Pular para o conteúdo principal

Vídeo feito a partir de dados de sonda da NASA mostra como seria sobrevoar a superfície de Marte



Por: Ryan F. Mandelbaum

Existem várias coisas incríveis que você pode fazer com dados. Como, por exemplo, esta animação da superfície de Marte.

Este é o trabalho mais recente do artista visual Seán Doran, usando dados reais coletados pela câmera HiRISE, no Orbitador de Reconhecimento de Marte (MRO, na sigla em inglês), da NASA. Claro, não são imagens reais, e elas exigiram muito processamento para se chegar a esse efeito realista. Mas a produção traz uma impressão empolgante de como seria sobrevoar a superfície marciana.

“A qualidade e fidelidade dos dados que a HiRISE oferece a possibilidade de que uma fotografia virtual da superfície marciana seja tirada”, Doran contou ao Gizmodo, por meio de mensagem no Twitter. “Não é tão bom quanto estar lá, mas é a segunda melhor coisa!”

O conjunto de dados atualizado retrata o Gorgonum Chaos — um terreno acidentado e cheio de fendas supostamente moldado pela água no hemisfério sul de Marte. A câmera HiRISE registra luz visível em altíssima resolução a partir do MRO, cerca de 320 km acima da superfície de Marte. Ela é usada para selecionar locais para pousadores e, potencialmente, humanos, de acordo com uma página da Universidade do Arizona.


Arquivo raw do Gorgonum Chaos. Imagem: NASA/JPL/Universidade do Arizona/USGS

E como é que se faz vídeos da superfície marciana? A HiRISE coleta dados de elevação em alta resolução, conforme explica Doran. Ele usa o Blender, software de gráficos 3D, para transformar os dados em uma malha 3D, que é então otimizada, considerando o quão complexo o conjunto de dados é. Ele então processa mais profundamente as texturas no Photoshop, onde também aprimora os detalhes. Então, é a hora de combinar e renderizar tudo no software 3DS Max, acrescentando os céus no Photoshop e animando tudo com o After Effects. Mais uma vez, não é uma verdadeira fotografia de Marte — foi necessária um pouco de sensibilidade artística (e muito trabalho) para fazer com que este fosse o resultado final.

Como você provavelmente já deve ter imaginado, imagens do espaço requerem processamento e, muitas vezes, recebem um toque artístico. Doran, ele mesmo, processa várias imagens de Júpiter, criando arquivos de imagem que, frequentemente, se parecem com pinturas. Se você quiser criar imagens por conta própria, normalmente é possível encontrar os arquivos raw no site do experimento específico que você tem em mente. Se quiser apenas o serviço finalizado, Doran compartilha um monte de imagens em seu Twitter e Flickr. Existe toda uma comunidade de pessoas que também fazem e processam essas imagens.

O Planeta Vermelho oferece bastante materiais para aqueles que criam esse tipo de arte espacial. “Marte facilita”, disse Doran. “O planeta é repleto de paisagens alienígenas e exóticas.”




FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

A mulher que descobriu a metamorfose e se embrenhou de espartilho na Amazônia no século 17

Merian desenvolveu uma forma diferente de enxergar a natureza. Ela é considerada a primeira ecologista do mundo | Imagem: Gravura de Jacobus Houbraken em retrato de Georg Gsell

No século 17, a alemã Maria Merian se propôs a investigar o mundo dos insetos. Acabou desenvolvendo uma forma diferente de pensar e enxergar a natureza e, aos 52 anos, partiu para uma perigosa aventura na América do Sul, para detalhar os ciclos de vida de borboletas, mariposas e outros insetos.

Os feitos de Merian, numa época em que pouca gente desbravava o continente americano abaixo da linha do Equador - em especial as mulheres -, deram a ela a fama de primeira ecologista do mundo.

Ela nasceu na Alemanha em 1647, numa família de editores, escultores e comerciantes, e logo cedo aprendeu a arte da ilustração.

O interesse pelos insetos surgiu no próprio jardim da casa de Merian, ainda na infância.

Aos 13 anos, ela decidiu pintar o ciclo de vida de um bicho da seda numa época em que o comércio da seda era muito …