Pular para o conteúdo principal

NASA confirma que New Horizons se aproximará do Ultima Thule no primeiro dia de 2019



Por George Dvorsky

Neste 18 de dezembro de 2018, foi o último dia possível para os controladores de missão ajustarem a trajetória da espaçonave New Horizons ao se aproximar de Ultima Thule, um objeto distante do Cinturão de Kuiper. Sem nenhum perigo detectável à vista, a NASA deu luz verde para a sonda permanecer em seu caminho ideal — uma trajetória que resultará em um sobrevoo intimista em apenas duas semanas.

Nas últimas três semanas, a equipe de riscos da New Horizons esteve em busca de qualquer ameaça, como pedaços de poeira ou rocha, em torno do Ultima Thule, para corrigir a rota caso fosse necessário. Este jogo celestial de Escolha Sua Aventura teve um dos dois resultados possíveis.

Com um caminho limpo pela frente, a New Horizons poderá permanecer ao longo de seu curso atual, levando-o a 3.500 quilômetros de Ultima Thule, também conhecida como 2014 MU69, durante o sobrevoo programado para 1º de janeiro de 2019.

Se os perigos fossem detectados, no entanto, a correção do curso resultante teria levado a sonda três vezes mais longe do misterioso objeto trans-netuniano. A New Horizons está atualmente se movimentando a impressionantes 50.700 quilômetros por hora, uma velocidade na qual até mesmo um pequeno grão de poeira do tamanho de um arroz destruiria a espaçonave.


Esta imagem do Ultima Thule foi feita combinando centenas de imagens tiradas entre agosto e meados de dezembro pelo Imageador de Reconhecimento de Longo Alcance (LORRI, na sigla em inglês) da New Horizons. O círculo interior representa o trajeto mais próximo, e o exterior, o mais longo. Imagem: NASA/Johns Hopkins Applied Physics Laboratory/Southwest Research Institute.

Hoje, sem ameaças imediatas detectadas, a NASA deu sinal verde para que a New Horizons siga o caminho que mais se aproxima de Ultima Thule — não é necessário corrigir o curso.

“A espaçonave agora é direcionada para o voo ideal, três vezes mais perto do que voamos sobre Plutão”, disse o principal investigador da New Horizons, Alan Stern, em um comunicado. “Ultima, aqui vamos nós!”

Esta é uma ótima notícia, porque um sobrevoo mais distante produziria dados menos detalhados. A projeção agora é de que a New Horizons faça imagens do Ultima Thule com uma resolução de 30 a 70 metros por pixel. Quando passou por Plutão, a resolução era de aproximadamente 183 metros por pixel.

O Ultima Thule é considerado um sistema binário próximo ou um binário de contato (no qual duas partes estão se tocando). O objeto, ou objetos, tem cerca de 30 km de diâmetro e formato irregular. Consequentemente, as imagens recebidas deverão ser super fascinantes.

Esta não é a primeira vez que a equipe de riscos da New Horizons foi colocada em ação. Três anos atrás, quando ela estava se aproximando de Plutão, a equipe usou o Imageador de Reconhecimento de Longo Alcance da sonda (LORRI, na sigla em inglês) para procurar possíveis perigos. Eles estavam preocupados que as pequenas luas de Plutão tivessem espalhado destroços perigosos pelo caminho. Felizmente, sua busca não rendeu nada, e a New Horizons foi autorizada a permanecer ao longo de seu caminho pretendido através do sistema plutoniano.

No caso do Ultima Thule, localizado a bilhões de quilômetros de Plutão, a equipe de riscos usou o LORRI para procurar ameaças semelhantes. Especificamente, a equipe estava à procura de um anel refletivo composto de poeira. Eles também procuraram minúsculos satélites naturais em volta de Ultima Thule. Nem poeira nem luas foram encontradas, permitindo a declaração de hoje de que está tudo “limpo”.

“Nossa equipe se sente como se estivéssemos andando junto com a espaçonave, como se fôssemos marinheiros empoleirados na gávea de um navio, olhando para os perigos à frente”, disse Mark Showalter, do Instituto SETI, em um comunicado. “A equipe estava em completo consenso de que a espaçonave deveria permanecer na trajetória mais próxima, e a liderança da missão adotou nossa recomendação.”

A New Horizons está programada para fazer sua abordagem mais próxima do Ultima Thule às 3h33 (no horário de Brasília) de 1º de janeiro de 2019. Não sabemos para quando podemos esperar a primeira foto em close-up do Ultima Thule, mas as transmissões da New Horizons levarão aproximadamente seis horas, sete minutos e 48 segundos para chegar à Terra.

Sim, New Horizons, a quase 6 bilhões de milhas de distância, você está muito, muito longe de casa.

[NASA New Horizons]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…