Pular para o conteúdo principal

O orbitador lunar da NASA sobreviveu a um impacto com um meteoro minúsculo



Três anos atrás, uma câmera a bordo do Lunar Reconnaissance Orbiter (Orbitador de Reconhecimento Lunar, “LRO”, na sigla em inglês) foi atingida por um minúsculo meteoroide enquanto capturava uma imagem da superfície lunar. Estudando os padrões de ziguezague resultantes, cientistas conseguiram estimar a velocidade e o tamanho do objeto que atingiu o equipamento.

Desde 2009, o LRO, da NASA, tem diligentemente coletado informações sobre a superfície da Lua. Para fazer seu trabalho, a sonda está armada com três câmeras, incluindo duas Narrow Angle Cameras (Câmeras de Ângulo Estreito, ou “NACs”, na sigla em inglês) que capturam imagem em preto e branco em alta resolução. Normalmente, essas imagens são cruas e bastante claras, mas uma imagem tirada em 13 de outubro de 2014 exibiu padrões visuais incomuns.


Imagem: NASA’s Goddard Space Flight Center/Arizona State University

As NACs trabalham construindo uma imagem linha a linha. Uma imagem completa consiste de milhares de linhas individuais, que são capturadas em grande velocidade conforme o LRO se move sobre a superfície lunar. A aparição na imagem de 13 de outubro, de acordo com a NASA, foi causada por “uma repentina e extrema oscilação perpendicular” na NAC da esquerda. Em outras palavras, a câmera teve um rápido e violento movimento enquanto tirava uma foto, movendo-se bastante pra lá e pra cá antes de se recompor.

Cientistas da NASA disseram que isso não poderia ter sido causado por movimentos de painel solar ou de rastreamento de antenas. “Mesmo que pudesse, a agitação resultante teria afetado as duas câmeras identicamente”, disse o investigador principal da NASA Mark Robinson, em um comunicado. “A única explicação lógica é que a NAC foi atingida por um meteoroide.”


A Narrow Angle Camera antes de ser instalada (Imagem: Malin Space Science Systems/Arizona State University)

Claramente, o meteoroide era grande o bastante para causar o efeito visual, mas não o suficiente para tornar inoperável o satélite ou sua câmera. A equipe de Robinson ficou curiosa para saber o tamanho do objeto. Então, analisou dados coletados quando o LRO estava passando por testes vibracionais. Armados com essa informação, os cientistas executaram simulações de computador para ver se conseguiam replicar as distorções. A NASA estima que o meteoroide tinha cerca de metade do tamanho de uma cabeça de alfinete (0,8 milímetro) e estava viajando a uma velocidade de aproximadamente 7 km/s. Isso é mais rápido que uma bala após ser disparada. A agência espacial suspeita que o meteoroide tenha atingido o radiador da câmera, que mantém o dispositivo resfriado.

“Já que o impacto apresentado não causou problemas técnicos para a saúde e a segurança do instrumento, a equipe está anunciando só agora esse evento como um exemplo fascinante de como a engenharia de dados pode ser usada, de maneiras não previstas anteriormente, para entender o que acontece a uma sonda voando 380 mil quilômetros acima da Terra”, disse John Keller, cientista de projeto do LRO, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da Nasa, em Maryland.

Ainda bem que eventos como esse são excepcionalmente raros. Que tenha acontecido enquanto o LRO tirava uma foto da Lua é ainda mais raro. Não tenha pressa para apreciar a imagem, pode levar algum tempo antes que vejamos algo assim acontecer novamente.

[NASA Goddard]

Imagem do topo: NASA’s Goddard Space Flight Center/Arizona State University

FONTE: GIZMODO BRASIL


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…