Pular para o conteúdo principal

Faça suas próprias músicas espaciais com os sons da TRAPPIST-1



Se você, como eu, não tem nenhuma habilidade musical e sempre sonhou saber algumas coisas sobre música, esta é a sua chance: uma equipe de astrônomos e músicos criaram um programa que permite que você faça músicas com os sons dos planetas orbitando a estrela anã ultra fria TRAPPIST-1. Com ele, você definitivamente terá algo que pode ser chamado de obra de arte.

O player faz parte de um programa maior, chamado System Sounds, e foi criado por um grupo de astrônomos que têm estudado a “cadeia ressonante” dos sete exoplanetas que possuem tamanho similar à Terra e orbitam na TRAPPIST-1 e que foram anunciados ao mundo em fevereiro. Uma cadeia ressonante descreve como as forças gravitacionais dos planetas trabalham juntas para mantê-los todos em órbitas estáveis e circulares um em torno do outro e de sua estrela hospedeira. Como o astrônomo Dan Tamayo explicou ao Gizmodo em maio, TRAPPIST-1 representa a cadeia ressonante “mais longa que já foi descoberta em um sistema planetário”.

De acordo com os astrônomos, a cadeia ressonante do sistema TRAPPIST-1 é matematicamente bastante eloquente, já que os planetas parecem conduzir sua própria sinfonia dentro do sistema.

“Sete planetas de tamanho terrestre em torno de uma estrela próxima são suficientes para empolgar alguém, especialmente quando vários deles têm o potencial de possuir a água líquida”, escreveu o co-criador Matt Russo, pesquisador de pós-doutorado do Instituto Canadense de Astrofísica Teórica, ao Gizmodo. “Mas o que torna o TRAPPIST-1 realmente notável é que todos os sete de seus planetas estão trancados em uma cadeia ressonante, onde os comprimentos dos anos dos planetas formam índices simples de números inteiros uns com os outros. Isto é o que é responsável pela harmonia do sistema e seu ritmo”.


Imagem: System Sounds

Os pesquisadores criaram seu próprio software para “traduzir” dados da missão K2 da NASA, que mediu os períodos orbitais dos planetas, em notas musicais (aqui o link para o GitHub). Os usuários podem acelerar ou diminuir o tempo e/ou o volume ao seu gosto, usando ferramentas de alternância acessíveis no novo programa.

“Nós simplesmente aceleramos o movimento dos sete planetas de TRAPPIST-1 até que suas frequências orbitais produzissem notas musicais”, explicou Russo. “Para torná-los um pouco mais familiares, jogamos essas notas em um piano, uma vez por órbita. Para mostrar mais da estrutura rítmica, então, jogamos uma batida para cada vez que dois planetas vizinhos estiverem mais próximos. Isto é, quando eles se entram em um puxão gravitacional e mantêm-se presos neste padrão estável”.

Por enquanto você não pode adicionar vocais dentro do programa, mas nada o impedirá de fazer sua própria versão de uma louca batida TRAPPIST-1. Talvez tenha exista um DJ espacial que dentro de você esse tempo todo – agora é sua chance de deixar ele se expressar.

[Motherboard]

Imagem do topo: System Sounds

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…