Pular para o conteúdo principal

Cientistas identificam colisão de estrelas de nêutrons que pode ter criado o plutônio de nosso sistema solar


Representação artística de uma colisão entre estrelas de nêutrons. Ilustração: ESA

Por Ryan F. Mandelbaum

Em 2017, observatórios em todo o mundo detectaram uma colisão de alta energia entre um par de objetos densos, cada um deles ligeiramente mais massivo que o Sol, mas com o tamanho de apenas uma cidade. Uma colisão semelhante, mais próxima da Terra, poderia ter sido responsável pela produção de alguns dos elementos mais pesados ​​em nosso próprio sistema solar — e os cientistas acham que sabem quando isso aconteceu.

Os cientistas agora acham que essas fusões binárias de estrelas de nêutrons são uma fonte importante de elementos mais pesados ​​que o ferro no universo. Esses elementos são raros, mas também são alguns dos mais importantes para nós, seres humanos. Usando medições do que resta desses elementos em meteoritos antigos, um par de pesquisadores trabalhou para voltar no tempo e localizar a fusão de estrelas de nêutrons que produziu algumas delas.

“Descobrimos essa fusão de estrelas binárias há dois anos e ela estava próxima da Via Láctea — muito mais próxima do que prevíamos”, disse ao Gizmodo Imre Bartos, principal autor do estudo e professor assistente da Universidade da Flórida. “Perguntamos se algo ainda mais próximo (…) poderia ter um impacto significativo no aspecto atual do sistema solar.”

Elementos mais pesados ​​que o ferro se formam em parte graças ao “processo r”, em que um evento de alta energia faz com que núcleos atômicos de sementes suguem rapidamente muitos nêutrons. Quando o evento desacelera, alguns desses nêutrons decaem radioativamente em prótons. Explosões estelares chamadas de supernovas e fusões de estrelas de nêutrons foram ambas consideradas fontes potenciais dos elementos do processo r.

Primeiro, os pesquisadores se propuseram a ver se fusões de estrelas de nêutrons ou supernovas produziam os elementos em que estavam interessados, principalmente cúrio e plutônio. Supernovas, eventos em que estrelas explodem, acontecem com relativa frequência, enquanto estrelas de nêutrons só se fundem talvez algumas vezes a cada milhão de anos em nossa galáxia, de acordo com o artigo publicado na Nature.

Isso significa que, se você olhar para trás no tempo, a abundância desses elementos deve aumentar se eles forem produzidos por estrelas de nêutrons, ou permanecer relativamente constante se forem produzidas por supernovas.

Plutônio e cúrio são radioativos e decaem em elementos mais estáveis. Quando os primeiros meteoritos se formaram, capturaram alguns desses elementos, que depois se decompuseram em elementos mais estáveis. As abundâncias relativas dos produtos de decaimento nestes meteoritos permitem aos cientistas recuar na linah do tempo e determinar a idade aproximada em que os elementos iniciais se formaram.

Quando Bartos e o professor Szalbocs Marka, da Universidade Columbia, realizaram cálculos sobre dados que já haviam sido coletados desses meteoritos, eles descobriram que a abundância desses elementos teve um aumento repentino cerca de 80 milhões de anos antes que o sistema solar se formasse, quando ele era apenas uma nuvem de gás e poeira.

A conclusão é que um único evento, provavelmente uma fusão de estrelas de nêutrons a mil anos-luz de distância, produziu a maior parte do cúrio e talvez um terço do plutônio do sistema solar. Isso equivale a apenas uma fração de um por cento da quantidade total de elementos do processo r no sistema solar, mas “houve muitas fusões de estrelas de nêutrons na história da Via Láctea”, disse Bartos.

É uma pesquisa bastante interessante. “[Esses elementos] são uma pequena fração de 1% do universo, mas são muito úteis para nós de muitas maneiras”, disse David Helfand, astrônomo e professor da Universidade Columbia, ao Gizmodo. “Só de saber de onde eles vieram nos ajuda a nos sentir mais à vontade no universo.”

É importante notar que esses resultados são baseados na modelagem de medidas indiretas, e nosso conhecimento sobre as colisões de estrelas de nêutrons e o processo r vem de apenas uma observação experimental.

Embora improvável, talvez outro tipo de evento de alta energia ainda mais caótico tenha produzido esses elementos. Bartos disse ao Gizmodo que o próximo passo é medir mais elementos com abundância desconhecida, criar melhores simulações e, é claro, observar mais colisões de estrelas de nêutrons.

Felizmente, os observatórios de ondas gravitacionais LIGO e Virgo foram atualizados e já começaram a detectar sinais de colisão de buracos negros e talvez até de algumas estrelas de nêutrons.

Bartos estava animado sobre como esses resultados combinam tantos campos diferentes, da geociência à astrofísica e à química. “Ao conectar esse campo neste trabalho específico, esperamos começar um esforço maior para usar essas informações em uníssono.”

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…