Pular para o conteúdo principal

Cérebro da espécie "pé-pequeno" era meio humano e meio macaco


CRÂNIO DO PÉ-PEQUENO FOI ENCONTRADO HÁ 20 ANOS QUASE INTACTO (FOTO: UNIVERSITY OF THE WITWATERSRAND)

Suposta nova espécie de hominídeo e as pessoas modernas compartilham o mesmo ancestral primata perdido

O cérebro do "pé-pequeno", um dos ancestrais hominídeos mais antigos que viveram na Terra, era metade macaco e metade humano, conforme aponta um novo estudo publicado no Journal of Human Evolution. Para a chegar ao resultado, pesquisadores analisaram o crânio da criatura, encontrado há duasdécadas nas Cavernas de Sterkfontein, na África do Sul.

Com 3,67 milhões de anos, pé-pequeno pode ser uma nova espécie de hominídeos Australopithecus, e é um dos indivíduos mais antigos deste grupo.

Como seu crânio está quase intacto, cientistas avaliaram o interior do fóssil e descobiram que a criatura viveu na África entre 4 milhões e 2 milhões de anos atrás. Além disso, os primeiros humanos do gênero Homo acabaram evoluindo dos Australopithecus.

Eles usaram tomografia microcomputadorizada (Micro-CT) para reconstruír o interior do crânio, e puderam ver impressões finas de onde o cérebro se encontrava. Foi possível até identificar caminhos das veias e artérias. Esta técnica de estudo é chamada de endocast.

"Eu estava esperando algo bastante semelhante aos outros endocasts que conhecíamos do Australopithecus, mas pé-pequeno acabou sendo um pouco diferente, por causa da sua extensa idade", disse Amélie Beaudet, da Universidade de Witwatersrand, na África do Sul.


RECONSTRUÇÃO VIRTUAL DO CRÂNIO DE PÉ-PEQUENO (FOTO: M. LOTTER AND R.J. CLARKE/WITS UNIVERSITY)

Os chimpanzés e humanos modernos compartilham um ancestral mais velho que pé-pequeno: algum macaco perdido que deu origem a ambas as linhagens.

A pesquisa mostrou que o córtex visual de pé-pequeno ocupava uma proporção maior do cérebro do que esta área tem no cérebro humano. Segundo Beaudet, nas pessoas, o córtex visual foi deixado de lado para acomodar a expansão do córtex parietal, área envolvida em atividades mais complexas.

O cérebro de pé-pequeno era assimétrico, com saliências diferentes em cada lado. Esta é uma característica compartilhada com humanos e macacos, e pode indicar que o Australopithecus teve lateralização cerebral. Ou seja, que os dois lados do órgão executavam diferentes funções. Esta descoberta significa que a lateralização evoluiu muito cedo nos primatas.

Além disso, o cérebro de pé-pequeno é diferente dos espécimes de Australopithecus posteriores. O córtex visual, em particular, aprensa tamanho maior. Essas diferenças sugerem que a evolução do cérebro foi um processo fragmentado, ocorrendo aos trancos e barrancos.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…