Pular para o conteúdo principal

Há exatos 50 anos, a tripulação da Apollo 8 foi a primeira a partir rumo à Lua


Imagem Credito: NASA

Por Patrícia Gnipper

A missão Apollo 11 se tornou a mais famosa de todas porque, com ela, a humanidade colocou os pés pela primeira vez na Lua. Só que, para que o pouso na Lua tenha sido possível, aconteceram outras missões antes, que, primeiro, levaram astronautas à órbita do nosso satélite natural. E a primeira a conseguir esse feito histórico foi a Apollo 8, que completou 50 anos nesta sexta-feira (21/12/18).

Esta foi, na verdade, a segunda missão tripulada do programa Apollo, sendo que a Apollo 7 se concentrou em levar os astronautas à órbita da Terra a fim de testar os sistemas de suporte à vida da nave, bem como os controles e sistemas de propulsão, garantindo que tudo estivesse nos conformes para, aí sim, levar os astronautas à órbita da Lua na missão seguinte.

A Apollo 8 decolou em 21 de dezembro de 1968, retornando em segurança no dia 27 do mesmo mês. Então, sim, os astronautas Frank Borman, James Lovell e William Anders tiveram um Natal mais do que especial no espaço, vendo a Terra de longe e a Lua de pertinho.


Esta foto ficou conhecida como "Earthrise", mostrando o "nascer" da Terra vista da Lua (Foto: William Anders/NASA)

A foto acima, por sinal, não fazia parte dos planos iniciais da missão. Anders, autor da belíssima imagem, gosta de dizer que "viemos explorar a Lua e descobrimos a Terra", com Lovell ficando impressionado com o fato de que podia esconder todo o globo terrestre atrás de seu polegar ao ver a Terra de longe. "Mais de 3 bilhões de pessoas, montanhas, oceanos, desertos, tudo o que eu já conheci estava por trás do meu polegar", lembra ele.

A importância da Apollo 8

Os astronautas da missão foram os primeiros a circum-navegar o nosso satélite natural, enviando para nós fotos inéditas do solo lunar e também da Terra vista da Lua. O trio também representa os primeiros humanos a abandonarem a órbita terrestre, com a missão também sendo a primeira transmitida ao vivo pela televisão diretamente do espaço. Por isso, a Apollo 8 foi tão importante na história da exploração espacial — além de ter sido motivo de orgulho para a população dos Estados Unidos naquele ano.

É que o ano de 1968 foi marcado por assassinatos de peso (como no caso de Martin Luther King Jr. e Robert Kennedy), tumultos generalizados, protestos sociais e guerra (no auge da Guerra do Vietnã), então a boa notícia de que a NASA estava conseguindo levar humanos para a Lua com sucesso foi o respiro de esperança e união que o país tanto precisava em uma época difícil para seus cidadãos. Inclusive, os astronautas aproveitaram a transmissão ao vivo durante a noite de Natal para ler os dez primeiros versículos do Livro do Gênesis, do Antigo Testamento — o que, apesar de críticas por misturar ciência com religião, acabou sendo um momento bonito e emocionante para a população norte-americana, com a câmera transmitindo imagens da superfície da Lua e também da Terra vista de longe enquanto os astronautas faziam a leitura. Na época, a transmissão foi o programa de televisão mais assistido da história do país, por sinal.

Ainda hoje, a missão de 1968 é considerada um dos empreendimentos mais ousados, e talvez o mais perigoso da história da NASA, pois havia um risco real e sem precedentes de levar humanos ao espaço usando um então novo e gigantesco foguete pela primeira vez. Muita coisa podia dar errado, e o risco à vida era uma realidade. Mas os Estados Unidos não somente precisavam de algo a se orgulhar em meio à guerra, como também queriam derrubar a União Soviética na Corrida Espacial — já que os soviéticos estavam vencendo a "batalha".

O sucesso da Apollo 8 foi um verdadeiro alívio, pois, nas palavras de Jim Bridenstine (atual administrador da NASA), "se houvesse uma falha, destruiria o Natal não apenas de todos nos Estados Unidos, mas de todos em todo o mundo". Afinal, o mundo inteiro estava acompanhando as notícias sobre a missão, e a conquista, portanto, não seria apenas dos EUA, mas sim de todo o planeta Terra.

Até então, a humanidade nunca tinha tido a oportunidade de ver o outro lado da Lua, e também nunca havíamos visto imagens reais de como nosso planeta parece ser um oásis cósmico em meio à escuridão do espaço. E, meio século depois, apenas os 24 astronautas da NASA que voaram à Lua testemunharam essas maravilhas em primeira pessoa — coisa que deve mudar em breve, já que o governo dos EUA já deu sinal verde para novas missões da agência espacial rumo à Lua, retornando ao nosso satélite natural depois de tantas décadas com novas tecnologias e novos conhecimentos, para, quem sabe, desta vez firmar uma estadia fixa por lá.

O trio de astronautas ainda vive


A partir da esquerda, o comandante Frank Borman, o piloto do módulo lunar William Anders, e o piloto do módulo de comando James Lovell (Foto: NASA)

Frank Borman, James Lovell e William Anders ainda estão vivos. Borman e Lovell têm 90 anos de idade, e Anders tem 85. Borman conta que, depois de voltar à Terra, recebeu um telegrama apenas dizendo: "Obrigado, você salvou 1968".

Borman conta que, enquanto estava atuando na missão, "minha principal preocupação era chegar lá antes dos russos e chegar em casa depois". Ele queria chegar logo à Lua e voltar o mais rápido possível, e ele acreditava que uma única volta ao redor da Lua seria suficiente — no entanto, acabaram dando dez voltas.

E também foi Borman que encontrou "algo apropriado" para ser dito durante a transmissão ao vivo de Natal, escolhendo os versículos do Livro do Gênesis para tal. Ele conta que "todos tentamos por um bom tempo descobrir alguma coisa, e tudo se tornou banal ou tolo". Então o astronauta lembrou que a esposa de um amigo teve a ideia de eles levarem o Gênesis para a missão, e então Anders começou a ler, em voz alta: "No começo, Deus criou o céu e a terra...". Borman encerrou a transmissão dizendo que "a tripulação da Apollo 8 fecha com boa noite, boa sorte e um Feliz Natal, e Deus abençoe a todos vocês, todos vocês na boa Terra".


William Anders, James Lovell e Frank Borman nos dias de hoje (Foto: Reprodução)

Na manhã de Natal, a nave deu a última volta ao redor da Lua e, na manhã do dia 27 de dezembro, a incrível jornada foi encerrada, com a revista Time classificando os três astronautas como os "Homens do Ano".

Borman e Anders nunca mais voltaram ao espaço. Lovell, no entanto, comandou a quase trágica Apollo 13, que enfrentou um problema durante o voo, com os astronautas precisando se virar durante a viagem para conseguirem retornar à Terra sãos e salvos — o resultado foi a sobrevivência dos astronautas, mas o fracasso em um novo pouso na Lua. "Mas isso é outra história", diz Lovell, obviamente querendo mudar de assunto, já que o assunto em questão era o sucesso da histórica missão Apollo 8, da qual fez parte, com orgulho.



Veja fotos lunares da missão Apollo 8 aqui.

FONTE: canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…