Pular para o conteúdo principal

Proeminências podem ameaçar a habitabilidade de planetas de anãs vermelhas


Esta ilustração mostra uma anã vermelha e um hipotético exoplaneta em órbita.
Crédito: NASA/ESA/G. Bacon (STScI)

As estrelas anãs e frias são, atualmente, os principais alvos da caça exoplanetária. As descobertas de planetas nas zonas habitáveis dos sistemas TRAPPIST-1 e LHS 1140, por exemplo, sugerem que mundos do tamanho da Terra podem orbitar milhares de milhões de anãs vermelhas, o tipo estelar mais comum na nossa Galáxia. Mas, tal como o nosso Sol, muitas destas estrelas entram em erupção, lançando para o espaço intensas proeminências. Será que as anãs vermelhas são realmente assim tão amigáveis para a vida como parecem, ou será que estas explosões estelares tornam as superfícies de quaisquer planetas em órbita inóspitas?

Para abordar esta questão, uma equipa de cientistas estudou 10 anos de observações ultravioletas da missão GALEX (Galaxy Evolution Explorer) da NASA, à procura de rápidos aumentos no brilho das estrelas devido a erupções. As proeminências emitem radiação ao longo de uma ampla gama de comprimentos de onda, sendo que uma fração significativa da sua energia total libertada está nas bandas ultravioletas, bandas estas que o GALEX observou. Ao mesmo tempo, as anãs vermelhas a partir das quais estas erupções surgem, são relativamente ténues no espectro ultravioleta. Este contraste, em combinação com a sensibilidade dos detetores do GALEX no que a toca a alterações súbitas, permitiu com que a equipe medisse eventos com uma energia total inferior à de muitas proeminências detetadas anteriormente. Isto é importante porque, embora sejam individualmente menos energéticas e, portanto, menos hostis à vida, as proeminências mais pequenas podem ser muito mais frequentes e, ao longo do tempo, podem criar um ambiente inóspito.

"E se os planetas são banhados constantemente por estas erupções mais pequenas, mas ainda importantes?" pergunta Scott Fleming do STScI (Space Telescope Science Institute) em Baltimore, EUA. "Poderá haver um efeito cumulativo."

Para detetar e medir com precisão estas erupções, a equipa teve que analisar dados em intervalos de tempo muito curtos. A partir de imagens com tempos de exposição de quase meia-hora, a equipe foi capaz de revelar variações estelares com a duração de meros segundos.

O autor principal Chase Million, de State College, no estado norte-americano da Pensilvânia, liderou um projeto chamado gPhoton que reprocessou mais de 100 terabytes de dados do GALEX arquivados no MAST (Mikulski Archive for Space Telescopes), localizado no STScI. A equipe, então, usou um software personalizado desenvolvido por Million e Clara Brasseur, do STScI, para procurar várias centenas de anãs vermelhas, detectando dúzias de proeminências.

"Descobrimos proeminências de anãs vermelhas em toda a gama a que o GALEX era sensível, desde proeminências 'bebê' com a duração de poucos segundos, a proeminências monstruosas que tornaram uma estrela centenas de vezes mais brilhante por alguns minutos," comenta Million.

As explosões estelares que o GALEX detetou têm uma intensidade semelhante às proeminências produzidas pelo nosso próprio Sol. No entanto, dado que um planeta terá que orbitar muito mais perto da anã vermelha e fria a fim de manter uma temperatura adequada à vida como a conhecemos, tais planetas seriam submetidos a mais energia do que a Terra.

As grandes erupções podem retirar a atmosfera a um planeta. A forte radiação ultravioleta destas proeminências, que penetra até à superfície do planeta, poderá danificar organismos ou impedir a formação da vida.

Atualmente, os membros Rachel Osten e Brasseur estão a examinar estrelas observadas tanto pela missão GALEX como pelo Kepler à procura de proeminências similares. A equipe espera, eventualmente, encontrar centenas de milhares de erupções escondidas nos dados do GALEX.

"Estes resultados mostram o valor de uma missão como a do GALEX, instigado a estudar a evolução das galáxias ao longo do tempo cósmico e que agora tem um impacto no estudo de planetas habitáveis vizinhos," comenta Don Neill, investigador do Caltech em Pasadena, Califórnia, EUA, que fez parte da colaboração GALEX. "Nós não antecipamos que o GALEX fosse usado para exoplanetas quando desenhamos a missão."

Em última análise, serão necessários instrumentos novos e poderosos, como o Telescópio Espacial James Webb da NASA, com lançamento previsto para 2018, para estudar atmosferas de planetas em órbita de anãs vermelhas vizinhas e procurar sinais de vida. Mas, à medida que os cientistas colocam novas questões sobre o cosmos, os arquivos de dados de projetos e missões passadas, como aqueles no MAST, continuam a produzir novos e excitantes resultados científicos.

Estes resultados foram apresentados numa conferência de imprensa da 230.ª reunião da Sociedade Astronômica Americana em Austin, no estado norte-americano do Texas.

FONTE: http://www.ccvalg.pt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…