Pular para o conteúdo principal

As descobertas mais recentes do Hubble



Os astrônomos que se reuniram na 231.ª reunião da Sociedade Astronômica Americana em National Harbor, Washington, D.C., tiveram a oportunidade de aprender mais sobre investigações inovadoras levadas a cabo pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA. As novas descobertas científicas com o observatório em órbita terrestre vão de regiões de formação estelar próximas, passando pelo coração da nossa própria Via Láctea e estendendo-se até ao horizonte do universo observável. Todos estes achados exploram as extraordinárias capacidades de resolução, sensibilidade e amplitude de onda do telescópio em recolher informações sobre o universo a partir do espaço.

Voo Sem Precedentes Combina Luz Visível e Infravermelha do Hubble e do Spitzer

Ao combinar as capacidades visíveis e infravermelhas dos telescópios espaciais Hubble e Spitzer, os astrônomos e especialistas em visualização do programa "Universe of Learning" da NASA criaram um espetacular voo tridimensional pela magnífica Nebulosa de Orionte, um berçário estelar próximo. Usando dados científicos reais, juntamente com técnicas utilizadas em Hollywood, uma equipe do STScI (Space Telescope Science Institute) em Baltimore, estado norte-americano de Maryland, e do Caltech/IPAC em Pasadena, Califórnia, produziu a melhor e mais detalhada visualização de sempre da Nebulosa de Orionte. O filme de dois minutos permite que os espetadores voem através da pitoresca região de formação estelar e apreciem o Universo de uma nova e excitante maneira.




Anãs Castanhas Por Todo o Lado

Num levantamento profundo e sem precedentes em busca de objetos pequenos e fracos na Nebulosa de Orion, os astrônomos usaram o Hubble para descobrir a maior população, até agora, de anãs castanhas salpicadas entre estrelas recém-nascidas. As anãs castanhas são mais massivas que os planetas, mas demasiado pequenas para produzir energia como as estrelas. As anãs castanhas fornecem pistas importantes para entender como as estrelas e os planetas se formam, e podem estar entre os objetos mais comuns na nossa Galáxia. Os astrônomos usaram o Hubble para as identificar através da presença de água nas suas atmosferas, atmosferas estas tão frias que possibilitam a formação de vapor de água. A água é uma clara assinatura de objetos subestelares. A assinatura da água não pode ser facilmente vista da Terra, devido aos efeitos absorventes do vapor de água na nossa própria atmosfera.


Esta imagem faz parte de um levantamento de estrelas de baixa massa, anãs castanhas e planetas na Nebulosa de Orion pelo Telescópio Espacial Hubble. Cada símbolo identifica um par de objetos, que podem ser vistos no centro do símbolo como um único ponto de luz. Foram usadas técnicas especiais de processamento para separar a luz estelar em pares de objetos. O círculo interior, mais espesso, representa o corpo primário, e o círculo exterior mais fino indica a companheira. Os círculos vermelhos indicam um planeta; os laranja uma anã castanha e os amarelos uma estrela. Localizado no canto superior esquerdo, um par de planetas sem estrela-mãe. No meio do lado direito está um par de anãs castanhas. A porção da Nebulosa de Orionte mede aproximadamente 4 por 3 anos-luz.
Crédito: NASA, ESA e G. Strampelli (STScI)



Arqueologia do Bojo Central da Via Láctea

Uma nova análise de aproximadamente 10.000 estrelas normais parecidas com o Sol, nas regiões centrais da Via Láctea, revela que o bojo da nossa Galáxia é um ambiente dinâmico de estrelas de várias idades que se deslocam a diferentes velocidades. Esta conclusão baseia-se em nove anos de dados de arquivo do Hubble. Este estudo do coração complexo e caótico da nossa Via Láctea poderá fornecer novas pistas sobre a evolução da nossa Galáxia e da sua fusão com galáxias satélite mais pequenas. Atualmente, só o Hubble tem resolução suficiente para medir simultaneamente, e ao longo do tempo, os movimentos de milhares de estrelas parecidas com o Sol à distância do Bojo Galáctico. O Hubble fornece uma visão estreita e detalhada do Núcleo Galáctico para revelar milhares de estrelas mais do que aquelas observadas em estudos anteriores.


Uma nova análise de aproximadamente 10.000 estrelas parecidas com o Sol no bojo da Via Láctea revela que a região central da nossa galáxia é um ambiente dinâmico composto por estrelas de várias idades que se deslocam a velocidades diferentes, como viajantes num aeroporto bastante ativo. Só o Hubble tem resolução suficiente para medir simultaneamente os movimentos de milhares de estrelas parecidas com o Sol à distância do Bojo Galáctico.
Crédito: NASA, ESA e T. Brown (STScI)



Lente de Zoom no Espaço Estica Imagem de Uma das Galáxias Mais Distantes Jamais Observadas

Uma investigação intensiva e profunda do Universo, pelos telescópios espaciais Hubble e Spitzer, forneceu a proverbial agulha-num-palheiro: a galáxia mais distante alguma vez vista numa imagem esticada e ampliada por um fenômeno chamado lente gravitacional. A galáxia embrionária, chamada SPT0615-JD, existiu quando o Universo tinha apenas 500 milhões de anos. Embora já tenham sido observadas algumas outras galáxias primitivas desta época, parecem-se essencialmente com pontos vermelhos, dado o seu pequeno tamanho e distâncias tremendas. No entanto, neste caso o campo gravitacional de um enxame galáctico massivo, no plano da frente, não só ampliou a luz da galáxia de fundo como também "manchou" a imagem num arco. Nenhum outro candidato a galáxia foi encontrado a uma distância tão grande e que ao mesmo tempo também fornece informações sobre o tamanho e massa do astro embrionário.


Esta imagem do Hubble mostra o enxame galáctico SPT-CL J0615-5746. Embebido na foto, uma estrutura em forma de arco que não só é a imagem ampliada de uma galáxia de fundo, como também uma imagem "manchada" numa forma crescente. Os astrônomos estimam que a galáxia diminutiva tem uma massa não superior a 3 bilhões de massas solares e um tamanho inferior a 2500 anos-luz.
Crédito: NASA, ESA e B. Salmon (STScI)


Buraco Negro Cintilante Apanhado pelo Hubble e pelo Chandra

Usando os telescópios espaciais Hubble e Chandra, os astrônomos encontraram um buraco negro supermassivo situado numa galáxia distante a alimentar-se de gás e a "arrotar" luz - não uma, mas duas vezes. A galáxia em estudo, conhecida como J1354, está a mais ou menos 900 milhões de anos-luz da Terra. O buraco negro supermassivo parece ter expelido jatos de luz brilhante do gás que acumula. Tal aconteceu duas vezes nos últimos 100.000 anos. Apesar dos astrônomos já terem previsto que tais objetos possam "piscar" como resultado de eventos de alimentação de gás, esta é a primeira vez que um destes atos foi apanhado convincentemente. O buraco negro está a alimentar-se de material da galáxia companheira. O material rodopia para o centro de J1354 e é então devorado pelo buraco negro supermassivo.


A galáxia J1354.
Crédito: raios-X - NASA/CXC/Universidade do Colorado/J. Comerford et al.; ótico - NASA/STScI


FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…