Pular para o conteúdo principal

Explosão de estrelas anãs vermelhas pode destruir planetas próximos


CHAMAS EM ESTRELAS ANÃS VERMELHAS (FOTO: NASA, ESA, AND D. PLAYER (STSCI))

Energia solta é tão forte que pode atingir atmosferas de planetas "recém-nascidos", afirma estudo

O programa HAZMAT, que utiliza o Telescópio Espacial Hubble da NASA, está observando explosões de estrelas por meio de dados ultravioletas de anãs vermelhas (menor tipo de estrela do universo) em três diferentes idades: jovens, intermediárias e antigas.

Os resultados da primeira parte do projeto foram publicados no The Astrophysical Journal. O estudo examina a frequência de chamas em 12 jovens anãs vermelhas. "Obter esses dados nas jovens estrelas tem sido importante porque a diferença em suas atividades é muito grande em comparação com estrelas mais antigas", disse Parke Loyd, da Universidade do Estado do Arizona, nos Estados Unidos.

O programa de observação detectou uma das explosões estelares mais intensas já observadas por luz ultravioleta, apelidado de "Hazflare".

Acredita-se que as chamas das explosões sejam alimentadas por campos magnéticos intensos que se emaranham com os movimentos agitados da atmosfera estelar. Quando o emaranhado fica muito intenso, os campos se quebram e se reconectam, liberando enormes quantidades de energia.

"O objetivo do programa HAZMAT é ajudar a entender a habitabilidade dos planetas em torno de estrelas de baixa massa", explicou Evgenya Shkolnik, da Universidade Estadual do Arizona. "Estas estrelas de baixa massa são importantes na compreensão das atmosferas planetárias."

Astrônomos descobriram que as labaredas das anãs vermelhas mais jovens, com cerca de 40 milhões de anos, são de 100 a mil vezes mais energéticas do que as estrelas mais velhas. As jovens anãs vermelhas são ativas, produzindo explosões ultravioletas que expelem tanta energia que poderiam influenciar a química atmosférica e, possivelmente, remover as atmosferas de planetas "recém-nascidos".

"Com o Sol, temos cem anos de boas observações", disse Loyd. "E, nesse tempo, vimos uma, talvez duas, labaredas que têm uma energia se aproximando do Hazflare. Em um pouco menos de um dia de observações do Hubble dessas jovens estrelas, pegamos o Hazflare, o que significa que nós estamos olhando para grandes chamas acontecendo todos os dias ou até mesmo várias vezes ao dia."

"As chamas que observamos têm a capacidade de retirar a atmosfera de um planeta. Mas isso não significa necessariamente uma desgraça para a vida do planeta. Pode ser apenas uma vida diferente do que imaginamos", falou Loyd. "Ou pode haver outros processos que poderiam reabastecer a atmosfera do planeta. É um ambiente hostil, mas eu hesitaria em dizer que é um ambiente estéril."

Aproximadamente três quartos das estrelas da galáxia são anãs vermelhas. A maioria dos planetas da "zona habitável", ou seja, que orbitam estrelas a uma distância onde as temperaturas são moderadas o suficiente para que a água líquida exista em sua superfície, provavelmente também orbitam anãs vermelhas. Inclusive, a estrela mais próxima do Sol, a anã vermelha Proxima Centauri, tem um planeta do tamanho da Terra em sua zona habitável.

A próxima parte do estudo HAZMAT será estudar anãs vermelhas envelhecidas intermediárias com 650 milhões de anos de idade. Em seguida, as anãs vermelhas mais antigas serão analisadas e comparadas com as estrelas jovens e intermediárias para compreender a evolução do ambiente de radiação ultravioleta de planetas de baixa massa em torno dessas estrelas de baixa massa.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…