Pular para o conteúdo principal

Telúrio detectado num dos seus locais de origem


Imagens das nebulosas planetárias NGC 7027 (esquerda) e IC 418 (direita) onde foram detetadas as características de emissão, confirmando a presença de elementos muito pesados.
Crédito: NGC 7027 - Arquivo do Hubble, ESA, NASA. Processada por: Delio Tolivia Cadrecha; IC 418 - Arquivo do Hubble (STScI/AURA), R. Sahai, A. R. Hajian

Uma equipe internacional liderada por um estudante de doutorado do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) e da Universidade de La Laguna (ULL) identificou a emissão de telúrio no espectro infravermelho de duas nebulosas planetárias e bromo numa delas.

No final das suas vidas, as estrelas de massa média libertam as suas camadas exteriores, formando nebulosas planetárias. Através deste processo, injetam no meio interestelar os elementos químicos que foram sintetizados no seu interior durante milhares de milhões de anos. Esses elementos que são mais pesados do que o ferro não podem ser produzidos nas reações de fusão nuclear que ocorrem dentro das estrelas porque esse processo exigiria mais energia do que elas conseguem produzir. Esses elementos são formados por um processo conhecido como captura de nêutrons, que ocorre nos estágios finais da vida de uma estrela.

"À medida que ocorrem, essas capturas de nêutrons dão origem a elementos cada vez mais pesados," explica Simone Madonna, estudante de doutorado do IAC e autor principal do artigo científico. Ele acrescenta: "Este fenômeno físico ocorre sempre durante os últimos episódios violentos relacionados com a morte das estrelas: ou em eventos relacionados com a morte de estrelas de massa muito elevada, como explosões de supernova ou colisões entre estrelas de neutrões (uma das quais foi detetada recentemente por observatórios de ondas gravitacionais), que produzem um grande número de neutrões livres, ou na fase final da vida de estrelas de baixa massa (entre 1 e 8 vezes a massa do Sol), onde o fluxo de nêutrons é muito mais baixo. No primeiro caso, o processo é denominado "processo-r" (R para rápido) e no segundo caso, "processo-s" (S para "slow", lento).

Jorge García Rojas, investigador pós-doutorado do IAC e supervisor do doutoramento de Simone, afirma que "detectamos, pela primeira vez, uma característica de emissão espectral de telúrio na faixa infravermelha de duas nebulosas planetárias (e bromo numa delas) graças a dados obtidos com o espectrógrafo EMIR, acoplado ao GTC (Gran Telescopio Canarias) e ao instrumento IGRINS do Telescópio Harlan J. Smith, no Observatório McDonald no estado norte-americano do Texas. "Aproveitando a técnica de espectroscopia, analisamos a luz que recebemos das nebulosas, que é decomposta em cores diferentes como um arco-íris e podemos determinar quais os elementos químicos presentes no gás, já que cada elemento possui um padrão único de linhas de emissão embebidas neste arco-íris, o espectro de uma nebulosa. Graças a isto, a linha de emissão do telúrio e a linha de emissão do bromo foram localizadas pela primeira vez no espectro infravermelho das nebulosas planetárias. Estas são as mais claras detecções de íons pertencentes a esses dois elementos pesados num dos locais onde se podem formar.

"É necessária a utilização de grandes telescópios e de instrumentação específica devido à extrema fraqueza destas linhas, já que correspondem a elementos do Universo com baixíssimas abundâncias," comenta Francisco Garzón, outro dos autores do artigo científico, professor da ULL, investigador do IAC e investigador responsável pelo instrumento EMIR.

"Para determinar a abundância destes elementos, precisamos de construir um modelo atômico teórico para calcular os parâmetros atômicos dos íons observados," explica Manuel Bautista, físico atômico da Universidade de Western Michigan e coautor do artigo. A importância da detecção destas linhas nas nebulosas planetárias baseia-se no facto de que são melhores indicadores da abundância do elemento do que as linhas detectadas em estrelas evoluídas e dão-nos a oportunidade de estudar o elemento no seu local de origem. O telúrio é de particular importância, uma vez que pode ser produzido tanto por processos-r como por processos-s.

"As abundâncias calculadas de telúrio nas nebulosas planetárias NGC 7027 e IC 418 indicam que este elemento é muito mais abundante do que o esperado na vizinhança solar, onde o padrão de abundância é distribuído como esperado se o processo-r fosse responsável pela origem destes elementos pesados," observa Simone, "de modo que parte do telúrio nestas nebulosas planetárias deve ter tido origem através do processo-s".

Nicholas Sterling, professor da Universidade de West Georgia e co-supervisor do doutorado de Simone, explica que "a investigação destes elementos em todos os seus lugares de origem (nebulosas planetárias, fusões de estrelas de nêutrons e supernovas de estrelas massivas) ajuda a melhor entender a contribuição do processo-s e do processo-r para a formação dos elementos pesados e a refinar os modelos teóricos da evolução química do Universo."

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…