Pular para o conteúdo principal

Vídeo feito a partir de dados de sonda da NASA mostra como seria sobrevoar a superfície de Marte



Por: Ryan F. Mandelbaum

Existem várias coisas incríveis que você pode fazer com dados. Como, por exemplo, esta animação da superfície de Marte.

Este é o trabalho mais recente do artista visual Seán Doran, usando dados reais coletados pela câmera HiRISE, no Orbitador de Reconhecimento de Marte (MRO, na sigla em inglês), da NASA. Claro, não são imagens reais, e elas exigiram muito processamento para se chegar a esse efeito realista. Mas a produção traz uma impressão empolgante de como seria sobrevoar a superfície marciana.

“A qualidade e fidelidade dos dados que a HiRISE oferece a possibilidade de que uma fotografia virtual da superfície marciana seja tirada”, Doran contou ao Gizmodo, por meio de mensagem no Twitter. “Não é tão bom quanto estar lá, mas é a segunda melhor coisa!”

O conjunto de dados atualizado retrata o Gorgonum Chaos — um terreno acidentado e cheio de fendas supostamente moldado pela água no hemisfério sul de Marte. A câmera HiRISE registra luz visível em altíssima resolução a partir do MRO, cerca de 320 km acima da superfície de Marte. Ela é usada para selecionar locais para pousadores e, potencialmente, humanos, de acordo com uma página da Universidade do Arizona.


Arquivo raw do Gorgonum Chaos. Imagem: NASA/JPL/Universidade do Arizona/USGS

E como é que se faz vídeos da superfície marciana? A HiRISE coleta dados de elevação em alta resolução, conforme explica Doran. Ele usa o Blender, software de gráficos 3D, para transformar os dados em uma malha 3D, que é então otimizada, considerando o quão complexo o conjunto de dados é. Ele então processa mais profundamente as texturas no Photoshop, onde também aprimora os detalhes. Então, é a hora de combinar e renderizar tudo no software 3DS Max, acrescentando os céus no Photoshop e animando tudo com o After Effects. Mais uma vez, não é uma verdadeira fotografia de Marte — foi necessária um pouco de sensibilidade artística (e muito trabalho) para fazer com que este fosse o resultado final.

Como você provavelmente já deve ter imaginado, imagens do espaço requerem processamento e, muitas vezes, recebem um toque artístico. Doran, ele mesmo, processa várias imagens de Júpiter, criando arquivos de imagem que, frequentemente, se parecem com pinturas. Se você quiser criar imagens por conta própria, normalmente é possível encontrar os arquivos raw no site do experimento específico que você tem em mente. Se quiser apenas o serviço finalizado, Doran compartilha um monte de imagens em seu Twitter e Flickr. Existe toda uma comunidade de pessoas que também fazem e processam essas imagens.

O Planeta Vermelho oferece bastante materiais para aqueles que criam esse tipo de arte espacial. “Marte facilita”, disse Doran. “O planeta é repleto de paisagens alienígenas e exóticas.”




FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Sintomas bizarros de “ataque sônico” estariam se espalhando por diplomatas americanos pelo mundo

Por: Rhett Jones

Por mais de um ano e meio, diplomatas norte-americanos sofreram de doenças parecidas, que incluíam danos cerebrais leves e perda de audição, depois de terem alegado ouvir sons incomuns. Os incidentes começaram em Cuba, mas os relatos agora se espalharam para outros países. À medida que as autoridades ampliaram os esforços para tratar os casos potenciais, quase 200 pessoas teriam se apresentado para serem examinadas.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos teve pouco a dizer sobre os incidentes que começaram em Havana, no fim de 2016, e o vácuo de informações abriu as portas para teorias da conspiração e outras alegações não checadas. Por ora, ninguém pode dizer com certeza o que está acontecendo nesses casos, mas parece que diplomatas norte-americanos estão sendo alvos de algum tipo de ataque que tem deixado os especialistas perplexos. No começo, os oficiais acreditavam que algum “dispositivo sônico” desconhecido estivesse sendo usado contra as vítimas, mas outra…

Fazendeiro grego encontra túmulo de 3.400 anos debaixo de suas oliveiras

Por: George Dvorsky

Um túmulo de 3.400 anos contendo dois caixões e dúzias de artefatos que remontam ao fim da era Minoica estava escondido debaixo do olival de um fazendeiro grego, no sudeste da ilha de Creta, na Grécia.

Como noticiado pelo Cretapost, o homem, que não teve seu nome revelado, estava tentando estacionar seu veículo debaixo da sombra de uma oliveira quando o solo debaixo dele começou a afundar. Depois de se afastar, o fazendeiro notou que um buraco medindo cerca de 1,2 metro de largura apareceu de repente. Quando ele olhou para o vazio abaixo, rapidamente percebeu que havia se deparado com algo importante.


O buraco. Imagem: Eforato de Antiguidades de Lasithi

O fazendeiro contatou o Eforato de Antiguidades de Lassithi — ministério de patrimônio local —, que enviou arqueólogos para investigar. Descobriram então que o fazendeiro havia se deparado com um túmulo da era Minoica contendo um par de caixões, cada um deles com um só esqueleto. Duas dúzias de vasos com ornamentos…