Pular para o conteúdo principal

Robôs equilibradores de pedras podem construir nossos futuros habitats em Marte



Assim como manter um jardim zen ou podar árvores bonsai, algumas pessoas empilham e equilibram pedras como uma maneira de relaxar. Mas robôs não têm estresse emocional, então para que se preocupar em ensiná-los a equilibrar pedras? Um dia, as habilidades desses robôs podem se provar valiosas na construção de estruturas em mundos distantes que estamos tentando colonizar.

Robôs são excelentes em construir estruturas usando materiais simples, como a tarefa repetitiva de levantar uma parede de tijolos. Mas quando tijolos uniformes são substituídos por rochas de tamanho aleatório, a tarefa se torna muito mais complexa para a maioria desses autômatos, com muitas variáveis aleatórias com que eles têm de lidar.

Isso pode não ser mais um problema em breve. Durante a International Conference on Robotics and Automation (ICRA) deste ano, realizada na semana passada, pesquisadores do ETH Zurich apresentaram um estudo detalhando um sistema robótico que desenvolveram que é capaz de, inteligentemente, empilhar e equilibrar objetos de formatos irregulares, com o objetivo final de construir estruturas maiores. Tais robôs poderiam ser usados para construir muros de pedra gigantes que auxiliam estruturas de defesa feitas pelo homem a se protegerem do mau tempo, ou que oferecem assistência na construção de diques e quebra-mares. Em locais de construção em que um edifício existente já tenha sido demolido, esses robôs poderiam até mesmo reutilizar pedaços gigantes de concreto para fundação, minimizando a quantidade de trabalho de limpeza necessário.

Utilizando uma câmera capaz de escanear objetos em 3D, um braço robótico com uma pinça de três dedos conseguiu criar modelos detalhados de várias pedras de arenito, usando esses modelos para, de forma inteligente, empilhar e equilibrar pedras umas sobre as outras, fazendo uma torre simples.

Como o vídeo do robô em ação demonstra, mesmo quando conseguiu simular previamente como as pedras se empilhariam usando modelos 3D, as torres do robô ainda desmoronaram ocasionalmente, conforme pequenas instabilidades se acumularam. Mas, de acordo com os pesquisadores, esse robô conseguiu empilhar até seis pedras, superando humanos não treinados.



Além da construção de torres de pedra decorativas para o jardim da sua mãe, os roboticistas do ETH Zurich veem sua pesquisa como sendo prática para mais aplicações industriais. Em um ambiente de fábrica ou armazém, por exemplo, um braço robótico que conhece tamanho, formato e distribuição de peso de um objeto delicado poderia encaixotá-lo de maneira que garantisse que ele não se mexesse durante o transporte, reduzindo o risco de dano.

Conforme Hironori Yoshida, roboticista e colaborador do projeto, contou ao Gizmodo por email, ele vê essa pesquisa sendo especialmente valiosa quando se trata da automação da construção, aproveitando-se de materiais que já existem em um local de trabalho.

“O valor central do nosso trabalho na arquitetura é o processamento mínimo de material, ao passo que maioria dos outros métodos de fabricação digital depende de um mecanismo de abastecimento complexo, como na impressão 3D ou na colocação de tijolos. Em nossos métodos, idealmente, podemos usar objetos encontrados no local de construção sem usar argamassa ou cimento, o que torna a manutenção muito mais fácil.”

Levando a ideia adiante, conforme a humanidade se aproxima cada vez mais de visitar outros planetas, no que inicialmente seriam apenas viagens de ida, precisaremos encontrar maneiras de construir abrigos e estruturas com os materiais naturais que nos esperam por lá. Astronautas visitando Marte, que é repleto de rochas e pedregulhos, poderiam colocar um robô para construir a estrutura geral de um habitat usando tudo o que pudesse encontrar. Isso poderia então ser reforçado com materiais da Terra, tornando o Planeta Vermelho acolhedor para os humanos.



[Hironori Yoshida – Autonomous Vertical Dry Stacking via IEEE Spectrum]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…