Pular para o conteúdo principal

Poeira lunar é tóxica para seres humanos


O solo da Lua é composto por partículas pontiagudas de silicato que agem como microscópicas agulhinhas de vidro no pulmão

Quando os astronautas da missão Apollo 17, a última tripulada a pousar na Lua em 1972, voltaram para a Terra, todos ficaram doentes. Uma poeira fina se agarrava a tudo e fazia com que as gargantas das 12 pessoas que caminharam em solo lunar e os olhos lacrimejassem. Com o tempo, começaram os espirros e a congestão nasal.

Um deles, Harrisson Schimitt, chamou a condição de “febre do feno lunar”, se referindo a uma espécie de rinite alérgica geralmente causada por grãos pólen. Desde então paira a dúvida se o solo lunar seria tóxico para os seres humanos, o que tornaria bem mais difícil qualquer tentativa de colonização.

"Não sabemos o quanto essa poeira é ruim. Tudo se resume a um esforço para estimar o grau de risco envolvido", diz Kim Prisk, fisiologista pulmonar da Universidade da Califórnia, com mais de 20 anos de experiência em voos espaciais tripulados. Ele faz parte de um grupo de 12 cientistas ligados a Agência Espacial Europeia que estudam quão perigosa é a poeira lunar.

Esse tipo de poeira contém silicato, um material encontrado em corpos planetários com atividade vulcânica. Pessoas que trabalham em minas na Terra sofrem com pulmões inflamados e com cicatrizes causadas pela inalação do silicato. Na Lua, o pó é tão abrasivo que devorou ​​camadas de botas de traje espacial e destruiu as vedações a vácuo dos contêineres de amostras da Apollo. São como microscópicas agulhas de vidro.

A baixa gravidade da Lua, um sexto do que temos na Terra, permite que pequenas partículas permaneçam suspensas por mais tempo e penetrem mais profundamente no pulmão. “Partículas 50 vezes menores que um fio de cabelo humano podem ficar por aí por meses dentro de seus pulmões. Quanto mais tempo a partícula permanecer, maior a chance de efeitos tóxicos", explica Prisk em anúncio.


ASTRONAUTA COMANDANTE DA MISSÃO APOLLO 17, EUGENE CERNAN, COBERTO DE POEIRA APÓS SEU PASSEIO PELA LUA (FOTO: NASA)

Na Terra, partículas finas tendem a suavizar ao longo de anos de erosão pelo vento e pela água, mas a poeira lunar não é redonda, e sim pontiaguda. Além disso, a Lua não tem atmosfera e é constantemente bombardeada pela radiação do Sol, que faz com que o solo se torne eletrostaticamente carregado. Essa carga pode ser tão forte que a poeira levita acima da superfície lunar, tornando ainda mais provável que ela entre no equipamento e nos pulmões das pessoas.

Para testar o equipamento e o comportamento da poeira lunar, a ESA estará trabalhando com poeira de Lua simulada extraída de uma região vulcânica na Alemanha. "A raridade do material tipo vidro lunar faz com que seja um tipo especial de poeira. Precisamos moer o material de origem, mas isso significa remover as bordas afiadas", diz Erin Tranfield, bióloga e especialista em toxicidade por poeira.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…