Pular para o conteúdo principal

Por que os relatos de observações de OVNIs estão caindo?



Por: Jennings Brown

Relatos de aparições de OVNIs têm sido cada vez menos frequentes nos últimos anos nos Estados Unidos. A informação é de uma organização responsável por reunir dados adquiridos por grupos de investigação civil desses objetos.

A Mutual UFO Network (MUFON) é uma organização sem fins lucrativos que investiga denúncias de observações de OVNIs. O grupo encoraja pessoas que tiveram encontros íntimos com alienígenas a documentarem suas experiências em um site.

A organização afirma receber cerca de sete mil relatos por mês – mas os números estão caindo constantemente desde 2012.

“Definitivamente houve uma queda nos últimos tempos”, disse o estatístico da MUFON, David C. Korts, ao Gizmodo. “Não é algo tão definido como uma linha reta. Mas olhando para esses números, houve um pico em 2013, e agora tem ocorrido uma queda entre 30% a 40%, de 2012 a 2017”.

Korts é um estatístico aposentado que atualmente estuda esses dados para entender mais sobre observações de OVNIs, incluindo a época em que são mais propensos a ocorrer e como os eventos têm mudado com o passar dos anos.

Korts não foi o único a perceber a mudança. Cheryl Costa – uma escritora indicada como Pesquisadora do Ano pelo Congresso Internacional de OVNIs de 2018 – recentemente revisou dados de observações de OVNIs tanto da MUFON quanto da National UFO Reporting Center (NUFORC) dos últimos 17 anos, e relatou suas descobertas no Syracuse New Times. Sua análise mostra que depois de um aumento constante nas denúncias entre 2001 a 2012, houve uma queda.

Embora a MUFON e a NUFROC aceitem relatos via internet, os investigadores de campo da MUFON examinam as denúncias e tentam filtrar erros, mentiras e objetos que não podem ser identificados. De acordo com Korts, a MUFON consegue esclarecer cerca de metade dos relatos que as pessoas enviam. “Eu trabalho com um conjunto de dados altamente filtrado e altamente limpo”, explica.

A partir desse conjunto de dados, Korts espera visualizar as alterações na frequência de determinados formatos (como pires e triângulos) e cores. E ele quer saber em quais áreas há mais ou menos relatos, depois de ajustar alguns fatores como a população e o tamanho da região em que os relatos são feitos.

“Neste momento, não está claro o que está acontecendo. É desconcertante”, disse ele. “Eu não sei o porquê. Eu acho que é uma questão interessante. Esse é o tipo de coisa que você descobre fazendo esse tipo de trabalho”.

Essa é uma tendência curiosa, já que praticamente todos os outros aspectos do nosso mundo têm sido muito monitorado e documentado.

Mais pessoas carregam câmeras e possuem acesso à internet para compartilhar suas observações. Bolas de fogo meteorológicas, por exemplo, são amplamente documentadas, capturadas por câmeras de painéis de carros, de segurança e de smartphones. Então, por que não OVNIs?

Sharon Hill, uma geóloga e escritora que pesquisa pseudociência e cultura paranormal, tem algumas ideias sobre o porquê estamos experimentando uma queda nos relatos.

“Em nossa cultura de mídias sociais, costumamos expressar nossas experiências estranhas com algum tipo de vídeo no YouTube ou uma foto. E os OVNIs são realmente difíceis de fotografar”, disse Hill ao Gizmodo.

“Não quer dizer que não existem mais coisas estranhas no céu, eu realmente acho que há objetos não identificados por aí”, disse Hill. “Acho que deveríamos estar investigando anomalias atmosféricas, provavelmente. Mas quando as pessoas interpretam essas coisas como objetos inteligentes ou objetos físicos que estão nos examinando, isso se torna um beco sem saída. Não é algo que possa ser cientificamente investigado”.

Hill também acredita que a cultura ao redor das investigações mudou e o foco agora está em conspirações exopolíticas – supostas tentativas de governos de suprimir informações sobre visitantes extraterrestres. “Ideias sobre conspiração acabaram se infiltrando e distorcendo a ideia de investigar OVNIs”, disse ela. “Você não pode investigar essas coisas. São conspirações”.

Mas a MUFON diz que ainda está comprometida em descobrir a verdade por trás dos OVNIs. “Não estamos sozinhos no universo e há vida inteligente por aí”, disse o diretor executivo da MUFON, Jan Harzan, ao Gizmodo. Ele disse que a MUFON compartilha os dados para que os pesquisadores possam entender melhor os fenômenos ufológicos.

Embora ainda existam centenas de relatórios por mês, os dados não incluem muitas fotos claras. Harzan tem uma explicação para tantas imagens borradas: “Os OVNIs estão basicamente manipulando o espaço-tempo. E quando eles fazem isso, é necessário um campo eletromagnético alto. Isso distorce as imagens”.

Harzan deu algumas dicas para quem quer ver um OVNI. “Apenas esteja ao ar livre, estar em um lugar calmo. Pensar sobre o tema tende a ser uma maneira de atrair as aeronaves”, disse Harzan. “Parece haver algum tipo de conexão da consciência”.

Uma suposta fotografia de um OVNI de 24 de julho de 1956 em San Bernardino, Califórnia. Foto: Michael Savage (AP)

FONTE: GIZMODO BRASIL

Ufos Wilson: A parte dos erros de interpretação, fraudes que levam pessoas a descrença no tema, hoje um dos grandes motivos desta queda é a utilização dos celulares, as pessoas não olham mais para o céu, não se reúnem mais em frente de suas casas, seja para uma conversa ou mesmo para apreciar as estrelas, isso faz com que avistamentos consistentes se percam, uma grande contradição numa era tecnológica que poderia vir a favorecer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

Filme "Intruders" (Intrusos) 1992

Ao pesquisar problemas de duas de suas pacientes, proeminente psiquiatra de um importante hospital de Los Angeles (Interpretado pelo falecido ator Richard Crenna na vida real John Mack, psiquiatra formado em Harvard Medical School, 1955.) acaba penetrando em um universo de estranhas ocorrências relacionadas com OVNIs, que modificarão sua própria vida.

"Intruders" foi baseado no best-seller de Budd Hopkins e em casos verídicos que hoje compõem um vasto arquivo de histórias vividas por muitas pessoas que passaram por experiências com seres extraterrestres, e que neste filme colaboraram com renomados pesquisadores do assunto na reconstituição dos episódios.

Best Seller "Intruders" (Intrusos)

Algumas cenas do filme:








Filme legendado em português:




Inspiração do filme Intruders (Intrusos), mulher relata contato com ETs



A americana Debbie Jordan, que relata um contato com extraterrestres há 34 anos, comentou que ficaria chocada se houvesse uma nova aproximação, mas não enc…

O caso Artur Berlet, O homem que foi para o Planeta Acart

O "Caso Berlet" ocorreu em 25 de maio de 1958 (faleceu em 1995), quando o gaúcho Artur Berlet, da cidade de Sarandí – RS, desapareceu por 11 dias.
Segundo Berlet teria sido abduzido e levado para um planeta chamado Acart aproximadamente 65,000,000 km da terra, demorou cerca de 38horas para chegar, onde ficou 11 dias em uma cidade com quase 90 milhões de habitantes. O curioso do fato que conseguiu comunicação com extraterrestres através do idioma Alemão.

Durante esse tempo, Berlet teve a chance de ver a Terra a partir do espaço. conhecer objetos e tecnologias que só teríamos posteriormente no decorrer do avanço dos humanos.
Após décadas, a fantástica história do gaúcho ainda surpreende a todos. Quem reconstituiu a história desse caso para a RBS foi a professora Ana Berlet, filha de Artur.

Vejam o nível da informação:

O Artur Berlet através de uma aparelho de Acart o qual olhou a terra, disse;
“a terra era AZUL.”



Ok ! parece nada demais, mas o fato é que ele disse anos ant…