Pular para o conteúdo principal

Blue Moon: Jeff Bezos revela novos detalhes sobre viagem à Lua da Blue Origin



Por Patrícia Gnipper

Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, realizou um evento nesta quinta (9) na Casa Branca dos Estados Unidos para anunciar novos detalhes sobre a Blue Moon, nave de sua empresa espacial que poderá chegar à Lua até o ano de 2024.

A nave em questão é um módulo de pouso capaz de pousar na superfície lunar e acessar seus recursos preciosos. Para Bezos, chegar à Lua não tem apenas valor exploratório e científico, mas, principalmente, tem valor relacionado à prosperidade da espécie humana. Ao se questionar "onde viveriam um trilhão de humanos?", pensando em um ponto em que a Terra terá essa quantidade de pessoas, ele entende que a única maneira de assegurar a sobrevivência da humanidade, bem como sua evolução, é chegar presencialmente a outros mundos.

Contudo, o impedimento real para essa ideia ainda um tanto quanto utópica se resume, na visão de Bezos, à falta de logística e infraestrutura para reduzir os custos de uma jornada espacial do tipo. "O trabalho da minha geração é construir essa infraestrutura. Vamos construir o caminho para o espaço", declarou.


Conceito de como seria possível acoplar um módulo secundário para permitir a ida de astronautas à Lua com a Blue Moon (Imagem: Blue Origin)

Entendendo o contexto da atual exploração lunar

A NASA foi pressionada pelo governo dos EUA e precisou antecipar seus planos de retornar presencialmente à Lua de 2028 para 2024. E os polos lunares norte e sul são alvos de grande interesse, por sinal: a NASA estima que exista pelo menos meio trilhão de quilos de gelo nos polos da Lua, de acordo com dados coletados por missões que já estudaram essas regiões do satélite natural anteriormente — como foi o caso da Chandrayaan-1, da agência espacial indiana.

O gelo polar fica bloqueado em crateras, sendo incapaz de evaporar, já que ali as temperaturas nunca sobem o suficiente para tal. E a NASA espera usar esse gelo para produzir combustível para foguetes e naves que, no futuro, partirão da Lua rumo a outros mundos — e Marte será a nossa primeira parada, provavelmente no final da década de 2030.


Conceito da Blue Moon (Imagem: Blue Origin)

Só que esse retorno triunfal à Lua, desta vez "para ficar" (nas palavras de Mike Pence, vice-presidente dos EUA), será um empreendimento caríssimo — e o orçamento para tal ainda não foi revelado. Por isso, a NASA está contando com parceiros da indústria privada para que desenvolvam naves capazes de fazer esse traslado entre a órbita e a superfície da Lua, e vice-versa. A NASA, por sua vez, está desenvolvendo o foguete Space Launch System e a nave tripulável Orion, mas, para cumprir o prazo de 2024, precisará das empresas privadas no desenvolvimento das demais soluções que fazem parte desta empreitada espacial. E aí entram empresas como a Blue Origin na jogada.

Blue Origin e Blue Moon



No evento de hoje (9), Bezos revelou um pouco mais sobre o módulo lunar Blue Moon. A nave está sendo projetada para transportar robôs e outras cargas grandes para a superfície lunar, mas também é capaz de levar astronautas se for preciso. Para modificar a nave neste caso de um voo tripulado, a empresa só precisaria desenvolver um veículo secundário de subida, pressurizado e acoplável ao módulo principal. Mas, antes de pensar em levar pessoas à Lua, a Blue Origin vai primeiro testar o módulo lunar em uma missão inicial a ser lançada para o satélite natural nos próximos anos.

Vale ressaltar que a NASA ainda não escolheu qual empresa desenvolverá o módulo de pouso a ser usado na missão lunar de 2024, então o Blue Moon pode, sim, ser um bom candidato. Outra empresa que está nessa jogada é a Lockheed Martin, que já revelou projetos de um módulo lunar próprio a ser apresentado à NASA.

A Blue Moon será alimentada por hidrogênio líquido, possuindo um sistema de bordo capaz de navegar no espaço, e também utilizando internet para se comunicar com a Terra. Ainda, microssatélites poderão ser amarrados ao topo da nave e levados à órbita lunar, com a Blue Moon também sendo capaz de levar um rover exploratório à superfície da Lua.


Foguete BE-7 será responsável por impolsionar a Blue Origin, empresa comandada por Jeff Bezos, da Amazon — Foto: Clodagh Kilcoyne/Reuters

A nave conta com um sistema de transporte interno capaz de mapear o terreno lunar com o objetivo de escolher o local de pouso ideal. Bezos explica que o sistema usa mapas existentes da superfície lunar para determinar exatamente onde navegar em relação aos pontos de referência que já nos são conhecidos, graças a missões lunares do passado. O veículo conta com um trem de pouso capaz de pousar em inclinações de até 15 graus, sendo capaz de transportar de 3,6 a 6,5 toneladas de carga (incluindo humanos e um rover).



https://www.blueorigin.com/blue-moon

FONTE: Blue Origin, TechCrunch (1) e (2), Space.com via canaltech.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…