Pular para o conteúdo principal

Brasileiros desenvolvem projeto de colônia na Lua


Alunos da Faculdade de Engenharia de Sorocaba ajudam a Nasa com projeto de colonização humana na Lua (André Carneiro/Facens/Divulgação)

Estudantes de Engenharia trabalham com a Nasa para desenvolver protótipos de habitações que poderão abrigar astronautas durante visitas ao satélite

Estudantes de engenharia de Sorocaba, no interior de São Paulo, estão contribuindo com a Nasa no desenvolvimento de protótipos de uma colônia humana na Lua. Os alunos do curso de Engenharia da Computação e Jogos Digitais da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens) criaram as habitações que, no futuro, poderão abrigar astronautas em missões espaciais. Com a aparência de um iglu, as moradias têm o formato circular para resistir à diferença de pressão, sistema de distribuição de oxigênio e podem abrigar até quatro astronautas cada uma. O projeto foi apresentado aos cientistas da Nasa no mês passado, por uma equipe que viajou aos Estados Unidos.

O grupo brasileiro é o único da América Latina a participar da missão, que reúne outras 13 equipes de universidades de todo o mundo. Também foi o primeiro a ter no time alunos não graduados, uma vez que as demais são formados por pós-graduandos, mestres e doutores.

De acordo com a professora Andrea Braga, coordenadora do curso, o programa lunar da Nasa existe desde 2011 e reúne pesquisadores para simular projetos de exploração espacial. A Lua é vista pelos cientistas americanos como um posto avançado para a futura exploração do planeta Marte. A equipe brasileira foi incumbida de desenvolver o módulo de habitação, onde os astronautas poderão descansar.

Em 3D

Além das moradias, a colônia lunar conta com veículos para locomoção, base de lançamento de foguetes, uma fábrica de oxigênio e instalações para impressão em 3D. De acordo com Andrea, o plano da agência é ter o projeto pronto para execução até 2025. “O que eles disseram por lá é que, com o presidente Donald Trump, os projetos espaciais estão ganhando novo impulso.”

Os estudantes tiveram de interagir com as equipes incumbidas de outras tarefas para dar uniformidade ao trabalho. As reuniões eram realizadas semanalmente por videoconferência, enfrentando obstáculos como fuso horário, problemas de conexão e até de língua, já que alguns pesquisadores eram de Japão, Itália e Alemanha.

“Tivemos alguns percalços, como a necessidade de realocar os painéis de energia solar, porque acabaram ficando sob a sombra de uma antena projetada por outro grupo”, contou o professor André Carneiro, que orientou o grupo.


Alunos da Faculdade de Engenharia de Sorocaba ajudam a Nasa com projeto de colonização humana na Lua (André Carneiro/Facens/Divulgação)

Andrea conta que tudo começou em 2015, quando o gerente de transferência de tecnologia do Kennedy Space Center, Mike Lester, esteve em Sorocaba para dar uma palestra aos alunos da Facens.

Lester gostou do interesse dos estudantes e da estrutura da escola, abrindo as portas para a participação no projeto. “Com a ajuda do presidente da Câmara de Comércio Brasil-Flórida, Jefferson Michaelis, conseguimos iniciar a parceria com a Nasa”, disse.

Rumo a Marte

Mesmo tendo entrado no projeto quatro meses depois que as demais equipes, a turma de Sorocaba conseguiu concluir todas as etapas no prazo. “O time foi reconhecido com louvor pela Nasa”, disse. Este ano, um novo grupo está sendo formado para o próximo desafio, que será concluído em 2018. Em contato com os astronautas dos Estados Unidos, Andrea ouviu deles que o grupo de alunos terá de ir ainda mais longe. “Ainda é uma expectativa, mas pelo que ouvi, nosso próximo trabalho vai envolver o planeta Marte”, disse.

(Com Estadão Conteúdo)

FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…