Pular para o conteúdo principal

Cientistas conseguiram codificar imagens de rostos humanos ao escanear o cérebro de macacos



Um grupo de pesquisadores publicou um estudo essa semana no qual eles mostraram uma habilidade de reconstruir a foto de um rosto humano apenas ao gravar as ondas cerebrais de um macaco que estava vendo a foto. Isso representa um imenso salto no nosso conhecimento sobre como o cérebro reconhece rostos e uma janela em potencial para gravar o que o cérebro está vendo.

O estudo, publicado na Cell, não significa que nós decodificamos o cérebro do macaco e logo iremos ver imagens direto dos sonhos dos macacos. Ele, no entanto, demonstra um grande avanço na pesquisa de uma função bem específica do cérebro. Você pode ver a foto de um rosto humano que foi mostrada para os macacos do teste (“actual face”) e a renderização algorítmica de suas ondas cerebrais (“predicted face”) na imagem abaixo.


Imagem: Cell

O professor Rodrigo Quian Quiroga, neurocientista da Universidade de Leicester, disse ao Guardian que isso é “uma revolução na neurociência”. Além de simplesmente ser maneiro demais, essa pesquisa nos aproxima da solução do debate sobre como o cérebro reconhece rostos. Durante um tempo, acreditava-se que o cérebro usava o que era conhecido como “células avós“, neurônios que armazenam informação sobre objetos individuais. Então, grupos de neurônios que foram referidos como “face patches” supostamente eram dedicados a reconhecer rostos. Essas regiões do cérebro respondem mais a estímulos de rostos humanos. Uma teoria era de que células individuais dessa região são codificadas com identidades faciais específicas. “Essa pesquisa mata isso completamente”, diz Quiroga.

Basicamente, parece haver um jeito de reduzir a informação visual de um rosto em um conjunto de valores numéricos e coordenadas, então gravar a ativação dos neurônios e converter os valores numéricos que foram registrados de volta como informação visual. Os pesquisadores descreveram o processo como quase acidental em sua precisão. Primeiro, mapearam 25 pontos de referência nos rostos humanos e testaram como esses números poderiam ser traduzidos em uma imagem. Eram esboços rústicos, como a distância entre os olhos e o topo da testa. Depois de comparar os resultados dos números com fotos de rostos de verdade, decidiram por um conjunto de critérios que parecia o mais preciso, mas ainda extremamente abstrato. Então, escolheram mais 25 medidas que preenchiam mais detalhes, como tom da pele e cor dos olhos.

Os pesquisadores identificaram a região “face patch” dos cérebros de dois macacos rhesus machos ao estudar que áreas respondiam mais ao estímulo visual dos rostos. Então, mostraram fotos de rostos humanos para as cobaias. Usando seu algoritmo personalizado para decodificar dados de neurônios, os cientistas acharam que algum tipo de erro tinha acontecido. As imagens que foram produzidas eram quase espelhos das fotografias que as cobaias tinham visto. De novo e de novo, os cientistas conseguiram mostrar o sujeito da fotografia, gravar a atividade cerebral, decodificar essa informação e reproduzir essa imagem que era quase a mesma que a cobaia tinha visto inicialmente.

De novo, essa pesquisa apenas cobre fotos de rostos humanos. Ainda estamos bem longe de mapear todos os objetos que seriam necessários para ver através dos olhos de um macaco, ou de um humano. Os cientistas acreditam que essa pesquisa dá um fim à ideia de que células individuais são programadas com a identidade facial. Eles agora esperam que isso leve a melhores pesquisas e mapeamentos de outros objetos.

[Cell via The Guardian]

FONTE: GIZMODO BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…