Pular para o conteúdo principal

Como o surpreendentemente complexo cérebro da libélula a torna uma caçadora mortal



Como um jogador de beisebol que corre para pegar uma bola, as libélulas também são capazes de prever a trajetória de um objeto em movimento, geralmente a sua próxima refeição. Uma nova pesquisa revela os mecanismos por trás dessa complexa tarefa cognitiva, que já foi considerada exclusiva dos mamíferos. A expectativa é de que esses conhecimentos conduzam a inovações na visão dos robôs.

Como humanos, damos por certo que podemos rastrear e prever a trajetória de um objeto que se mova através do tempo e do espaço. Podemos nos concentrar em um objeto em movimento quando há muito acontecendo em segundo plano e, mesmo assim, tirar temporariamente nossos olhos do objeto, sabendo onde estarão poucos momentos depois. Conseguimos fazer isso porque nossos cérebros estão equipados para fazer esses cálculos complexos em tempo real. Como um novo estudo publicado na eLife aponta, habilidades semelhantes também fazem parte do arsenal cognitivo da libélula.

Em 2012, Steven Wiederman, da Universidade de Adelaide, na Austrália, com a ajuda do biólogo da Universidade de Lund, David O’Carroll, descobriu que as libélulas têm algo que os cientistas não pensavam que os invertebrados tivessem: “atenção seletiva”. As libélulas usam essa habilidade quando buscam insetos, muitos dos quais se refugiam em enxames. Suas observações mostraram que as libélulas podem bloquear um único alvo e ignorar as distrações enquanto mergulham para o ataque. O problema é que os pesquisadores não tinham ideia de como as libélulas eram capazes de saber onde os objetos em movimento estariam no futuro, principalmente porque não achávamos que os insetos tivessem a arquitetura necessária do cérebro para permitir uma habilidade tão avançada.

Para descobrir como as libélulas eram caçadoras tão eficazes, Wiederman e O’Carroll decidiram realizar um novo estudo. Eles levaram 63 libélulas macho para o seu laboratório e as imobilizaram com uma mistura de cera e breu. Com eletrodos presos aos seus cérebros, foi mostrada às libélulas uma série de quadrados pretos feitos para imitar presas. Conforme foram reveladas as simulações de presas, os pesquisadores observaram como a atividade dos Detectores de Movimento de Pequenos Alvos (ou neurônios de STMD, na sigla em inglês) eram ativados nos cérebros das libélulas.

Em vez de apenas seguir o alvo através do tempo e do espaço ao longo de uma linha reta (como imagina-se que a maioria dos insetos faz), os neurônios STMD realmente trabalharam para prever a localização futura dos pontos negros, de acordo com o novo estudo. Esses neurônios especializados aumentaram sua atividade em uma pequena área de “foco” em frente ao objeto em movimento que está sendo rastreado; os neurônios individuais eram mais sensíveis aos movimentos logo à frente da posição momentânea do ponto preto. Além disso, quando o ponto preto desaparecia de repente (como um alvo pode fazer quando, digamos, ele voa para trás de uma árvore), o cérebro da libélula ainda trabalhava para prever onde o ponto provavelmente reapareceria. Insetos sem essa capacidade de previsão de trajetória simplesmente desistiriam da perseguição quando um objeto desaparecesse de sua visão.

“Os insetos e os mamíferos tiveram um antepassado em comum há mais de 500 milhões de anos, e, em muitos aspectos, os cérebros dos mamíferos são substancialmente mais complexos do que os dos insetos”, concluem os autores no estudo. “No entanto, [nossas descobertas] mostram que o cérebro de insetos pode realizar tarefas visuais anteriormente associadas apenas a mamíferos.”

Essa é uma descoberta emocionante, e não apenas por causa do que nos diz sobre os cérebros insectoides. Nos próximos anos, os cientistas podem usar essas ideias para desenvolver robôs autônomos mais seguros e capazes, sejam eles veículos autônomos (que, como libélulas, são objetos em movimento que precisam prever a trajetória de outros objetos em movimento) ou robôs voadores usados para fins de reconhecimento ou como polinizadores artificiais.

Realmente, não existe motivo para reinventar a roda; a natureza já fez muita pesquisa e desenvolvimento em nosso favor ao longo dos milênios.

[eLife]

Imagem do topo: Wikimedia

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…