Pular para o conteúdo principal

Telúrio detectado num dos seus locais de origem


Imagens das nebulosas planetárias NGC 7027 (esquerda) e IC 418 (direita) onde foram detetadas as características de emissão, confirmando a presença de elementos muito pesados.
Crédito: NGC 7027 - Arquivo do Hubble, ESA, NASA. Processada por: Delio Tolivia Cadrecha; IC 418 - Arquivo do Hubble (STScI/AURA), R. Sahai, A. R. Hajian

Uma equipe internacional liderada por um estudante de doutorado do Instituto de Astrofísica das Canárias (IAC) e da Universidade de La Laguna (ULL) identificou a emissão de telúrio no espectro infravermelho de duas nebulosas planetárias e bromo numa delas.

No final das suas vidas, as estrelas de massa média libertam as suas camadas exteriores, formando nebulosas planetárias. Através deste processo, injetam no meio interestelar os elementos químicos que foram sintetizados no seu interior durante milhares de milhões de anos. Esses elementos que são mais pesados do que o ferro não podem ser produzidos nas reações de fusão nuclear que ocorrem dentro das estrelas porque esse processo exigiria mais energia do que elas conseguem produzir. Esses elementos são formados por um processo conhecido como captura de nêutrons, que ocorre nos estágios finais da vida de uma estrela.

"À medida que ocorrem, essas capturas de nêutrons dão origem a elementos cada vez mais pesados," explica Simone Madonna, estudante de doutorado do IAC e autor principal do artigo científico. Ele acrescenta: "Este fenômeno físico ocorre sempre durante os últimos episódios violentos relacionados com a morte das estrelas: ou em eventos relacionados com a morte de estrelas de massa muito elevada, como explosões de supernova ou colisões entre estrelas de neutrões (uma das quais foi detetada recentemente por observatórios de ondas gravitacionais), que produzem um grande número de neutrões livres, ou na fase final da vida de estrelas de baixa massa (entre 1 e 8 vezes a massa do Sol), onde o fluxo de nêutrons é muito mais baixo. No primeiro caso, o processo é denominado "processo-r" (R para rápido) e no segundo caso, "processo-s" (S para "slow", lento).

Jorge García Rojas, investigador pós-doutorado do IAC e supervisor do doutoramento de Simone, afirma que "detectamos, pela primeira vez, uma característica de emissão espectral de telúrio na faixa infravermelha de duas nebulosas planetárias (e bromo numa delas) graças a dados obtidos com o espectrógrafo EMIR, acoplado ao GTC (Gran Telescopio Canarias) e ao instrumento IGRINS do Telescópio Harlan J. Smith, no Observatório McDonald no estado norte-americano do Texas. "Aproveitando a técnica de espectroscopia, analisamos a luz que recebemos das nebulosas, que é decomposta em cores diferentes como um arco-íris e podemos determinar quais os elementos químicos presentes no gás, já que cada elemento possui um padrão único de linhas de emissão embebidas neste arco-íris, o espectro de uma nebulosa. Graças a isto, a linha de emissão do telúrio e a linha de emissão do bromo foram localizadas pela primeira vez no espectro infravermelho das nebulosas planetárias. Estas são as mais claras detecções de íons pertencentes a esses dois elementos pesados num dos locais onde se podem formar.

"É necessária a utilização de grandes telescópios e de instrumentação específica devido à extrema fraqueza destas linhas, já que correspondem a elementos do Universo com baixíssimas abundâncias," comenta Francisco Garzón, outro dos autores do artigo científico, professor da ULL, investigador do IAC e investigador responsável pelo instrumento EMIR.

"Para determinar a abundância destes elementos, precisamos de construir um modelo atômico teórico para calcular os parâmetros atômicos dos íons observados," explica Manuel Bautista, físico atômico da Universidade de Western Michigan e coautor do artigo. A importância da detecção destas linhas nas nebulosas planetárias baseia-se no facto de que são melhores indicadores da abundância do elemento do que as linhas detectadas em estrelas evoluídas e dão-nos a oportunidade de estudar o elemento no seu local de origem. O telúrio é de particular importância, uma vez que pode ser produzido tanto por processos-r como por processos-s.

"As abundâncias calculadas de telúrio nas nebulosas planetárias NGC 7027 e IC 418 indicam que este elemento é muito mais abundante do que o esperado na vizinhança solar, onde o padrão de abundância é distribuído como esperado se o processo-r fosse responsável pela origem destes elementos pesados," observa Simone, "de modo que parte do telúrio nestas nebulosas planetárias deve ter tido origem através do processo-s".

Nicholas Sterling, professor da Universidade de West Georgia e co-supervisor do doutorado de Simone, explica que "a investigação destes elementos em todos os seus lugares de origem (nebulosas planetárias, fusões de estrelas de nêutrons e supernovas de estrelas massivas) ajuda a melhor entender a contribuição do processo-s e do processo-r para a formação dos elementos pesados e a refinar os modelos teóricos da evolução química do Universo."

FONTE: ASTRONOMIA ONLINE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…