Pular para o conteúdo principal

Cientistas mostram que é possível fazer tijolos com poeira lunar e luz do Sol



Cientistas da Agência Especial Europeia (ESA) mostraram que é possível fazer tijolos duráveis utilizando poeira lunar simulada e luz do sol concentrada. Um método similar pode permitir que pessoas imprimam em 3D suas próprias habitações e estruturas utilizando materiais encontrados na nossa Lua.

Se um dia formos colonizar a Lua – ou qualquer outro corpo celeste –, precisaremos elaborar uma maneira fácil e barata de fabricar materiais por lá. Enviar as coisas da Terra não é algo viável, isso sem mencionar que seria ambientalmente insensível. Para ver se o satélite natural do nosso planeta já está equipado com os materiais básicos para um projeto de construção, o pessoal da General Support Technology Programme, da ESA, conduziu um estudo de prova de conceito em que um forno e uma explosão de luz foram usados para preparar alguns tijolos.

O cientistas da ESA não tinham acesso a grandes quantidades de poeira lunar real, então eles recriaram a substância finamente granulada ao moer material vulcânico terrestre, de uma forma que imitasse bem o conteúdo. Trabalhando com o Centro Aerospacial Alemão DLR, em Colônia, os pesquisadores utilizaram duas montagens – uma envolvendo a luz do sol natural e outra com lâmpadas de xénon (do mesmo tipo que são encontradas nas salas de cinema). Um conjunto de 147 espelhos curvos foram utilizados para focar a luz em um feixe de alta temperatura.

“Pegamos o material lunar e o preparamos em um forno solar”, explicou Advenit Makaya, engenheiro de materiais da ESA, num comunicado. “Isso foi feito em uma mesa de impressão 3D, para assar sucessivas camadas de 0,1 mm de poeira lunar a 1000°C. Conseguimos completar um tijolo de 20 x 10 x 3 cm em cerca de cinco horas.”

Ambas as fontes de luz foram utilizadas para fabricar tijolos com a integridade estrutural do gesso. Os tijolos agora serão submetidos a testes mecânicos detalhados para determinar exatamente o quão resistentes e duráveis são. Infelizmente, alguns dos tijolos exibiram sinais de torção ao longo da borda, o que aconteceu pelo fato do centro demorar mais tempo para esfriar.

“Estamos vendo como contornar esse efeito, talvez ao acelerar ocasionalmente a velocidade da impressão para que menor calor se acumule dentro do tijolo”, disse Makaya. “Mas por enquanto esse projeto é uma prova de conceito, mostrando que um método de construção lunar como esse é de fato viável.”


Tijolo impresso em 3D utilizando poeira lunar simulada e luz do sol concentrada. (ESA-G.Porter)

A demonstração transpirou em condições atmosféricas padrão, mas um estudo de sequência, chamado projeto RegoLight, tentará produzir os tijolos em condições que se aproximem mais das encontradas na Lua – um ambiente de vácuo com altas temperaturas.

Encontrar maneiras de construir coisas fora do nosso planeta é uma boa ideia e algo a se considerar não apenas para a Lua, mas para Marte também. Para esse fim, os pesquisadores da Universidade da Califórnia em San Diego recentemente fizeram tijolos de solo marciano simulado que são tão fortes quanto o concreto. A cada passo desse, estamos ficando mais perto de ir embora da Terra.



[ESA]

Foto do topo: base lunar sendo construída, com base no conceito de impressão 3D. (Créditos: ESA/Foster + Partners)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …