Pular para o conteúdo principal

O misterioso (e eficiente) observatório solar construído por civilização desconhecida


As 13 torres marcam o percurso do Sol durante todo o ano (FUNDO MUNDIAL DE MONUMENTOS)

Mas são, na verdade, edifícios de pedra que fazem parte do Chankillo (ou o Templo das 13 Torres), construídos há 2,3 mil anos - formando, segundo evidências arqueológicas, o observatório mais antigo das Américas.

Só que até hoje ninguém sabe quem construiu o local, que conta ainda com um templo e uma praça feitos de pedra e dedicados ao culto do Sol.

O complexo, localizado em Casma, na costa peruana e 365 km ao norte de Lima, servia para sinalizar com grande exatidão os solstícios, equinócios e diferentes datas do calendário a partir da posição do Sol.

Agora, sua restauração está sendo financiada pelo Fundo Mundial dos Monumentos (WMF, na sigla em inglês), depois de terem sido identificados fortes desgastes causados pelos fortes ventos, a umidade, os tremores de terra e as mudanças de temperatura no deserto.

Ainda assim, "trata-se de um exemplo magistral de uso da paisagem para medir o tempo", afirma a delegação permanente do Peru na Unesco (braço da ONU para a cultura).

Mas como funciona esse antigo calendário, que tem serventia até os dias atuais?

Precisão

Arqueólogos estimam que Chankillo tenha sido habitado entre 500 e 200 a.C.

As 13 torres, que medem entre 2 e 6 metros de altura, se alinham de norte a sul ao longo de uma colina.


Ainda é possível identificar solstícios e equinócios a partir das 13 torres (FUNDO MUNDIAL DE MONUMENTOS)

Em 21 de dezembro, quando ocorre o solstício de verão no hemisfério Sul, o Sol surge à direita da primeira torre, na extrema direita.

À medida que os dias passam, o Sol se move entre as torres rumo à esquerda. Pode-se calcular a data ao ver qual torre coincide com a trajetória dele ao amanhecer.

Em 21 de junho, solstício de inverno no Sul, o Sol sai pela esquerda da última torre na extrema esquerda. E vai se movendo rumo à direita, para voltar a iniciar o ciclo no dezembro seguinte.

"Os habitantes de Chankillo conseguiam determinar a data com uma precisão de dois a três dias", diz o WMF.

Os astrônomos das 13 torres tinham ao menos dois pontos de observação: um para o amanhecer e outro para o pôr do sol. Mas é possível que haja ainda mais locais, crê o arqueólogo Iván Ghezzi, diretor do Museu Nacional de Arqueologia e História do Peru e diretor do chamado Projeto Chankillo.


Acima, uma das passagens que levam à plataforma de observação das 13 torres (FUNDO MUNDIAL DE MONUMENTOS)

O conhecimento dos dias do ano pode ter sido aplicado na agricultura (para calcular datas de plantio e colheita), mas acredita-se que o propósito principal fosse "a organização de um calendário cerimonial", diz Ghezzi à BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC.

E Chankillo tem uma localização privilegiada: fica próximo às colinas de Mongón, "que formam uma barreira natural à neblina, o que explica em parte a excepcional visibilidade do observatório", explica o especialista.

Por isso, Chankillo está inscrito em uma lista preliminar de lugares propostos para o Patrimônio Mundial da Humanidade na Unesco.

"Representa uma obra-prima do gênio criativo humano", diz o documento que embasa a candidatura.

Mas quem construiu Chankillo?

O local foi erguido por uma "civilização suficientemente organizada (capaz de) construir esse grande monumento em um período relativamente curto, talvez apenas 25 anos", prossegue Ghezzi.

Mas até hoje ninguém sabe qual civilização é essa.

"(O local) pertence a uma cultura ainda desconhecida, aproximadamente do ano 200 a.C., que não está relacionada às culturas (pré-incas) já conhecidas da época", diz o arqueólogo.


Todo o complexo foi dedicado ao culto do Sol, mas ninguém sabe quem o construiu (CÉSAR ABAD E DANIEL MARTÍNEZ)


Acredita-se que esta parte fosse destinada à proteção do local, que acabou sendo pilhado por um culto rival (FUNDO MUNDIAL DE MONUMENTOS)

Para que essa civilização receba um nome, ele diz que ainda é preciso "saber muito mais sobre seu meio de vida, religião, idioma e etc".

"Por enquanto, temos apenas a informação de que (faziam) o culto ao Sol."

Para o WMF, Chankillo "indica que o culto ao Sol existia nos Andes cerca de dois milênios antes do já conhecido culto solar (ao deus Inti) do Império Inca".

Mas se não sabemos como essa cultura começou, pelo menos já temos algumas pistas de como ela terminou.

"O local foi atacado por cultos rivais ao de Chankillo. O templo principal foi destruído e soterrado, e toda a região foi abandonada repentinamente", conta Ghezzi.

E como sabemos que o local foi realmente um observatório solar?

As torres de Chankillo não têm nenhum outro propósito aparente senão o de marcar as posições do Sol.

"Diferentemente de outros observatórios do mundo que marcam apenas uma ou duas datas, as observações em Chankillo cobrem todo o ciclo anual do Sol", diz o documento que pleiteia o reconhecimento da Unesco.

De acordo com o texto, "o observatório astronômico de Chankillo é único e excepcional, não apenas no Peru e nas Américas, mas em todo o mundo".


O projeto de Chankillo está em harmonia com a paisagem do deserto (CÉSAR ABAD E DANIEL MARTÍNEZ)


As 13 torres contam com escadarias, que levam ao topo da estrutura (CÉSAR ABAD E DANIEL MARTÍNEZ)

FONTE: BBC BRASIL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ovnis e estranhas criaturas próximos ao Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (RN)

Desde o ano de 2016 militares da Aeronáutica que trabalham na Barreira do Inferno já percebiam bolas de luzes alaranjadas como também feixes de luzes amarelados no céu noturno, bem próximo daquela região. Por desconhecerem totalmente a origem dessas luzes misteriosas e a finalidade delas, vários militares observavam intrigados e chegavam a comentar entre eles sobre esses fenômenos luminosos. Dias após a percepção dessas claridades no céu noturno, alguns militares começaram a perceber ao redor daquela localidade o aparecimento de criaturas vivas, de seres que não eram humanos. Um dos militares chegou a ver um "Urso Polar" e imediatamente comunicou a outros militares de plantão. Tal militar chegou a passar mal após a aparição de tal criatura. Já um outro militar flagrou uma outra criatura aparentando ser um "homem de grande porte" sair andando de dentro da água do mar. Outro militar relata que presenciou duas criaturas que de início pareciam apenas dois cachorros g…

Ovnis em Iporanga (SP)

Entrada da Casa de Pedra, caverna com maior boca do Mundo, 215 metros.

Iporanga em tupi significa “Rio Bonito” e foi palco da exploração de ouro no período colonial e, posteriormente da exploração de chumbo e zinco no século passado. Na região há famosas cavernas: Formação Iporanga e Formação Votuverava. Em Iporanga, efetuaram-se diversos estudos de mapeamento geológico e pesquisa mineral, sobretudo pela CPRM - Serviço Geológico do Brasil. A seção geológica mais conhecida é o famoso perfil Apiaí-Iporanga. A cidade atrai muitos visitantes por possuir lindas cachoeiras, piscinas naturais, vales, grutas e cavernas. Iporanga é a cidade que possui o maior número de cachoeiras em todo o Brasil, nas 365 cavernas cadastradas. O turista poderá praticar esportes radicais como o rapel, canyonismo e trekking. Atrativos culturais podem ser visitados como o museu da cidade, a Igreja Matriz e as casas com o estilo colonial. Por todos estes motivos, Iporanga é considerada um dos mais importantes cent…

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…