Pular para o conteúdo principal

Bem-vindo a Asgardia, a primeira “nação espacial”


Concepção artística de um escudo de Asgardia, protegendo a Terra de ameaças naturais, como asteroides ou lixo espacial. (James Vaughan/Divulgação)

Projeto liderado pelo russo Igor Ashurbeyli, membro da Unesco, foi lançado nesta terça. Objetivo é defender a Terra e contribuir para a paz no cosmo

O projeto do que seria a primeira “nação espacial”, um lugar construído fora da Terra e independente de qualquer país, foi anunciado nesta terça-feira por um grupo de especialistas liderado por Igor Ashurbeiyli, empresário e cientista russo, presidente do comitê de ciências do espaço da Unesco. Em uma conferência em Paris, Ashurbeiyli explicou que a proposta pretende contribuir para a paz na galáxia, proteger a Terra de ameaças cósmicas (como lixo espacial, meteoritos ou objetos que orbitam próximo ao planeta) e ampliar o acesso a tecnologias espaciais para todo o mundo.

Batizada de Asgardia, uma alusão a Asgard, cidade celeste que, na mitologia nórdica, é morada dos deuses, a nação espacial poderá, no futuro, se tornar um país-membro das Nações Unidas, com sua própria bandeira, hino, governo e embaixadas. Segundo o site lançado para explicar o projeto a nova nação irá oferecer “uma plataforma independente, livre das limitações das leis nacionais terrestres. Será um espaço em órbita verdadeiramente ‘terra de ninguém’”.

Vida fora da Terra

Ambiciosa, a iniciativa tem poucos objetivos práticos ou desenvolvimentos concretos. Segundo Ashurbeiyli, a proposta, feita inicialmente com os recursos de seus fundadores, consiste em um satélite que será lançado entre 2017 e 2018 (mais ainda não há detalhes de quem o fabricará ou onde será a plataforma de lançamento). Os cidadãos da nova nação (que podem requerer a cidadania gratuitamente por meio do preenchimento de um simples formulário no site) irão residir em terra firme e terão “dupla cidadania” – todos os procedimentos legais relativos à cidadania serão respeitados, como nos países da Terra, afirma o cientista.

Ao que tudo indica, o ousado projeto tem o objetivo primário de discutir as leis que regulam o espaço, que precisariam ser repensadas e reformuladas se uma “nação espacial” sair do campo das ideias. Atualmente, o Tratado do Espaço Exterior (Outer Space Treaty, em inglês), a lei espacial internacional que regula a exploração e utilização do espaço, como a Lua e outros corpos celestes, afirma que a responsabilidade pelos objetos enviados ao espaço é do país que os enviou. Segundo Ashurbeiyli, contudo, Asgardia seria responsável por seu próprio lançamento e iria ampliar o acesso à tecnologia espacial a países que não têm agências espaciais ou profissionais experientes na área da astronomia.

De acordo com Christopher Newman, especialista em lei espacial da Universidade de Sunderland, na Inglaterra, o projeto reflete o fato de que a geopolítica espacial mudou bastante desde que o Tratado foi elaborado, nos anos 1960. “Em muitos sentidos, esse [projeto] é um desenvolvimento animador e será interessante ver como se desenrolará. Mas existem grandes obstáculos na lei espacial internacional que ele deve superar. O que eles estão advogando é uma revisitação completa da estrutura legal atual”, afirmou ao britânico The Guardian.

A discussão é interessante, já que empresas privadas têm pesquisas avançadas sobre a mineração de corpos celestes, como a Lua.

Ashurbeiyli afirma ainda que a primeira “nação espacial” vai pavimentar o caminho para a vida humana fora da Terra. “Estamos lançando as fundações para fazer com que isso seja possível em um futuro distante”, afirmou.



FONTE: REVISTA VEJA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Conheça histórias de pessoas que foram abduzidas por Extraterrestres

As pessoas do mundo se dividem em dois grandes grupos e um terceiro bem pequeno.

Os dois grandes grupos são: aqueles que acham que ETs existem e aqueles que acham que ETs não existem.

Correndo por fora, existe uma minoria silenciosa que se mantém quietinha, aparentemente, porque, se essas pessoas disserem as coisas que elas sabem, ninguém acreditaria nelas.

Elas fazem parte do pequeno grupo que jura de pé junto ter feito contato com seres extraterrestres.

O fotógrafo nova-iorquino Steven Hirsch, de 63 anos, é um cara que, se não acredita nessas pessoas, pelo menos acredita no direito que elas têm de contar suas histórias do jeito que quiserem.

Por isso, ele criou um blog em que entrevista e fotografa gente que diz ter sido abduzida por alienígenas. O endereço é littlestickylegs.blogspot.co.uk.

- Eu não quero que os meus leitores tenham nenhum tipo de ideia pré-concebida sobre essas pessoas até qie eles vejam suas imagens e leiam suas palavras. Minhas entrevistas mal conseguem ir além…

Mémorias da Ufologia: Caso SANTA ISABEL

FOTOS DO LAUDO

Na localidade de Santa Izabel(SP) em junho de 1999, a Sra. Alzira Maria de Jesus foi encontrada morta na sua cama, e por volta das 8 hs da manhã sua nora percebe o fato e sai imediatamente para ir ao orelhão e ligar para o seu marido e espera à ajuda e , ao chegar de volta em casa quase 40 min.depois a nora vê o corpo da sra. com o rosto totalmente desfigurado e praticamente sem carne; foi feito o boletim de ocorrência na delegacia da cidade sob n°145/99 em 24 de Junho. Posteriormente confirmou-se que à causa da morte foi a parada respiratória, mas o que aconteceu realmente como rosto desta sra. num espaço menor de uma hora?O laudo é cita sobre as configurações do mesmo, inclusive nas cavidades oculares, mas o que teria causado à perda do rosto ficou indeterminada. Mais estranho ainda é que na noite anterior aos fatos foram vistas bolas de luz voando nessa região rural e no início da madrugada os animais,como cachorros,gansos,e outros começaram à fazer um intenso barulh…

O caso Roswell nordestino: Queda de UFO na Bahia, em Janeiro de 1995

Por Ufo Bahia: Nessa data, as 09:00 horas, uma in­formante do G-PAZ, "M" da TV BAHIA me ligou contando uma mirabolante his­tória de queda de um UFO em Feira deSantana(BA) a 112 Km de Salvador. Umfazendeiro de apelido Beto, tinha ligadopara TV SUBAÉ daquela cidade oferecen­do – em troca de dinheiro – um furo dereportagem; um disco voador tinha caído na sua fazenda e ele tinha provas e ima­gens do fato!
Apenas depois do meio dia, conse­gui – por fim – falar com Beto, que apóssua proposta de negócio, ante minha (apa­rente) frieza, me contou com bastante de­talhes o acontecido. Soube que tambémtentara vender suas provas a TV BAHIA,onde procurou o repórter José Raimundo:
"Ontem pela madrugada caiu algu­ma coisa na minha fazenda, dentro de umalagoa. Era do tamanho de um fusca; aqui­lo ficou boiando parcialmente submerso,perto da beirada. Tentei puxar como pude,trazendo para perto de mim, com uma vara.Aquilo parecia um parto... (quando seabriu uma porta) começou primeiro a sa…