Pular para o conteúdo principal

"Roçando" uma atmosfera alienígena


Ilustração da sonda TGO, pertencente à missão ExoMars 2016, em Marte.

Após a chegada da mais recente sonda marciana da ESA, os controladores da missão estão agora a preparar-se para o desafio final: mergulhar na atmosfera do Planeta Vermelho para alcançar a sua órbita final.

O orbitador ExoMars TGO (Trace Gas Orbiter) está numa missão de vários anos para compreender as pequenas quantidades de metano e outros gases na atmosfera de Marte que podem ser evidências de atividade biológica ou geológica.

Após a sua longa viagem, a nave disparou o seu motor principal no dia 19 de outubro para travar o suficiente e assim ser capturada pela gravidade do planeta.

Entrou numa órbita altamente elíptica onde a sua altitude varia entre cerca de 250 km e 98.000 km, cada órbita tendo uma duração aproximada de quatro dias terrestres.

No entanto, em última análise os objetivos científicos e o seu papel como retransmissor de dados para rovers à superfície significa que a nave necessita colocar-se numa órbita quase circular a apenas 400 km de altitude, cada órbita levando cerca de duas horas.

Aerotravagem: o desafio final

Os controladores da missão vão usar a manobra de "aerotravagem" para conseguir alcançar esta órbita, comandando a nave para "raspar" a parte superior da atmosfera, para que a fraca fricção a puxe gentilmente para baixo.

"A quantidade de arrasto atmosférico é muito pequena," afirma Peter Schmitz, gestor de operações da nave, "mas depois de cerca de 13 meses será suficiente para atingir a altitude planeada de 400 km, enquanto disparamos o motor apenas algumas vezes, poupando combustível."

Durante a aerotravagem, a equipa no controlo da missão em Darmstadt, Alemanha, deve monitorizar cuidadosamente a sonda durante cada órbita para se assegurar que não é exposta a demasiado aquecimento ou pressão por fricção.

Espera-se que o arrasto varie de órbita para órbita devido à mudança atmosférica, a tempestades de poeira e à atividade solar. Isto significa que as equipas de dinâmica de voo da ESA terão de medir a órbita repetidamente para garantir que não cai demais, demasiado depressa.

A campanha de aerotravagem tem início programado para o dia 15 de março, quando Marte estiver a pouco mais de 300 milhões de quilómetros da Terra, e continuará até ao início de 2018.

Intensificando para o início da campanha

Os controladores da missão estão agora a trabalhar intensivamente para preparar o orbitador, o plano de voo e os sistemas terrestres para a campanha.

Primeiro, no dia 19 de janeiro, vão ajustar o ângulo da órbita, em relação ao equador de Marte, para 74º, para que as observações científicas possam cobrir a maior parte do planeta.

De seguida, para entrar numa órbita de onde começar a aerotravagem, o ponto mais alto será reduzido nos dias 3 e 9 de fevereiro, deixando a sonda numa órbita de 200 x 33.475 km que completa a cada 24 horas.

Os controladores da missão na ESA têm já alguma experiência com a aerotravagem da sonda Venus Express, apesar de ter sido feita no final dessa missão apenas como demonstração. A NASA também já usou a aerotravagem para colocar a MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) e outras naves em órbitas baixas em torno de Marte.

"Esta será a primeira vez que vamos usar a aerotravagem para alcançar uma órbita operacional, de modo que estamos a aproveitar o tempo disponível para garantir que os nossos planos são robustos e que suportam quaisquer contingências," comenta o diretor de voo, Michel Denis.

Começando a abrandar

"Só então é que a atmosfera pode começar o seu trabalho, puxando-nos para baixo," realça Peter Schmitz. "Se tudo correr como planeado, será necessário muito pouco combustível até ao final da aerotravagem no início de 2018, quando os disparos finais circularizarem a órbita de 400 km."

Ainda não foi estabelecida nenhuma data, mas as observações científicas podem começar assim que a órbita final seja atingida. Além disso, o percurso fornecerá dois a três sobrevoos por cada rover, todos os dias, para a retransmissão de sinais.

Sonda saudável

No geral, a TGO está de excelente saúde. No dia 30 de novembro, recebeu uma atualização do sistema operativo. Até à data, apenas entrou em "modo de segurança" uma vez, quando uma falha fez com que a sonda se reinicializasse e aguardasse por comandos de correção. Isto teve lugar durante os testes preliminares do motor principal, quando uma configuração defeituosa foi rapidamente identificada e corrigida.

"Estamos muito satisfeitos por estar a manobrar uma nave tão incrível," comenta Michel. "Temos uma missão emocionante e desafiante pela frente."

FONTE: http://www.ccvalg.pt/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…