Pular para o conteúdo principal

Meteorito espacial armazena resquícios de antigas explosões solares


PEQUENO CRISTAL DE HIBONITA ENCONTRADO NO METEORITO DE MURCHISON (FOTO: ANDY DAVIS/UNIVERSIDADE DE CHICAGO)

Fragmento contém gases e outras provas físicas dos primeiros anos de vida da principal estrela do Sistema Solar

Para a pediatria e a psicologia infantil – e, claro, para pais e mães – há uma fase da infância que é conhecida como “os terríveis dos anos”. Talvez você não se lembre, mas nesse período era muito provável que o seu pequeno você fizesse birras na rua, esperneasse em espaços públicos e causasse tremendos espetáculos incompreensíveis aos seus familiares.

Pois bem, assim como nós, o Sol também teve já passou por essa fase. Por ser uma estrela, o astro protagonista do Sistema Solar experimentou muitas explosões e espalhou quantidades tamanhas de radiação pelo espaço.

Talvez, agora, com seus 4,5 bilhões de anos, ele se envergonhe ou até tenha esquecido de sua fase mais juvenil. Porém, esse período intenso da vida do Sol acaba de voltar à tona após um grupo de astrônomos encontrar os resquícios das explosões solares em cristais azuis presos dentro de um meteorito espacial, o Murchison.

Murchison é tão antigo quanto o Sol; antecede a formação dos planetas de nosso Sistema. Isso quer dizer que enquanto o grandiosa estrela causava espetáculos radioativos e flamejantes no espaço, o meteorito estava ali, observando e guardando tudo.

“Essencialmente, isso é uma gravação real da atividade inicial do Sol”, explicou o cosmoquímico Philipp Heck, pesquisador do Museu Field de História Natural (EUA) e autor do estudo, que foi publicado no periódico científico Nature Astronomy.

Os estudiosos tiveram acesso às informações do Murchison quando o meteorito caiu na Austrália, em 1969. Dentro dele, foram encontrados microscópicos cristais azuis espaciais, chamadas de hibonita, os quais se acredita estarem entre os primeiros minerais que formaram o Sistema Solar.

“Desde que [o meteorito] caiu tem sido uma caça ao tesouro para a ciência, pois ele contém muitos materiais inalterados dos primeiros anos do Sistema Solar, como as hibonitas”, afirmou Heck.

Voltando ao tempo, naquele período inicial, o Sol era cerceado por um disco rotacional de poeira e gás, os quais viriam a formar os planetas no futuro. A região central do círculo registrava altas temperaturas (aproximadamente 1,482 °C). Foi só quando a temperatura do círculo começou a abaixar que as hibonitas passaram a se formar nas rochas espaciais – sendo uma delas o meteorito Murchison.


ILUSTRAÇÃO DO DISCO DE POEIRA E GÁS AO REDOR DO SOL PRIMITIVO E INSERÇÃO DO CRISTAL DE HIBONITA (FOTO: THE FIELD MUSEUM/UNIVERSIDADE DE CHICAGO/NASA/ESA/E. FEILD)

Apesar de a idade exata das hibonitas azuis de Murchison não ter sido determinada, os cientistas acreditam que, de acordo com a composição, eles devem ter surgido em um intervalo de tempo que vai entre a juventude do Sol, há algumas centenas de milhares de anos atrás, até 50 milhões de anos atrás, quando a Terra foi formada.

Ao utilizar um laser ultra vermelho para derreter as hibonitas e liberar os gases presos no interior, os pesquisadores descobriram que havia traços de hélio e isótopos de neon dentro dos cristais.

De acordo com os cientistas, os dois gases nobres indicam que o próprio mineral foi irradiado pelo Sol, o que indica que a estrela era muito ativa durante sua fase inicial.

“Deveria ser como assistir à explosão de fogos de artifício cósmicos. Essas erupções [solares] resultaram em uma fluxo de partículas carregadas, indo em diferentes direções e irradiando qualquer coisa no caminho”, explica Heck.

Como esses mesmos gases não foram encontrados em outros meteoritos mais jovens que já caíram na Terra (ou nas próprias rochas terrestres e da Lua), os cientistas acreditam que a atividade do Sol foi diminuindo com o passar do tempo.

Enquanto isso, nossa querida e calorosa estrela está prestes a completar metade do ciclo de sua vida, o que significa que teremos mais 4 bilhões de anos de muita calmaria e tranquilidade no atual Sistema Solar.


Uma amostra do meteorito Murchison, em que os cristais foram encontrados. Crédito The Field Museum, Chicago

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…