Pular para o conteúdo principal

Safo, a poeta da ilha de Lesbos cuja visão sobre amor e sexo atravessou 2.600 anos


Safo viveu no século 6 a.C. na ilha grega de Lesbos

Discussões sobre sexo, sexualidade e gênero são recorrentes em nossa sociedade, a exemplo de mudanças relativamente recentes como a permissão ao casamento homossexual em vários países.

Como sociedade, estamos debatendo a ideia de que o gênero não é algo puramente biológico. Mas será que essas ideias são radicalmente novas?

Na verdade, não. Esses mesmos temas foram centrais na obra da poeta Safo, que viveu no século 6 a.C. na ilha grega de Lesbos.

Sim, é por causa dela que usamos a expressão lésbica, que originalmente designa "alguém de Lesbos".

A professora Margaret Reynolds, especialista no trabalho de Safo, explicou à BBC News alguns aspectos da vida e obra da poeta que a tornam vigente até os dias atuais.

Uma poeta celebrada em sua época

Safo é uma das poucas vozes femininas cujo trabalho sobreviveu desde a Antiguidade.


Safo popularizou a ideia do sofrimento do amor romântico

A reputação de Safo esteve, por muito tempo, envolta em mitos e lendas, frequentemente mudando para refletir as diferentes atitudes da sociedade ante o gênero e a sexualidade.

Segundo Reynolds, embora o trabalho da poeta tenha se tornado sinônimo do desejo lésbico, na época em que Safo fez seus textos, 2.600 anos atrás, nada do que ela escreveu seria motivo de escândalo.

Ainda que na época fosse esperado que as mulheres se casassem com homens, os sentimentos e relações homossexuais eram vistos com naturalidade.

Sabe-se que Safo pertencia a uma família aristocrática. Alguns textos antigos fazem referência a pessoas que parecem ser seu marido e sua filha, embora não seja possível ter certeza absoluta da existência deles.


Safo é considerada um ícone do amor homossexual feminino

Safo foi reconhecida ainda em vida: era tratada como "a poeta", assim como Homero era tratado como "o poeta".

Ela foi uma das poucas mulheres a ser retratada em cerâmica, o que é o equivalente grego antigo a aparecer em um programa de TV no horário nobre.

A linguagem do amor e do desejo

Embora pouco de seu trabalho tenha sobrevivido, Safo é até hoje alvo da fascinação de eruditos e artistas.

Com o passar dos anos, suas obras completas se perderam: só o que restou é um punhado de poemas completos e alguns fragmentos transcritos em papiros antigos.

Alguns eruditos acreditam que ela tenha escrito seus poemas para mulheres e meninas pertencentes ao culto de Afrodite, e que haviam celebrado ritos femininos como a puberdade, o casamento e o parto.

Mas, ao longo do século passado, novas descobertas sobre seu trabalho levaram à compreensão, segundo Reynolds, do papel fundamental que ela desempenhou na configuração da linguagem do amor e do desejo, que usamos até hoje.

Atualmente, a mulher celebrada por Platão como a "Décima Musa" empresta seu nome a uma forma poética específica, chamada de estrofe sáfica, e é atribuída a ela a origem de algumas ideias e frases românticas comuns, como a referência à natureza "amarga" do amor.


Poetas Alceu e Safo en uma cerâmica da Grécia Antiga: esse tipo de representação era reservado às "estrelas" da época

Safo diagnosticou o "mal do amor" milhares de anos atrás, explica Reynolds.

Um dos poemas conhecidos dela diz:

Mãe querida, já não tenho força para mover a agulha no bastidor,

ferida como estou de amor por um jovem... e a culpa é de Afrodite.

No fragmento 31, ela enumera os sintomas físicos do desejo. Enquanto observa a pessoa que ama flertar com outro homem, o narrador da poeta fica calado, sente frio e calor por todo o corpo e escuta um zumbido em seus ouvidos. As sensações são tão intensas que ele acha que vai morrer.

Este fragmento é um exemplo de um poeta que escreve sobre o custo físico que o desejo cobra de nós:

Parece-me ser igual aos deuses esse homem que, sentado na tua

frente, te ouve de perto falar docemente e rir de maneira encantadora,

o que me faz saltar o coração no peito. Pois, quando te olho por um

momento, já não sou capaz de dizer nada, a minha língua

silenciosamente gela e imediatamente um fogo subtil corre sob a

minha pele. Deixo, subitamente, de ver, os meus ouvidos zunem e um

suor frio cobre o meu corpo, dominado por intenso tremor. Fico então

mais verde do que a erva e pareço pouco distante de morrer.

Sexualidade fluida

Safo é considerada um ícone do relacionamento homossexual feminino, mas a poeta escreveu tanto sobre seu desejo por mulheres quanto por homens, aponta Reynolds.

As expressões do desejo homoerótico na Grécia Antiga não significavam que as pessoas eram identificadas com uma orientação sexual em particular, por isso é pouco provável que ela fosse chamada de homossexual.


A poeta escreveu tanto sobre o desejo por homens quanto por mulheres

A expressão da sexualidade fluida de Safo tem muito em comum com a forma em que muitos escolhem expressar sua identidade sexual atualmente, defende Reynolds.

Os poemas de Safo jogam com nossas expectativas sobre o gênero e provocam perguntas sobre a sexualidade.

Quem é o narrador, um homem ou uma mulher? Quem é o amante, o homem ou uma mulher?

O fragmento 31, mencionado acima, se refere a alguém que está vendo uma bela jovem e invejando o homem que fala com ela.

Os tradutores do século 15 em diante presumiram que o narrador – ou seja, a pessoa que desejava a jovem – era um homem. Mas o poema original traz uma grande pista de que não era o caso, explica Reynolds.

A poeta usa a forma grega "chlorotera", que indica que a narração era de uma mulher.

Para Reynolds, Safo queria que sua poesia fizesse o leitor pensar sobre experiências transgênero, ou que transcendessem os gêneros.

Ela queria que o leitor conseguisse imaginar os sentimentos de gêneros que talvez fossem diferentes do seu, prossegue a acadêmica.

"Os poemas de Safo sobre seus temas mais importantes – o sexo e o amor – são sobre todas as pessoas", afirma. "São de gênero fluido. Safo não se importava com quem amamos. (Para ela), continuava sendo amor."

Para Reynolds, a lição de Safo para os dias atuais é: "Não se preocupe com rótulos. Apenas siga em frente e seja quem você é."

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…