Pular para o conteúdo principal

China alega ter arma a laser que causa “carbonização instantânea” da pele humana


A China teria desenvolvido uma nova arma a laser portátil que pode atingir um alvo a quase um quilômetro de distância, de acordo com pesquisadores envolvidos no projeto.

À medida que os Estados Unidos se prepara para guerras no espaço, a China está trazendo a guerra espacial para casa. Seu fuzil de assalto a laser ZKZM-500 é supostamente capaz de atingir um alvo a um quilômetro de distância, acendendo objetos inflamáveis e queimando a pele humana. E ele está pronto para produção, alegam os pesquisadores por trás do projeto.

Uma arma que dispara um feixe de laser destrutivo tem sido o sonho de pesquisadores militares há décadas. As forças militares norte-americanas tiveram alguma sorte com enormes canhões disparadores de laser, projetados para serem montados em navios ou caminhões e capazes de derrubar um drone, queimando seu corpo. Mas fuzis de laser eficazes prontos para uso por soldados individuais permanecerem por muito tempo na terra das fantasias.

O jornal South China Morning Post, no entanto, falou com pesquisadores do Instituto Xian de Óptica e Mecânica de Precisão (na Academia de Ciências Chinesa), que dizem ter desenvolvido um poderoso fuzil de laser que, em breve, estará nas mãos do setor da polícia chinesa focado em antiterrorismo. Da reportagem:

A arma de calibre 15 pesa três quilos, quase o mesmo que uma AK-47, e tem alcance de 800 metros, podendo ser montada em carros, barcos e aviões.

No evento de uma situação de sequestro, ela poderia ser usada para disparar através de janelas, temporariamente desarmando os sequestradores enquanto outras unidades se movimentam para resgatar os reféns.

Ela também poderia ser usada em operações militares secretas. O feixe é poderoso o bastante para queimar um tanque de gás e acender a instalação de armazenamento de combustível em um aeroporto militar.


A arma é completamente silenciosa, e seu feixe, invisível, alega a reportagem. Um alvo sequer saberia o que está acontecendo, aparentemente, até que um buraco queimasse através de suas roupas em um piscar de olhos e sua pele e tecido fossem “instantaneamente carbonizados”, no melhor cenário deixando uma cicatriz permanente. Um pesquisador disse ao Morning Post que “a dor seria mais forte que a resistência”. Se o infeliz alvo estiver vestindo roupas inflamáveis, ele pode até pegar fogo, de acordo com a reportagem.

Por US$ 15 mil a unidade, o ZKZM-500 soa relativamente barata, especialmente se você considerar que ele não exige munição tradicional. A bateria de lítio pode, aparentemente, dar conta de mil disparos laser que duram cerca de dois segundos cada. Porém, mesmo que esse custo seja acessível para alguns civis, a tecnologia deve ser restrita a militares e policiais.

Mesmo essa determinação de uso poderia enfrentar resistência de outros países. Como aponta o Morning Post, o Protocolo IV (sobre armas cegantes a laser) da ONU entrou em vigor em 1998, assinado por 108 nações. Ele proíbe o uso de armas especificamente projetadas para causar cegueira permanente, mas, como parte da Convenção da ONU sobre Armas Convencionais, o protocolo não tem mecanismos de verdade para aplicação.

Embora situações antiterroristas ou com reféns estejam sendo discutidas como os cenários mais prováveis para essas armas serem usadas a curto prazo, um documento promocional publicado em um site governamental chinês e visto pelo Morning Post também destaca seu potencial uso contra “protestos ilegais”. O controle da China sobre a internet se intensificou nos últimos anos, dificultando a organização da oposição. Ir de firewalls a colocar fogo nas pessoas seria um salto enorme para o país.

[South China Morning Post]

Imagem do topo: Divulgação

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…