Pular para o conteúdo principal

Terra desvia mais asteroides hoje do que na época dos dinossauros


REPRESENTAÇÃO ARTÍSTICA DE ASTEROIDE (FOTO: NASA/JPL-CALTECH/WIKIMEDIA COMMONS)

Formação de crateras nos últimos 290 milhões de anos foi três vezes maior do que nos 700 milhões de anos anteriores

Um novo estudo aponta que a atmosfera da Terra praticamente triplicou o desvio de impactos de asteroides nos últimos 290 milhões de anos. Para chegar ao resultado, pesquisadores analisaram crateras na superfície terrestre e da Lua.

Antigamente, cientistas tentavam estimar a taxa de impacto de asteroides com a datação de rochas de grandes crateras por todo o planeta. Contudo, era difícil encontrar buracos com mais de 300 milhões de anos, visto que a erosão e as placas tectônicas acabam mudando a geologia.

Para a nova pesquisa, especialistas focaram na Lua. Segundo eles, o satélite natural enfrenta a mesma proporção de asteroides do que a Terra. E como a superfície lunar não está sujeita a forças como das placas tectônicas, acredita-se que suas crateras antigas permaneçam visíveis.

No artigo, publicada na revista Science, foram examinadas 111 crateras grandes (com diâmetro maior que 10 quilômetros) e que tinham menos de um bilhão de anos. Para estimar as idades, os cientistas usaram imagens infravermelhas feitas pelo Reconnaissance Orbiter (LRO) da NASA.


MAPA DAS CRATERAS LUNARES COM MAIS DE 10 KM DE DIÂMETRO E COM MENOS DE 1 BILHÃO DE ANOS (FOTO: DR. A PARKER/SOUTHWEST RESEARCH INSTITUTE)

As fotos mostram como o calor irradia da superfície lunar. A partir disso, os pesquisadores observaram que as rochas maiores (causadas por asteroides) absorveram mais radiação durante o dia e tenderam a liberar mais calor do que o próprio solo da Lua. Eles concluíram que as crateras cercadas por grandes e quentes rochas provavelmente resultaram de impactos de asteroides mais recentes.

Com isso, a análise concluiu que a Lua possui mais crateras que se formaram há 290 milhões de anos do que as que se formaram nos 700 milhões de anos anteriores. Ou seja, há cerca de 300 milhões de anos, a taxa de asteroides atingindo a Terra parece ter triplicado – sendo maior que no período dos dinossauros, mortos por um grande asteroide há 233 bilhões de anos.

"Isso significa que a Terra tem menos crateras antigas em suas regiões mais estáveis, não por causa da erosão, mas porque a taxa de impacto foi menor do que há 290 milhões de anos", afirmou William Bottke, especialista em asteroides do Southwest Research Institute, nos Estados Unidos.

Os pesquisadores acreditam que isso pode ser resultado do impacto de dois asteroides no cinturão entre Marte e Júpiter naquela época. Se duas pedras grandes se colidissem com rapidez, isso poderia levar a uma série de colisões que duraria centenas de milhões de anos.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…