Pular para o conteúdo principal

Microssatélites ganham propulsão a água


Cada tanque de combustível do microssatélite acomoda cerca de uma colher de sopa de água.[Imagem: Katherine Fowee et al. (2017)]

Propulsão para microssatélites

Os microssatélites e nanossatélites - ou cubesats -, muito menores do que os veículos espaciais convencionais, estão-se tornando cada vez mais prevalentes graças à sua capacidade de fazer ciência a um custo muito baixo.

Milhares desses satélites em miniatura estão sendo projetados para realizar uma variedade de tarefas, desde imagens de alta resolução e serviços de internet, até a resposta a desastres, monitoramento ambiental e vigilância.

Mas ainda falta um detalhe para que esses microssatélites atinjam todo o seu potencial: um sistema de micropropulsão que consiga fornecer "bits de impulso" precisos e com uma quantidade mínima de combustível, fazendo com que os nanossatélites consigam se posicionar para observar alvos definidos e programados.

Um sistema de propulsão próprio também permitirá que os cubesats deixem de ser objetos passivos e fadados a reentrar na atmosfera em poucas semanas.

Propulsão a água

A novidade nessa área de propulsão para microssatélites acaba de ser apresentada por Katherine Fowee e seus colegas da Universidade Purdue, nos EUA - a propósito, exceto a professora orientadora, todos os autores do trabalho são estudantes de graduação ou mestrado.

O novo tipo de sistema de micropropulsão usa água como combustível. Um design inovador de pequenos bicos liberam rajadas precisas de vapor de água para manobrar o pequeno satélite. A tecnologia é um sistema microeletromecânico, ou um MEMS, que são pequenas máquinas que contêm componentes medidos na escala de micrômetros, ou milionésimos de metro.

O sistema usa capilares pequenos o suficiente para aproveitar as propriedades microscópicas da água - como os capilares têm apenas 10 micrômetros de diâmetro, a tensão superficial evita que a água flua mesmo no vácuo do espaço.


O micropropulsor é um MEMS, um dispositivo microeletromecânico - a água sai pela ranhura central. À direita, sua estrutura transversal e vista explodida. [Imagem: Katherine Fowee et al. (2017)]

Pequenos aquecedores localizados perto das extremidades dos capilares criam o vapor de água e fornecem o empuxo. Desta forma, os capilares tornam-se válvulas que podem ser ligadas e desligadas ligando ou desligando os aquecedores elétricos - a tecnologia é semelhante a uma impressora a jato de tinta, usando os aquecedores para ejetar microgotas de água.

O propulsor demonstrou uma razão empuxo-potência de 230 micronewtons por watt para impulsos com duração de 80 segundos. Em uma câmara de vácuo, isto foi suficiente para fazer o microssatélite girar em menos de um minuto, usando menos de um quarto de watt, o que demonstra que este é um método viável mesmo para o controle de altitude dos cubesats.

FONTE: http://www.inovacaotecnologica.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…