Pular para o conteúdo principal

Conheça o arranha-céu do futuro que fica pendurado em asteroide


Ilustração de como seria Analemma, o primeiro projeto idealizado para construir um arranha-céu 'flutuante' (Analemma Tower/Divulgação)

Uma empresa americana idealizou como seria o primeiro prédio com bases instaladas a 50.000 quilômetros do solo, presas a um asteroide na órbita da Terra

Já imaginou como seria morar em um prédio flutuante? Uma construção tão alta que sua base está a 50.000 quilômetros do solo, no espaço? No futuro, isso talvez possa se tornar realidade. A empresa americana Clouds Architecture Office – a mesma que projetou essas incríveis casas de gelo para abrigar pessoas em Marte – acaba de lançar sua mais nova e ambiciosa ideia: um arranha-céu que fica pendurado em um asteroide. Batizada de Analemma, a torre teria seu andar mais alto a 32.000 metros do chão e ficaria em constante movimento – o que significa que seu endereço poderá ser em qualquer parte da Terra.

“Desde que os humanos saíram das cavernas, nossos prédios têm se tornado cada vez mais altos e leves. Nós acreditamos que, um dia, os arranha-céus vão se libertar da superfície da Terra, nos livrando de enchentes, terremotos e tsunamis”, disse Ostap Rudakevych, designer do projeto, em entrevista à CNN. “Analemma é uma ideia especulativa de como isso pode ser atingido no futuro.”

Para sustentar o prédio, cabos ultrarresistentes seriam acoplados ao asteroide. Depois, a estrutura seria colocada em órbita geossíncrona (quando sua rotação acompanha exatamente a rotação da Terra), permitindo que as pessoas tenham uma vista diferente a cada momento do dia, viajando do hemisfério norte ao sul. A cada 24 horas, a torre retornaria exatamente ao seu ponto de partida – que, ao que a empresa indica, ficaria em Dubai, uma vez que a cidade tem tradição em manter as construções mais altas do mundo.

Os cientistas por trás do projeto, no entanto, admitem que ainda não temos a tecnologia necessária para colocá-lo em prática. Seria preciso investir no desenvolvimento de cabos resistentes o suficiente para suportar a estrutura e estudar como colocar o asteroide na órbita da Terra. Contudo, algumas das ideias previstas no planejamento já estão ao nosso alcance, como utilizar materiais leves e duráveis, por exemplo, fibra de carbono e alumínio, na construção da torre. Além disso, a energia viria de painéis solares instalados no espaço que ficariam constantemente em exposição ao Sol e a água seria capturada das nuvens e da chuva, circulando em um sistema semifechado.

Quanto à dificuldade de instalar tudo isso em um asteroide em movimento, os cientistas já deram os primeiros passos que podem tornar essa possibilidade realidade no futuro. Em 2016, a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) completou com sucesso a missão Rosetta, realizando um pouso histórico da sonda no cometa 67P/ Churyumov-Gerasimenko enquanto ele seguia sua trajetória em torno do Sol. Se bem sucedida, a instalação do prédio Analemma no asteroide, como idealizaram os cientistas, poderia fazer com que a torre se movimentasse a uma velocidade de 482,8 quilômetros por hora.

De volta à terra firme

Como o arranha-céu estaria flutuando em relação ao solo, os idealizadores do projeto sugerem que drones poderiam ser usados para transportar as pessoas da torre à terra firme. Além disso, o prédio também teria elevadores para levar os habitantes a diferentes andares. O projeto da estrutura contém diversas áreas, como, por exemplo, uma parte residencial, escritórios comerciais, um jardim, um shopping e uma área de lazer.

Confira o vídeo divulgado pela Clouds Architecture Office sobre Analemma (em inglês):



FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…