Pular para o conteúdo principal

Mais um meteoro é visto no céu do Rio Grande do Sul


Fenômeno foi registrado na cidade de Taquara (Carlos Jung / Divulgação)

Registro do meteoro foi feito em Taquara, na noite de sexta-feira (7). Segundo especialista, bólido foi extinto a 24,68 km de altitude sobre o estado gaúcho.

Por Carolina Cattaneo, G1 RS

Mais um meteoro pôde ser visto no céu de algumas cidades do Rio Grande do Sul na noite de sexta-feira (7). O pós-doutor em Engenharia e diretor científico da Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), professor Carlos Fernando Jung, fez o registro do fenômeno na cidade de Taquara, na Região Metropolitana de Porto Alegre.

Segundo o professor, o meteoro foi extinto a 24,68 km de altitude sobre o estado gaúcho. A câmera que captou o bólido – nome dado ao meteoro quando acontece a explosão – está localizada no Centro da cidade.

"No meu apartamento, tenho nove câmeras e no observatório, as demais. Também tenho câmeras instaladas em São Leopoldo e Porto Alegre", conta o professor.

Conforme Jung, o meteoro também foi registrado por duas câmeras em Monte Castelo, em Santa Catarina. Ele relata ainda que o bólido pôde ser visto por outras cidades da Grande Porto Alegre, além de Taquara. "Ele foi visto por muitas pessoas na área metropolitana. Nas redes sociais, teve várias manifestações".

O professor atua com pesquisa e desenvolvimento na área da engenharia há 39 anos e considera a área da astrofísica como um lazer. Há quatro anos, instalou a primeira câmera. Hoje, são 15 aparelhos captando os fenômenos.

"Com um sistema destes implantado aqui no RS viabiliza o monitoramento dos 360 graus da área e consequentemente maior registro. Assim, possuímos hoje um maior conhecimento daquilo que está ocorrendo na Região Sul do país e no Uruguai", explica Jung.

O pós-doutor em Engenharia conta que a previsão é de que mais cinco câmeras sejam instaladas nos próximos 30 dias. Há um projeto para que o local possa ser visitado por escolas.

"Além das pesquisas e do monitoramento, o observatório vai se destinar a estar aberto a crianças do ensino fundamental para estimular a curiosidade científica e, quem sabe, termos mais cientistas no futuro. Será aberto a toda e qualquer escola que queira levar as crianças. Tudo gratuito", afirma.

O professor explica também a diferença entre meteoroide, meteoro e meteorito.

"Quando está em órbita, é um meteoroide, quando entra na atmosfera e inicia a queima [como este que ocorreu em Taquara], é chamado de meteoro, e quando chega ao solo e pode ser tocado, se denomina meteorito".

"O que se chama de asteroide são aqueles bem maiores que podem até destruir o planeta", acrescenta.


Registro do meteoro foi feito em Taquara — Foto: Carlos Fernando Jung/arquivo pessoal

Meteoros na atmosfera


Câmera, instalada em Taquara, registrou queda de meteoro na madrugada dia 12 de abril — Foto: Carlos Fernando Jung/arquivo pessoal

"Ocorrem durante as 24h. O que é mais raro é a ocorrência de meteoros com maior magnitude", diferencia.

Em abril, foi registrada a queda de outro meteoro sobre o mar na costa do Rio Grande do Sul. O fenômeno também foi registrado por uma câmera instalada em Taquara. O bólido entrou na atmosfera a 122,2 mil km/h e começou a perder força. Ele foi extinto a 36 km de altitude, sem causar qualquer dano.

Segundo Jung, bólidos são meteoros que possuem uma magnitude igual ou superior a -4, forma de uma "bola", daí vem o nome popular de "bola de fogo", esclarece o professor. Bólidos podem ser seguidos de explosões ou explodirem no final.

Clarões no céu

Moradores de várias cidades do Rio Grande do Sul avistaram clarões na noite de quinta-feira no céu. As cenas foram gravadas em vídeos. Conforme a Brazilian Meteor Observation Network (Bramon), informações preliminares indicam que o fenômeno também se trata de um meteoro e teria ocorrido no Oeste do estado.

"Os dados ainda são preliminares e dependem do aperfeiçoamento das análises, mas pelo que já apuramos, o meteoro foi gerado por um fragmento de rocha espacial pesando entre 7 e 12 Kg, e teria surgido a cerca de 57 Km de altitude próximo à cidade argentina de 25 de Mayo. Durante 13,5 segundos, ele viajou a uma velocidade média de 13,64 Km/s (49,1 mil Km/h) até atingir a altitude de 27 Km, ao norte da cidade de Jari, no Rio Grande do Sul", relata o grupo Bramon.

O escriturário Cássio Patias Rodrigues conta que estava indo embora da casa da irmã em Tupanciretã, no Noroeste do Rio Grande do Sul, por volta das 22h30, quando olhou para o céu e avistou o fenômeno.

"Estava jantando na casa da minha irmã, então saí para fora quando ia embora, e enxerguei aquele fogo vindo, consegui pegar o celular e gravar, e chamei minha namorada para ver. Ao sumir, deu aquele estrondo, começou a tremer o chão, copos e talhares balançaram", relata Cássio.

Ele diz que nunca tinha presenciado uma cena dessas. "Foi tudo muito rápido, durou uns 13 segundos. No início, achei que era um fogo de artifício. Mas aí começou a descer muito rápido, aquele fogo vindo. Vi que moradores de várias cidades aqui da região viram também", acrescenta.



FONTE: G1.COM

Veja também:

Chamado de bólido, meteoro avistado no RS viajou a 50 mil km/h desde a Argentina

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…