Pular para o conteúdo principal

Satélite PLATO buscará “outras Terras” em sistemas solares gêmeos do nosso


Previsto para ser lançado em 2026, satélite PLATO irá identificar planetas com características semelhantes à Terra por meio de seu trânsito pelas estrelas que orbitam – Foto: Divulgação / ESA

Estão prontos os primeiros detectores luminosos dos telescópios que serão colocado em órbita para buscar planetas semelhantes à Terra

Por Júlio Bernardes - Editorias: Ciências Exatas e da Terra

A busca por planetas semelhantes à Terra que podem ser habitáveis acaba de registrar um importante avanço. A Agência Espacial Europeia (ESA) anunciou que recebeu os primeiros detectores de luz para os telescópios do satélite que irá rastrear sistemas solares “gêmeos” do nosso Sistema Solar. Conhecido como PLATO, sigla em inglês para Planetary Transits and Oscillation of stars (transito planetário e oscilação das estrelas), o satélite deverá ser lançado em 2026. O projeto, coordenado pela ESA, tem a contribuição de cientistas e engenheiros de dez instituições de ensino e pesquisa brasileiras, entre elas a USP.

O professor Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG), que coordena a participação brasileira no projeto, explica que o satélite irá identificar planetas por meio de seu trânsito pelas estrelas que orbitam. “Quando o planeta passa em frente da estrela, ele projeta uma sombra, fazendo um eclipse”, diz. “Como os planetas rochosos, semelhantes à Terra e que se encontram dentro da zona habitável, são extremamente pequenos em relação às estrelas, é preciso ter uma precisão muito grande para detectá-los.”

De acordo com Janot Pacheco, o PLATO terá um conjunto de 26 telescópios, e cada um receberá quatro unidades de detectores de luz, conhecidos como Charge Coupled Devices (CCDs). “Esses dispositivos são utilizados em câmeras digitais e estarão presentes no satélite numa versão mais avançada”, conta, “capaz de detectar com altíssima precisão qualquer mudança no brilho das estrelas causado por um ou mais planetas se movendo à sua frente”.


Modelo do satélite PLATO, equipado com um conjunto de 26 telescópios, que será colocado em órbita acima da atmosfera – Foto: Divulgação / ESA

Altíssima resolução

A ESA recebeu os primeiros 20 CCDs, produzidos no Reino Unido, para testar se estão dentro das especificações exigidas para o PLATO, e o conjunto completo deverá ser entregue até o final de 2020. Cada CCD possui resolução de imagem de 20 megapixels, similar ao de câmeras digitais de tamanho médio, capazes de fazer medições do brilho das estrelas a cada 2,5 segundos. Somados todos os conjuntos de CCDs instalados nos telescópios, o satélite terá uma área total de detecção de 2.12 gigapixels.

“Todo o sistema foi desenvolvido para assegurar a descoberta de planetas similares à Terra na zona habitável, ou seja, que possuam água líquida na superfície”, destaca o professor. Por meio dos dados obtidos pelo PLATO, também serão estudadas as propriedades das estrelas que os planetas orbitam, além da realização de cálculos de massa, tamanho e idades planetárias. “Como o satélite estará posicionado acima da atmosfera terrestre, não haverá instabilidades que prejudiquem a qualidade das investigações.” O lançamento do PLATO está previsto para o ano de 2026.


Um dos detectores de luz que será instalado no satélite PLATO; cada um dos 26 telescópios instalados no satélite terá quatro detectores, que farão medições do brilho das estrelas a cada 2,5 segundos – Foto: Divulgação / ESA

Além do IAG, também participam do projeto a Escola Politécnica (Poli) da USP, a Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Presbiteriana Mackenzie, Instituto Mauá de Tecnologia, Observatório Nacional, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). “O Brasil está contribuindo com software, hardware e ciência num projeto espacial científico internacional”, destaca o professor. “O sistema de controle de altitude atitude do satélite, por exemplo, foi desenvolvido na Poli e o Instituto Mauá de Tecnologia está reproduzindo uma parte da eletrônica das medidas fotométricas.”

Mais informações: e-mail eduardo.janot@iag.usp.br, com o professor Eduardo Janot Pacheco

FONTE: jornal.usp.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…