Pular para o conteúdo principal

Novo satélite a laser da NASA acompanhará o derretimento das geleiras


PROJEÇÃO ARTÍSTICA DO ICESAT2, DA NASA. (FOTO: NASA)

Com custo de US$ 1 bilhão e tamanho de um carro popular, equipamento passará três anos observando mudanças na superfície da Terra com precisão de meio centímetro

Os Estados Unidos enviarão um satélite a laser para o espaço, mas o objetivo em nada tem com uma arma futurista. Chamado Satélite de Elevação de Terra, Nuvem e Gelo-2 (ICESat-2), ele passará três anos estudando as geleiras do planeta de cima.

Com lançamento previsto para meados de setembro, o satélite será capaz de medir a espessura variável de manchas individuais de gelo de estação para estação, registrando aumentos e diminuições com precisão de meio centímetro.

"As áreas sobre as quais estamos falando são vastas - pense no tamanho dos EUA continentais ou maiores - e as mudanças que estão ocorrendo sobre elas podem ser muito pequenas", disse Tom Wagner, cientista da NASA que estuda o gelo do mundo em coletiva de imprensa.

"Eles se beneficiam de um instrumento que pode fazer medições repetidas de maneira muito precisa em uma grande área, e é por isso que os satélites são uma maneira ideal de estudá-los”, completou. Com o custo de 1 bilhão de dólares e o tamanho de um carro Smart, seus dados também devem ajudar os cientistas que estudam as florestas ao redor do planeta.



A NASA tem acompanhado as mudanças na cobertura de gelo há décadas, observando as encolherem e crescerem em duas dimensões à medida que o planeta se aquece. No entanto, as câmeras espaciais pegam imagens em 2D. Com o uso do laser, é possível captar a profundidade e altura das geleiras.

O ICESat-2 orbitará cerca de 300 km acima da superfície da Terra, carregando um instrumento chamado ATLAS (Advanced Topographic Laser Altimeter System), que emitirá constantemente um raio laser de luz verde, que será dividido em seis feixes separados à medida que sair do satélite.

Os feixes irão rebater na superfície da geleira e retornar para o satélite, como um radar a laser. A maioria dos fótons nos feixes de laser será perdida, mas um punhado será captado de volta.

O satélite pode calcular quanto tempo essa viagem demorou até o bilionésimo de segundo mais próximo. "A ATLAS basicamente age como um cronômetro", disse Donya Douglas-Bradshaw, gerente de instrumentos do laser, durante a coletiva de imprensa.

Que continua: "O laser dispara 10 mil pulsos por segundo, com um trilhão de fótons em cada disparo. Cada vez que o laser dispara, ele inicia o cronômetro." Os cientistas então convertem esse tempo em uma distância, calculando a altura da superfície naquele local.

"O ICESat-2 realmente é uma nova ferramenta revolucionária para pesquisa em gelo terrestre e gelo marinho", disse Tom Neumann, cientista-assistente do projeto ICESat-2 da NASA, durante a coletiva de imprensa.

O gelo do mar é particularmente complicado, uma vez que o laser deve medir a diferença entre a superfície do gelo e a superfície do oceano, que pode estar a poucos centímetros de distância.

"É realmente um incrível feito de engenharia, mas é algo de que a ciência depende criticamente", disse ele. "Em meio segundo o ICESat-2 irá coletar 5 mil medições de elevação em cada um dos seus seis feixes ", disse Neumann. "Isso é todo minuto de toda hora de todo dia durante os próximos três anos."

Em 2003, o ICESat original iniciou sete anos de medições de altura de gelo auxiliadas por laser, saltando um único laser da superfície do gelo. Como o ICESat-2 não estava pronto para ser lançado quando a missão original terminou, a NASA projetou uma missão baseada em um avião temporário chamada Operation IceBridge para rastrear áreas de gelo particularmente cruciais.

A primeira versão do ICESat, lançado em 2003, passou sete anos fazendo medições com laser, embora muito menos precisas, mas o suficiente para fazer revelações perturbadoras: "O que a ICESat descobriu é que o gelo do mar está realmente diminuindo", disse Tom Wagner. "Nós provavelmente perdemos mais de dois terços do gelo que costumava estar lá nos anos 80".



FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

A noite em que Lavras (MG) parou para ver um UFO

Serra da Bocaina no município de Lavras (MG)

Na noite de 1º de junho de 1969, um UFO sobrevoou a cidade de Lavras, região Sul do estado de Minas Gerais, sendo observado por centenas de pessoas. O fotógrafo amador e médico Dr. Rêmulo Tourino Furtini tirou diversas fotografias do estranho objeto, que chegou a fazer um pouso em um pasto existente na época. O sargento Inocêncio França do Tiro de Guerra local e vários atiradores comprovaram o pouso, constatado tecnicamente após o ocorrido. Na época, o caso foi notícia na mídia de todo o país, despertando o interesse da Nasa e até mesmo do extinto bloco soviético.


Ufo é fotografado na madrugada

Naquela fria madrugada de 1º de junho de 1969 algumas pessoas encontram-se nas ruas, já que no tradicional Clube de Lavras estava acontecendo um dos seus famosos bailes. Alguns bares encontravam-se abertos e alguns bêbados ziguezagueavam por aquelas ruas tranquilas.

Era uma noite comum de inverno, como tantas outras em uma cidade interiorana, quando…