Pular para o conteúdo principal

Telescópio russo para mapear lixo espacial é inaugurado em Brazópolis


Telescópio que vai monitorar lixo espacial é inaugurado em laboratório de Brazópolis (Foto: Samantha Silva / G1)

Equipamento irá monitorar satélites velhos na órbita da Terra e gerar mapa.
Dados serão gerados do Observatório Pico dos Dias, no Sul de Minas.

O telescópio russo que vai mapear detritos espaciais foi inaugurado na tarde desta quarta-feira (5) em Brazópolis (MG). O projeto é resultado de um acordo entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a estatal russa Roscosmos para monitoramento do céu. Este é o primeiro telescópio deste tipo instalado no Brasil, que também é o primeiro país a receber o projeto da Rússia. Durante a inauguração, a comitiva que representou o governo russo anunciou que mais duas estações de monitoramento deverão ser instaladas no Brasil.

A cêrimonia aconteceu na tarde desta quarta-feira no observatório Pico dos Dias, em Brazópolis (MG), e reuniu representantes do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, com a presença do secretário Álvaro Prata, o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, o diretor executivo da Fundação de Apoio à Indústria de Itajubá (Fupai-MG), Plínio Ribeiro Leite, o diretor da Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos), Igor Komarov, e o diretor da OJC "RPC" "PSI" (Research and Production Corporation "Precision Systems and Instruments"), Yuri Roy.

O investimento no projeto do telescópio de Brazópolis foi de cerca de R$ 10 milhões feito todo pela Agência Espacial Federal Russa (Roscosmos). Parte da verba, utilizada no Brasil para construção do prédio que abriga o telescópio e logística da obra, foi gerenciada pela Fupai-MG, onde fica a sede do Laboratório Nacional de Astrofísica (LNA). Os russos forneceram o equipamento e fizeram a instalação do telescópio. A obra teve início em novembro do ano passado, e em março, as primeiras imagens de teste já foram geradas.


Telescópio que vai monitorar lixo espacial é inaugurado em laboratório de Brazópolis (Foto: Samantha Silva / G1)

De acordo com o presidente da AEB, a necessidade da Rússia instalar o telescópio no Brasil criou uma ocasião favorável para o país obter uma melhora nas pesquisas acadêmicas na área. Agora outras duas estações terrenas devem ser instaladas em território nacional.

"Aprendi que necessidade e oportunidade são dois conjuntos que geram sucesso na vida da gente", afirmou Coelho.

"A Agência Espacial Russa tem dois projetos principais na área de monitoramento com o Brasil. Um são as estações que ajudam a melhorar a precisão do sistema de posicionamento global deles (Glonass), que é similar ao GPS americano. Dessas estações, já tem quatro instaladas no Brasil, na UNB (Universidade de Brasília), no Recife (PE) e em Santa Maria (RS). E tem os planos para instalar mais duas dessas estações, que são estações que medem a altitude dos satélites através de radar e laser. E o outro é esse que está iniciando hoje que é monitoramento de detritos espaciais", explicou Bruno Castilho, diretor do LNA.

Chamado de Panoramic Electro Optical System (PanEos), o telescópio russo foi planejado para rastrear o lixo espacial. Ao determinar a órbita desses detritos com precisão, a agência russa gera um mapa de área segura para lançamento de novos satélites.


Autoridades durante inauguração de telescópio russo em Brazópolis (Foto: Samantha Silva / G1)

O acordo entre as Roscosmos e a AEB para instalação do telescópio no Brasil foi assinado no dia 7 de abril de 2016 em Brazópolis. Segundo Castilho, a Rússia já tinha um acordo desde 1997 com a Agência Espacial Brasileira para uso pacífico do espaço, na área de satélites, e como eles precisavam de um telescópio no hemisfério Sul, eles procuraram primeiro o Brasil.

O diretor da estatal russa, Roscosmos, afirmou que a poluição espacial é um problema internacional. "A importância de ter um telescópio que usa tecnologias inovadoras para detectar detritos espaciais é muito importante, e aqui no Brasil, também é muito importante que esse tipo de tecnologia está sendo introduzida com base em universidades. Isso vai possibilitar que jovens aprendam sobre o espaço, pode apoiar o desenvolvimento tecnológico e científico do Brasil", destacou Komarov.

Instalação
Logo após a assinatura do acordo em 2016, os dois países iniciaram a instalação do telescópio em Brazópolis. Empresas brasileiras ficaram com a construção do prédio que abriga o equipamento, fazendo a estrutura de concreto e a parte de alvenaria. Já as peças e equipamentos que fazem parte do telescópio vieram todos da Rússia.

Segundo o diretor do LNA, a carga chegou ao Brasil em outubro de 2016 e a montagem teve início no dia 20 de novembro. No começo deste ano, duas equipes russas se revezaram instalando a parte eletrônica, óptica e computadores do telescópio. As primeiras imagens de testes foram geradas no final de março – na imagem abaixo, é possível ver uma delas.


Autoridades durante inauguração de telescópio russo em Brazópolis (Foto: Samantha Silva / G1)

Mapeamento
O telescópio instalado no Brasil vai trabalhar junto com outro equipamento praticamente idêntico que já está instalado na Rússia, nas montanhas Altai na Sibéria, a cerca de 15 mil quilômetros de distância e a 73 graus de latitude de diferença. O observatório onde o telescópio foi instalado no Brasil fica a 1.864 metros de altitude entre os municípios de Brazópolis e Piranguçu, no Sul de Minas Gerais.

Castilho explica que os dois telescópios vão fazendo imagens em sequência de várias partes do céu, e todo pedaço de detrito que aparecer é mapeado. Com os equipamentos localizados nos dois hemisférios, é possível fazer imagens de uma área maior e completar a órbita dos detritos com mais precisão.

Segundo o diretor da OJC, o telescópio é da mais alta tecnologia russa, com equipamentos inovadores e complexos, capazes de detectar objetos entre 12 e 50cm a uma altura de 120 a 50 mil quilômetros, sendo possível localizar até 800 itens em uma noite. Além disso, como o sistema é bastante automatizado, é necessária pouca mão de obra. A lista de alvos a serem analisados é preparada na Rússia e enviada por e-mail aos operadores brasileiros, que então fazem as observações solicitadas.

Os dados ficam armazenados temporariamente no Brasil e, posteriormente, são enviados para o telescópio gêmeo, em Moscou, onde são analisados. Ao comparar as novas imagens com as antigas, já geradas pelo telescópio russo, os técnicos têm a localização exata dos destritos e também podem descobrir novos.

"Eu gostaria de ressaltar que acredito que esse equipamente vai trazer grandes possibilidades para Brasil e Rússia", completou Yuri Roy.


Imagem teste gerada pelo telescópio russo PanEos em Brazópolis; lentes permitem ver objetos no espaço de poucos centímetros (Foto: PanEos/LNA/Divulgação)

Projetos futuros
Este é o quinto telescópio instalado no Observatório Pico dos Dias, em Brazópolis, mas como explica Castilho, todos os equipamentos brasileiros têm um campo de visão pequeno. A contrapartida do acordo é que o telescópio russo vai permitir pesquisas no Brasil que ainda não eram possíveis, como localização de estrelas variáveis, novos asteroides e supernovas que aparecerem.

“Como serão feitas muitas imagens do céu, a Agência Espacial Russa só vai procurar pelos detritos espaciais, mas o LNA vai ficar com cópias dessas imagens. Qualquer astrônomo brasileiro que quiser usar essas imagens pra pesquisar em astronomia, vai poder. Então a contrapartida deles pra nós é oferecer essas imagens para pesquisas científicas."

Assim que o telescópio russo começar a funcionar, Castilho conta que será feita uma análise das primeiras imagens para verificar a qualidade delas e avaliar as possibilidades de pesquisa. “Pra gente ver a diferença da quantidade de luz que chegou da estrela e o ruído de fundo, e perceber até que estrela que dá pra observar, qual o tamanho que a estrela fica na imagem”, explica. Essas informações serão publicadas posteriormente no site do LNA e ficarão disponíveis para que os astrônomos brasileiros possam usá-las.


Telescópio que vai monitorar lixo espacial é inaugurado em laboratório de Brazópolis (Foto: Samantha Silva / G1)

Colaboração científica
Castilho ressalta ainda que o projeto reforça o acordo do Brasil na área de ciência com o BRICS (grupo político de cooperação formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), que foi assinado no fim de 2015 pelos ministros de ciência dos cinco países.

“A Rússia é um país que tem uma tradição de tecnologia e de ciência muito grande, e hoje em dia, o Brasil tem colaborações pontuais com a Rússia, alguns pesquisadores, mas poucas colaborações institucionais. A gente fazendo esse acordo, mostra que é possível, é viável e outros acordos na área científica e tecnológica podem acontecer."

Na cerimônia desta quarta-feira, estarão presentes representantes da Roscosmos, da Agência Espacial Brasileira, do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil e outras autoridades da região.


http://ufos-wilson.blogspot.com.br/2017/04/telescopio-russo-para-mapear-lixo.html

FONTE:G1.COM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…