Pular para o conteúdo principal

Cientistas nazistas tentaram recriar espécies extintas de animais


FOTO: WIKIPEDIA/SIGISMUND VON HERBERSTEIN)

Os irmãos Lutz e Heinz Heck tentaram reviver bichos como o auroque, bovino extinto no século 17

Você provavelmente já conhece as histórias assombrosas de como os cientistas nazistas faziam experiências extremamente cruéis com seus prisioneiros de guerra. De operações que retiravam parte do cérebro a injeções de tinta nos olhos, os relatos são muitos. Mas você já ouviu falar sobre os estudiosos que tentaram reviver a "verdadeira fauna ariana"?

Tudo começou com dois irmãos alemães: Lutz e Heinz Heck. Ambos cresceram em um ambiente voltado à criação de animais, o que despertou neles interesse pela zoologia. Junto a essa familiaridade natural, uma moda crescia no mundo e na Alemanha.

A criação de espécies novas tornava-se uma ambição para zoologistas da época ao mesmo tempo que espécies antigas começavam a entrar em extinção. Na nação alemã, as teorias a favor da "pureza" das espécies e dos ecossistemas alemães cresciam cada vez mais.

Foi nesse contexto que os dois começaram a interessar-se por recriar uma espécie de bovino já extinto dos pastos germânicos, o auroque. O animal, que chegava a quase dois metros de altura e três de comprimento, acabou desaparecendo em 1627 devido à caça excessiva e à competição com gados domésticos. Os irmãos acreditavam que conseguiriam realizar o feito através do cruzamento intenso entre bois com a mesma coloração, comportamento e formato de chifre dos auroques.

Para eles, já que os bois atuais descendiam dos antigos bovinos, a escolha certa de indíviduos faria ressurgir novamente os auroques. A descoberta da dupla hélice dos DNAs ainda não havia acontecido e tudo o que os Heinz conheciam sobre a espécie era fruto de descobertas arqueológicas.

Criadores e criaturas
Após viajarem pelo continente buscando os bois apropriados para a produção dos auroques, eles acreditaram ter revivido a espécie em 1930. No futuro, os animais criados seriam conhecidos como "gado Heck" e possuiriam personalidades agressivas, longos chifres e uma capacidade notável de sobreviver sem o auxílio humano. Os rebanhos espalharam-se pelo país.

A guerra, porém, acabaria por levar embora mais uma vez a criação dos dois irmãos. Com o tempo, os dois separaram-se. Heinz acabou sendo um dos primeiros presos pela polícia política do partido nazista, em 1930, causado por um breve casamento com uma judia. Mesmo sendo liberado depois, o irmão nunca envolveu-se com as políticas nazistas.

Já Lutz entrou para o partido e ficou amigo de Hermann Goering, um dos braços direitos de Hitler. Ele continuou a experimentar e recriar espécies como os cavalos selvagens tarpãs e os bisontes-europeus. Os resultados eram soltos pelos campos e serviam como fonte de recreação para Goering, que gostava de caçá-los, imaginando estar em um ambiente genuínamente ariano.

Em 1941, Lutz foi encaminhado para o zoológico de Varsóvia, na Polônia, para selecionar os animais que permaneceriam na coleção, que era, a partir daquele momento, de propriedade nazista. Várias espécies, consideradas menos "valiosas", serviram de caça para os generais.

Com o fim da guerra, porém, a maioria dos animais recriados pelos Heinz foram dizimados pelos aliados. Alguns dos bois Heck sobreviveram, mas foram poucos, afirmam pesquisadores. Seus descendentes podem ser vistos hoje em alguns zoológicos. O mesmo ocorre com os cavalos terpã. A história dos "ressucitadores" nazistas é exemplo até hoje de como recriar o que a natureza já extinguiu requer o mínimo de consciência ambiental.

(Com informações de Smithsonian.com)

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…