Pular para o conteúdo principal

'Chupa-Chupa' de Colares: 40 anos depois, fenômeno permanece sem explicação


Colares ficou marcada pelo fenômeno (Foto: Wagner Santana)

O DIÁRIO DO PARÁ, iniciou uma série de 4 reportagens sobre o fenômeno que abalou os moradores do município, em 1977. Nesta reportagem, veja como tudo começou e os relatos das supostas vítimas dos óvnis em 1977. Naquele ano, a população de Colares enfrentou um fenômeno que ficou para sempre na história da cidade. Luzes iluminaram o céu da cidade, no nordeste paraense. Moradores teriam sido “atacados pela luz” e o sangue retirado através de um feixe de luz. Hoje, 40 anos depois, existem muito mais perguntas que respostas para explicar, de fato, o que foram aqueles corpos luminosos que sobrevoaram a região, em 1977 e criaram o mito popular do “chupa chupa”.

Em diversos municípios da região nordeste, como Viseu, Vigia e Santo Antônio do Tauá também há relatos sobre o aparecimento de corpos luminosos no céu. Até mesmo em Belém, as aparições teriam ocorrido. Jornais da época noticiaram que no início de novembro de 1977, moradores do bairro da Pedreira avistaram corpos luminosos acima deles. Na Baía do Sol, em Mosqueiro, uma mulher teria sido atacada por um ufo (como também são chamados os Óvnis).Os relatos sobre o aparecimento destes ufos começaram pelo Maranhão. De lá, o fenômeno veio sendo relatado por toda a região nordeste do Pará. No entanto, foi em Colares – que fica a 100 Km de distância da capital paraense - que os ataques e as ocorrências foram mais fortes.

A cidade inteira ficou em pânico. Muitas pessoas deixaram a cidade com medo. À noite, a população ficava em vigila. Acendiam fogueiras, batiam panelas e soltavam fogos de artifício na tentativa de espantar o “chupa chupa”. Quem tinha espingarda em casa ficava com ela em punho pronto para atirar, caso a “luz” aparecesse. “É um mistério que até hoje ninguém sabe explicar. As luzes apareciam na mata e sumiam. Ninguém dormia. Até as crianças ficavam na rua sob o olhar dos pais”, lembra a aposentada Maria Correia, de 66 anos. Diante do pânico se instalou na cidade, a prefeitura encaminhou ofício à Força Aérea Brasileira pedindo ajuda. O documento foi enviado ao I Comando Aéreo Regional (I Comar) em agosto daquele ano.

Em setembro, uma equipe de militares chegou à Colares para investigar o que estava acontecendo. A Operação Prato, como foi batizada, é a maior intervenção militar já realizada no Brasil para investigar e observar o aparecimento de Óvnis. No entanto, a operação foi suspensa em novembro pelo comando da Aeronáutica e a população de Colares nunca teve uma resposta ou explicação concreta por parte dos militares sobre o fenômeno “chupa chupa”.

Em 1997, 20 anos depois do caso, o chefe da Operação Prato, coronel Uyrangê Hollanda – na época capitão Hollanda - deu entrevista a um programa de televisão e também a uma revista sobre ufologia, na qual declarou que o que viu nos céus de Colares, após várias noites de observação, foram discos voadores ou ufos (como também são chamados).

Isso só fez aumentar a aura de mistério do lugar. Afinal, o que estes seres queriam? O que faziam em Colares? Por que os ataques aconteceram naquele ano? Parte do relatório da operação está disponível para consulta no Arquivo Nacional. Mesmo com a suspensão da operação, o capitão Hollanda voltou, por conta própria, diversas vezes a Colares a fim de obter respostas. Mas até os seus arquivos pessoais (fotos, vídeos, gravações) teriam recolhidos pelo I Comar e, então, guardados. Hollanda foi encontrado morto dentro de casa, dois meses depois da entrevista ao Fantástico.

Newton ainda lembra com detalhes do que sofreu com o “chupa-chupa” (Foto: Wagner Santana)

“Eu pedia socorro, mas não conseguia ouvir as pessoas”

Aos 61 anos de idade, o pescador Newton de Oliveira Cardoso não consegue esconder o trauma do ataque da luz, em setembro do mesmo ano. O relato dele é parecido com o de outras pessoas vítimas do fenômeno: o corpo é paralisado pela luz, o calor fica intenso e o corpo é perfurado com a pessoa desmaiada. “Eu tinha 21 anos naquela época. O dia exato do ataque eu não lembro, mas te garanto que o fenômeno já estava acontecendo. Os militares já estavam até na cidade”, garante.

Conhecido pelo apelido de ‘tenente’, seu Newton, é uma das poucas vítimas ainda viva do fenômeno. Ele lembra que sofreu o ataque porque não queria dormir em sua casa, no centro de Colares, porque tinha medo e já era noite. Decidiu então, ficar na casa da namorada, na comunidade de Mucajatuba, que fica a uma distância de aproximadamente 3 quilômetros da cidade. “Me deram uma rede para dormir e eu armei ela no corredor da casa. Na rede ao lado deitou a minha sogra”, relata.
Naquela noite, um objeto luminoso sobrevoou o imóvel. A luz teria sido vista por várias testemunhas na rua, que começaram a gritar. Dentro da casa, deitado na rede, o tenente sentiu uma forte “quentura” no corpo e em seguida uma “fisgada” no pescoço, conforme conta. “Eu pedia socorro, mas não conseguia ouvir as pessoas. Ai ‘apaguei’. Quando acordei a casa estava cheia de vizinhos e eles diziam que tinha sido o ‘chupa chupa’ porque viram a luz em cima da casa”.

Em virtude da distância até o posto de saúde, Newton não procurou ajuda médica. No final da entrevista, o tenente se emociona, apegado às lembranças. “Eu dormi por muito tempo embaixo de um balcão pensando que ali eles não me achariam”, desfechou.

Hoje, Newton Cardoso mora em um sítio próximo a cidade de Colares. No terreno ele construiu uma espécie de praça, onde colocou monumentos de seres extraterrestres e no centro uma miniatura do que seria uma nave espacial em formato de globo. “Eu recebo pessoas aqui do mundo todo que procuram saber da história, mas ninguém tem resposta”.

Hoje, os “ETs” estão estão por toda a parte do município (Foto: Wagner Santana)

O que diz a Aeronáutica

Em nota enviada ao DIÁRIO DO PARÁ, a Força Aérea Brasileira informou que todo o material sobre o tema em poder do Comando da Aeronáutica foi encaminhado ao Arquivo Nacional, inclusive da Operação Prato, que está disponível para consulta pública. Desde 2010, o Comando da Aeronáutica envia periodicamente os relatos de fenômenos aéreos recebidos pelo Comando Aeroespacial (COMAE) ao Arquivo. A Aeronáutica informou ainda que não dispõe de estrutura e de profissionais especializados para realizar investigações científicas ou emitir parecer a respeito desse tipo de fenômeno aéreo.

FONTE: (Denilson D’almeida/Diário do Pará)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…