Pular para o conteúdo principal

Conheça nossos novos vizinhos


Imagem do Hubble revela a Caixinha de Joias (NGC 4755), um dos aglomerados abertos mais famosos. O novo trabalho descobriu 41 aglomerados como esse até então desconhecidos. (Crédito: ESA/Nasa/STScI)

Salvador Nogueira

Um grupo internacional de pesquisadores com participação brasileira descobriu nada menos que 41 novos aglomerados estelares na vizinhança do Sistema Solar. Vizinhança naquelas, claro — estamos falando de um raio de 6.000 anos-luz. Mas, no contexto do tamanho da Via Láctea, com seus cerca de 100 mil anos-luz de diâmetro, é, como diria Fernando Vannucci, logo ali.

O achado, obtido pela colaboração Coin (acrônimo em inglês para Iniciativa Cosmoestatística), foi possível graças a dados colhidos pelo satélite europeu Gaia, e é ainda mais importante pelo fato de que, até recentemente, a comunidade astronômica dava esse censo local por essencialmente encerrado. O novo achado muda completamente esse entendimento e representa um aumento de mais de 20% no número de aglomerados estelares conhecidos em nossos arredores galácticos.

Aí você pergunta: mas por que diabos é importante ficar achando aglomerados estelares? E, indo ainda mais longe, que diabo é um aglomerado estelar? Bom, começando pelo fim, um aglomerado é basicamente um montão de estrelas (centenas a milhares delas) agrupadas, pelo fato de terem nascido na mesma ninhada e ainda não terem tido tempo de se dispersar pela galáxia.

Sabendo isso, fica mais fácil responder à primeira pergunta. Aglomerados, além de serem mais fáceis de ver do que estrelas individuais, representam estruturas jovens, que dão pistas de como cada região da galáxia está se transformando e de qual é, afinal, sua forma.


Mapa indica os novos aglomerados (em amarelo) descobertos pelo Coin em dados do satélite Gaia.

Não é segredo para ninguém que mapear a Via Láctea é extremamente difícil, pelo simples fato de que estamos do lado de dentro. É meio como tentar desenhar a costa brasileira a partir de Minas Gerais. Nesse sentido, o estudo dos aglomerados ajuda bastante.

Essa, é por sinal, a expectativa gerada pelo satélite Gaia. Seus dados contemplam a posição e velocidade de cerca de 1,7 bilhão de estrelas — por volta de 1% do total existente na Via Láctea. Seus dados prometem revolucionar vários campos da astronomia e permitirão ter uma noção sem precedentes da organização e da longa história da nossa galáxia.

As novas descobertas foram feitas com observações da região do braço de Perseus, um dos braços espirais da Via Láctea. “E estamos agora trabalhando para mapear o céu inteiro — potencial de descobertas enorme”, descreve Rafael de Souza, pesquisador da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos EUA, um dos líderes da Coin.

FONTE: mensageirosideral.blogfolha.uol.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…