Pular para o conteúdo principal

Terra desvia mais asteroides hoje do que na época dos dinossauros


REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA DE ASTEROIDE (FOTO: NASA/JPL-CALTECH/WIKIMEDIA COMMONS)

Formação de crateras nos últimos 290 milhões de anos foi três vezes maior do que nos 700 milhões de anos anteriores

Um novo estudo aponta que a atmosfera da Terra praticamente triplicou o desvio de impactos de asteroides nos últimos 290 milhões de anos. Para chegar ao resultado, pesquisadores analisaram crateras na superfície terrestre e da Lua.

Antigamente, cientistas tentavam estimar a taxa de impacto de asteroides com a datação de rochas de grandes crateras por todo o planeta. Contudo, era difícil encontrar buracos com mais de 300 milhões de anos, visto que a erosão e as placas tectônicas acabam mudando a geologia.

Para a nova pesquisa, especialistas focaram na Lua. Segundo eles, o satélite natural enfrenta a mesma proporção de asteroides do que a Terra. E como a superfície lunar não está sujeita a forças como das placas tectônicas, acredita-se que suas crateras antigas permaneçam visíveis.

No artigo, publicada na revista Science, foram examinadas 111 crateras grandes (com diâmetro maior que 10 quilômetros) e que tinham menos de um bilhão de anos. Para estimar as idades, os cientistas usaram imagens infravermelhas feitas pelo Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA.


MAPA DAS CRATERAS LUNARES COM MAIS DE 10 KM DE DIÂMETRO E COM MENOS DE 1 BILHÃO DE ANOS (FOTO: DR. A PARKER/SOUTHWEST RESEARCH INSTITUTE)

As fotos mostram como o calor irradia da superfície lunar. A partir disso, os pesquisadores observaram que as rochas maiores (causadas por asteroides) absorveram mais radiação durante o dia e tenderam a liberar mais calor do que o próprio solo da Lua. Eles concluíram que as crateras cercadas por grandes e quentes rochas provavelmente resultaram de impactos de asteroides mais recentes.

Com isso, a análise concluiu que a Lua possui mais crateras que se formaram há 290 milhões de anos do que as que se formaram nos 700 milhões de anos anteriores. Ou seja, há cerca de 300 milhões de anos, a taxa de asteroides atingindo a Terra parece ter triplicado – sendo maior que no período dos dinossauros, mortos por um grande asteroide há 233 bilhões de anos.

"Isso significa que a Terra tem menos crateras antigas em suas regiões mais estáveis, não por causa da erosão, mas porque a taxa de impacto foi menor do que há 290 milhões de anos", afirmou William Bottke, especialista em asteroides do Southwest Research Institute, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores acreditam que isso pode ser resultado do impacto de dois asteroides no cinturão entre Marte e Júpiter naquela época. Se duas pedras grandes se colidissem com rapidez, isso poderia levar a uma série de colisões que duraria centenas de milhões de anos.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…