Pular para o conteúdo principal

'Bem nossa', define arqueólogo de museu mineiro que descobriu nova espécie de preguiça gigante


Cástor Cartelle Guerra, do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, faz parte da equipe que descobriu nova espécie de preguiça gigante. — Foto: Raphael Calixto/PUC Minas/Divulgação

Segundo pesquisador Cástor Cartelle, Glossotherium phoenesis era do tamanho de um boi e viveu há mais de 20 mil anos.

Por Thaís Leocádio, G1 Minas — Belo Horizonte

Cástor Cartelle Guerra, do Museu de Ciências Naturais da PUC Minas, faz parte da equipe que descobriu uma nova espécie extinta de preguiça gigante que teria vivido no Brasil há mais de 20 mil anos. O animal era do tamanho de um boi e foi batizado de Glossotherium phoenesis, como explicou o arqueólogo ao G1.

“Phoenesis” é uma referência à fênix – pássaro que, na mitologia grega, renasce das cinzas. “A escolha do nome foi uma homenagem a todos que nos ajudaram a levantar das cinzas o museu da PUC, que ardeu em chamas em 2013. Nós tivemos ajuda especialmente dos funcionários, dos colegas daqui”, disse Cástor Cartelle, 81, que é curador da Coleção de Paleontologia.

O estudo que culminou com a definição da nova espécie levou mais de 20 anos para ser concluído e foi publicado, neste mês, no Journal Of Systematic Palaeontology. Além de Cartelle, o trabalho é assinado por Gerardo de Iuliis, paleontólogo do Museu Real de Ontário, no Canadá, e Alberto Boscaini e François Pujos, do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica (Conicet) da Argentina.

Segundo Cartelle, existem registros de preguiças gigantes (Glossotherium) em uma obra clássica de 1840. Esta nova espécie, descoberta pelo grupo, tem particularidades e teria vivido entre o estado de Minas Gerais e a Região Amazônica.

“A importância desta espécie [Glossotherium phoenesis] está no fato de ser uma forma intertropical. As outras foram descobertas em habitats mais frios. É uma espécie bem nossa”, definiu Cartelle.


Ilustração de como seria a nova espécie de preguiça gigante descoberta por pesquisador de museu mineiro. — Foto: Cástor Cartelle/Museu de Ciências Naturais PUC Minas/Divulgação

Cerca de 200 fósseis foram coletados no Brasil e comparados com materiais de países como Argentina, Equador e Venezuela. “A maior parte foi encontrada na Bahia, mas há também partes encontradas em Minas Gerais, nos arredores de Belo Horizonte”, contou o arqueólogo.

Os pesquisadores notaram duas características peculiares no esqueleto desta nova espécie. “Um cavalo e uma égua você não diferencia pelo esqueleto, nem um boi de uma vaca. Aqui, nós detectamos diferenças nos dois crânios, de tal maneira que, pelo esqueleto, dá para perceber se é macho ou fêmea”, explicou o pesquisador.

Além disso, foram encontrados “ossinhos” dentro da pele da preguiça – que seriam uma herança de antepassados como o tatu e dariam mais proteção ao animal. “Desconfiamos que seja um elemento para regular a temperatura”, disse Cartelle.


Cerca de 200 fósseis permitiram que nova espécie de preguiça gigante fosse identificada por pesquisadores. — Foto: Raphael Calixto/PUC Minas/Divulgação

Incêndio no museu
O Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), no campus Coração Eucarístico, na Região Noroeste de Belo Horizonte, pegou fogo em janeiro de 2013 e as chamas destruíram réplicas (como a de uma preguiça gigante), cenários, fiações e pisos. O prédio foi reaberto em dezembro daquele ano.

Em setembro de 2018, quando o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, também foi tomado por chamas, o arqueólogo Cástor Cartelle lamentou “as cinzas da ciência”. Entre os 20 milhões de itens que estavam no prédio, estava Luzia, descoberta em Minas Gerais e considerada o mais antigo fóssil humano, com cerca de 11.500 anos. Fragmentos do crânio de Luzia foram localizados em meio aos escombros e estão em fase de recuperação.

FONTE: G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…