81, que é curador da Coleção de Paleontologia.

O estudo que culminou com a definição da nova espécie levou mais de 20 anos para ser concluído e foi publicado, neste mês, no Journal Of Systematic Palaeontology. Além de Cartelle, o trabalho é assinado por Gerardo de Iuliis, paleontólogo do Museu Real de Ontário, no Canadá, e Alberto Boscaini e François Pujos, do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica (Conicet) da Argentina.

Segundo Cartelle, existem registros de preguiças gigantes (Glossotherium) em uma obra clássica de 1840. Esta nova espécie, descoberta pelo grupo, tem particularidades e teria vivido entre o estado de Minas Gerais e a Região Amazônica.

“A importância desta espécie [Glossotherium phoenesis] está no fato de ser uma forma intertropical. As outras foram descobertas em habitats mais frios. É uma espécie bem nossa”, definiu Cartelle.


Ilustração de como seria a nova espécie de preguiça gigante descoberta por pesquisador de museu mineiro. — Foto: Cástor Cartelle/Museu de Ciências Naturais PUC Minas/Divulgação

Cerca de 200 fósseis foram coletados no Brasil e comparados com materiais de países como Argentina, Equador e Venezuela. “A maior parte foi encontrada na Bahia, mas há também partes encontradas em Minas Gerais, nos arredores de Belo Horizonte”, contou o arqueólogo.

Os pesquisadores notaram duas características peculiares no esqueleto desta nova espécie. “Um cavalo e uma égua você não diferencia pelo esqueleto, nem um boi de uma vaca. Aqui, nós detectamos diferenças nos dois crânios, de tal maneira que, pelo esqueleto, dá para perceber se é macho ou fêmea”, explicou o pesquisador.

Além disso, foram encontrados “ossinhos” dentro da pele da preguiça – que seriam uma herança de antepassados como o tatu e dariam mais proteção ao animal. “Desconfiamos que seja um elemento para regular a temperatura”, disse Cartelle.


Cerca de 200 fósseis permitiram que nova espécie de preguiça gigante fosse identificada por pesquisadores. — Foto: Raphael Calixto/PUC Minas/Divulgação

Incêndio no museu
O Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), no campus Coração Eucarístico, na Região Noroeste de Belo Horizonte, pegou fogo em janeiro de 2013 e as chamas destruíram réplicas (como a de uma preguiça gigante), cenários, fiações e pisos. O prédio foi reaberto em dezembro daquele ano.

Em setembro de 2018, quando o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, também foi tomado por chamas, o arqueólogo Cástor Cartelle lamentou “as cinzas da ciência”. Entre os 20 milhões de itens que estavam no prédio, estava Luzia, descoberta em Minas Gerais e considerada o mais antigo fóssil humano, com cerca de 11.500 anos. Fragmentos do crânio de Luzia foram localizados em meio aos escombros e estão em fase de recuperação.

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…