Pular para o conteúdo principal

Conheça o incrível rover que a NASA está preparando para explorar Marte em 2020



Por: George Dvorsky

Se tudo for de acordo com o planejado, a NASA vai lançar seu próximo rover marciano em julho de 2020. A sonda robótica ainda está em construção, mas os primeiros sinais são de que o rover da próxima geração vai ser equipado com uma seleção impressionante de gadgets de tecnologia avançada.

O rover é atualmente construído no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, na Califórnia, e não tem um nome, além de “Marte 2020”. Como seus antecessores, o futuro rover vai examinar o Planeta Vermelho em busca de sinais de habitabilidade anterior, além de conduzir análises científicas da geologia, da atmosfera e de outros fenômenos naturais de Marte. Mas, diferentemente desses rovers que vieram antes, esse tem alguns truques a mais debaixo de manga.

Como anunciou a NASA nesta semana, a sonda vai ser equipada com nada menos do que 23 câmeras diferentes. São 13 câmeras a mais que as sondas Spirit e Opportunity e seis a mais do que a Curiosity. De suas 23 câmeras, nove serão dedicadas a tarefas de engenharia, sete à ciência e outras sete à detecção dos locais de entrada, descida e pouso da sonda. Esses “olhos” vão permitir à sonda criar panoramas abrangentes, descobrir obstáculos e estudar Marte em detalhes impressionantes. É importante dizer que essas câmeras vão funcionar em conjunto com vários instrumentos científicos a bordo.


Imagem: NASA/JPL/Caltech

Durante sua descida, câmeras vão capturar fotos do paraquedas se desenrolando e conforme se aproxima da superfície manchada de vermelho do planeta. Uma vez na ativa, uma câmera interna vai espreitar de perto amostras de rocha. Quando acabar de brincar de técnico de laboratório, o robô vai “armazenar em cache” as amostras e depositá-las na superfície rochosa para que uma missão futura as colete (sim, esse robô vai ser um “sujismundo”).

As câmeras também vão fornecer mais imagens coloridas e em 3D do que missões anteriores. Enquanto a Curiosity tinha a Mastcam, a versão de 2020 terá a Mastcam-z, com o “z” significando “zoom”. As câmeras também serão capazes de oferecer suporte a imagens mais estereoscópicas, que são boas para a varredura de características geológicas, para a avaliação de distâncias e para buscar o próximo local de exploração a uma longa distância.

As Navcams e Hazcams dos rovers anteriores, usadas para navegar e evitar perigos, produziram imagens digitais de 1 MP em preto e branco. As versões de 2020 dessas câmeras terão imagens em alta resolução de 20 MP e em cores (aleluia!). Essas câmeras também poderão reduzir borrões de movimento, o que significa que o robô será capaz de tirar fotos enquanto percorre a superfície marciana. E pelo fato de as lentes serem mais largas, o rover de 2020 será capaz de capturar uma vista mais ampla da paisagem.

“Nossas Navcams anteriores tiravam várias fotos e as colocavam juntas”, disse Colin McKinney, do Laboratório de Propulsão a Jato, em um comunicado da agência. “Com o campo de visão maior, temos a mesma perspectiva em apenas uma foto.”

Talvez você esteja pensando que imagens 3D coloridas filmadas em alta resolução não sejam grande coisa. Mas é, sim, especialmente para um robô a 54,7 milhões de quilômetros de distância. Com todos esses novos dispositivos, vem um monte de dados, que então precisam ser enviados de volta para a Terra. Esse equipamento extra representa um frustrante fator de limitação.

Para resolver isso, as câmeras a bordo do rover de 2020 vão comprimir os dados (o que a Curiosity também faz), mas outra solução será usar espaçonaves em órbita como locais de retransmissão de dados. Essa ideia foi testada pela primeira vez durante as missões dos rovers Spirit e Opportunity, em que a NASA usou seu orbitador Mars Odyssey como uma estação de retransmissão interplanetária. Quem disse que a gente não está vivendo no futuro?

“Esperávamos fazer essa missões com apenas dezenas de megabytes por dia marciano”, disse o cientista de missão Justin Maki. “Quando tivemos aquele primeiro sobrevoo do Odyssey, e tínhamos cerca de 100 megabytes por dia marciano, percebemos que era algo completamente novo”. Por dia marciano, Maki se refere a um período de 24 horas e 39 minutos. Para a missão de 2020, a NASA planeja usar espaçonaves já na órbita marciana, incluindo o Mars Reconnaissance Orbiter, o MAVEN e o Trace Gas Orbiter, da Agência Espacial Europeia.


Imagem: NASA/JPL/Caltech

E isso porque estamos falando só das câmeras. Outros instrumentos científicos propostos incluem um espectrômetro de fluorescência de raio-x para examinar os materiais de superfície de Marte, um gerador de imagens de radar, um microfone, um espectrômetro ultravioleta e até mesmo um Mars Helicopter Scout (HMS), drone de 0,9 quilo abastecido por luz solar que ficaria sobre o rover, ajudando-o a selecionar futuros alvos de exploração.


O rover de 2020 pode ser acompanhado por esse drone aéreo, chamado de Mars Helicopter Scout (HMS). (Imagem: NASA/JPL/Caltech)

Além disso, o novo rover terá rodas mais resistentes (as da Curiosity estão em mau estado), com melhor tração e um formato de maximização de desempenho. O rover de 2020 também vai tentar produzir oxigênio a partir da atmosfera de dióxido de carbono de Marte, o que poderia estabelecer um importante precedente para os primeiros colonizadores do Planeta Vermelho.

Quanto ao local em que o rover vai pousar, isso ainda é desconhecido. A NASA lançou uma lista de locais de pouso, incluindo o nordeste do quadrângulo de Syrtis Major (uma área que já foi aquecida por causa de atividade vulcânica), a cratera Jezero (restante do lago marciano) e as Colinas Columbia, exploradas pelo pousador Spirit, da NASA, durante a primeira metade da década de 2000.

Independentemente do local escolhido, a próxima missão em Marte será absolutamente brilhante.

[NASA]

Imagem do topo: NASA/JPL/Caltech

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…