Pular para o conteúdo principal

Poeira lunar é tóxica para seres humanos


O solo da Lua é composto por partículas pontiagudas de silicato que agem como microscópicas agulhinhas de vidro no pulmão

Quando os astronautas da missão Apollo 17, a última tripulada a pousar na Lua em 1972, voltaram para a Terra, todos ficaram doentes. Uma poeira fina se agarrava a tudo e fazia com que as gargantas das 12 pessoas que caminharam em solo lunar e os olhos lacrimejassem. Com o tempo, começaram os espirros e a congestão nasal.

Um deles, Harrisson Schimitt, chamou a condição de “febre do feno lunar”, se referindo a uma espécie de rinite alérgica geralmente causada por grãos pólen. Desde então paira a dúvida se o solo lunar seria tóxico para os seres humanos, o que tornaria bem mais difícil qualquer tentativa de colonização.

"Não sabemos o quanto essa poeira é ruim. Tudo se resume a um esforço para estimar o grau de risco envolvido", diz Kim Prisk, fisiologista pulmonar da Universidade da Califórnia, com mais de 20 anos de experiência em voos espaciais tripulados. Ele faz parte de um grupo de 12 cientistas ligados a Agência Espacial Europeia que estudam quão perigosa é a poeira lunar.

Esse tipo de poeira contém silicato, um material encontrado em corpos planetários com atividade vulcânica. Pessoas que trabalham em minas na Terra sofrem com pulmões inflamados e com cicatrizes causadas pela inalação do silicato. Na Lua, o pó é tão abrasivo que devorou ​​camadas de botas de traje espacial e destruiu as vedações a vácuo dos contêineres de amostras da Apollo. São como microscópicas agulhas de vidro.

A baixa gravidade da Lua, um sexto do que temos na Terra, permite que pequenas partículas permaneçam suspensas por mais tempo e penetrem mais profundamente no pulmão. “Partículas 50 vezes menores que um fio de cabelo humano podem ficar por aí por meses dentro de seus pulmões. Quanto mais tempo a partícula permanecer, maior a chance de efeitos tóxicos", explica Prisk em anúncio.


ASTRONAUTA COMANDANTE DA MISSÃO APOLLO 17, EUGENE CERNAN, COBERTO DE POEIRA APÓS SEU PASSEIO PELA LUA (FOTO: NASA)

Na Terra, partículas finas tendem a suavizar ao longo de anos de erosão pelo vento e pela água, mas a poeira lunar não é redonda, e sim pontiaguda. Além disso, a Lua não tem atmosfera e é constantemente bombardeada pela radiação do Sol, que faz com que o solo se torne eletrostaticamente carregado. Essa carga pode ser tão forte que a poeira levita acima da superfície lunar, tornando ainda mais provável que ela entre no equipamento e nos pulmões das pessoas.

Para testar o equipamento e o comportamento da poeira lunar, a ESA estará trabalhando com poeira de Lua simulada extraída de uma região vulcânica na Alemanha. "A raridade do material tipo vidro lunar faz com que seja um tipo especial de poeira. Precisamos moer o material de origem, mas isso significa remover as bordas afiadas", diz Erin Tranfield, bióloga e especialista em toxicidade por poeira.

FONTE: REVISTA GALILEU

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…