Pular para o conteúdo principal

Verão em Urano tem deixado polo norte do planeta com um aspecto esquisito



Por George Dvorsky

A aparência de uma imensa capa branca em Urano pode parecer alarmante, mas, como cientistas planetários estão descobrindo, isto é o que acontece quando rola um verão prolongado no gigante de gelo.

Gigantes de gelo, como Urano e Netuno, têm interiores ricos em água revestidos por hidrogênio, hélio e um pouco de metano — este último, inclusive, dá a estes planetas distantes este tom azulado. Ao contrário da Terra, em que as estações duram apenas alguns meses, Netuno e Urano passaram por fenômenos atmosféricos estranhos e intensos nas últimas décadas.

Novas imagens liberadas pelo programa OPAL (Outer Planet Atmospheres Legacy) destacam uma evolução de eventos atmosféricos nos dois gigantes de gelos, ou seja, uma capa branca no pólo norte de Urano e um novo vórtex escuro em Netuno. Um projeto paralelo de longo prazo do programa Hubble, o OPAL é uma iniciativa anual para mapear estes dois planetas gigantes quando a órbita deles se aproximar da Terra. Os novos dados, capturados durante o outono de 2018 no hemisfério norte (entre março e junho), estão fornecendo novos insights sobre a variação das estações tanto em Netuno como Urano.

“As observações anuais estão nos ajudando a entender a frequência das tempestades, assim como o tempo de duração delas”, diz ao Gizmodo Amy Simon, cientista do Goddard Space Flight Center, da NASA, responsável pela missão OPAL. “Isto é importante, porque estes planetas estão muito distantes do Sol, então isso ajudará a restringir a maneira como eles estão se formando, a temperatura interna e a estrutura deles. A maioria dos planetas extrasolares que foram encontrados é deste tamanho, apesar de isso acontecer em diferentes distâncias de suas estrelas-mãe.”

Esta imensa capa de gelo no pólo norte de Urano é particularmente dramática. A provável causa disso tem relação com a inclinação única do planeta, que faz com que a luz do Sol brilhe diretamente nas regiões do pólo norte por um longo período de tempo durante o verão. Na época, o pólo norte de Urano estava durante o meio do verão, resultando em uma capa prolongada branca.


Capa branca sobre o polo norte de Urano cresceu substancialmente nos últimos 10 anos. Crédito: NASA, ESA, A. Simon (NASA Goddard Space Flight Center), e M.H. Wong e A. Hsu (Universidade da Califórnia em Berkeley)

“A imagem de novembro de 2018 de Urano ocorre 10 anos após o equinócio, quando o hemisfério norte estava emergindo da luz solar da primavera após passar décadas em um inverno polar”, diz Leigh Fletcher, um astrônomo da Universidade de Leicester, ao Gizmodo. “Em 2009, não aparecia esta capa branca durante a primavera no pólo. Mas, com a progressão do tempo, uma faixa reflexiva — esbranquiçada contra os tons azuis de Urano — começou a aparecer ao redor do pólo norte. E agora, após pouco mais de 10 anos, aquela faixa se tornou uma grossa camada branca de aerossóis que esconde a vista da região polar mais profunda.”

Fletcher também comentou que este é um “exemplo espetacular de mudança de estação” neste gigante de gelo, com a capa evoluindo quando a primavera se torna verão. As causas exatas dessas mudanças de aerossol, segundo ele, permanecem um mistério, com possibilidades incluindo o aquecimento de temperaturas químicas incomuns, algum padrão de circulação atmosférica em grande escola ou uma combinação de todos estes.

“Felizmente, não estamos tão longe de ter uma resposta, já que o telescópio espacial James Webb será capaz de diagnosticar as temperaturas e a química responsáveis por essas mudanças de refletividade que o Hubble vem monitorando”, acrescenta Fletcher.

Patrick Irwin, cientista especializado em planetas da Universidade de Oxford, comenta que o fenômeno não é uma tempestade, como a NASA descreveu em seu comunicado. Em vez disso, “é causado principalmente — pelo menos em nossos modelos — pela redução de metano acima da plataforma principal, acompanhada por um ligeiro aumento na opacidade da neblina”, afirmou em conversa com o Gizmodo.

Simon achou que a característica polar expandida de Urano era legal, mas “mais interessante para mim é aquela tempestade brilhante logo abaixo dela”, diz ele. “Aquela tempestade em particular era visível em pequenos telescópios antes dessas observações, que mostram a rapidez com que elas podem mudar.”

Vórtex escuro em Netuno


Netuno com vórtex escuro na no pólo norte. Crédito: ASA, ESA, A. Simon (NASA Goddard Space Flight Center), e M.H. Wong e A. Hsu (University of California, Berkeley

Olhando para a nova imagem de Netuno, parece que um vórtice escuro mais uma vez ocupou o pólo norte do planeta. A nova tempestade anticiclônica, vista no topo da foto acima, tem cerca de 11.000 quilômetros de diâmetro.

Este é, agora, o quarto vórtice escuro registrado pelo Hubble desde 1993. Duas dessas tempestades foram observadas pela sonda Voyager 2 durante o sobrevôo do sistema em 1989. Em conjunto, essas observações afirmam que a natureza transitória e recorrente dessas tempestades. Um vórtice polar observado em 2016, por exemplo, desapareceu em grande parte.

“A mancha escura de Netuno é muito maior do que a que vimos há alguns anos, e é comprável em tamanho à Grande Mancha Escura vista pela Voyager em 1989”, diz Simon. “Esta também é a primeira vez que pudemos ver a região antes que uma tempestade desse tamanho se formasse, de modo que isso nos ajudará a modelar o processo de formação.”

As causas dessas manchas escuras são um mistério, mas como elas são vistas apenas nos comprimentos de onda azuis, “aposto que têm relação com a coloração das nuvens”, afirma Irwin.

Muitas vezes ofuscados por seus primos maiores, Júpiter e Saturno, esses gigantes de gelo estão provando que são fascinantes por si mesmos. Agora aguardamos as observações do OPAL do próximo ano para checar as novas descobertas da missão.

[NASA]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …